Hábitos de vida inadequados e envelhecimento da população podem estar relacionados ao aumento dos números. Mas, o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura

De acordo com informações do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), em 2018, três tipos de câncer - o de mama, intestino e colo de útero, serão responsáveis por mais de 90 mil novos casos da doença entre as mulheres.

No caso do câncer de mama, o que mais atinge a população feminina, são estimados 59.700 novos casos no biênio 2018-2019, um aumento em relação aos anos de 2016-2017. Os outros dois tipos mais comuns da doença nas mulheres, câncer de intestino e colo de útero, mantém-se estáveis, com números semelhantes ao de outros anos, com estimativas de 18.980 e 16.370 novos casos, respectivamente. “Embora o crescimento de casos não seja algo assustador, estamos falando de mais de 90 mil mulheres que terão o diagnóstico de câncer em apenas três casos: mama, intestino ou colo uterino em 2018. Isso já é considerado um número exorbitante e é fundamental reduzi-los”, alerta Elge Werneck Júnior, oncologista do Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba (IHOC)/Grupo Oncoclínicas.

Como existem múltiplos fatores que levam ao desenvolvimento do câncer, não é possível definir a causa exata para a doença não ter uma diminuição de casos. Contudo, os hábitos da vida contemporânea ajudam a contribuir para o surgimento de variados tipos de câncer. “Não há dúvidas de que os hábitos de vida atuais, em que prevalece o sedentarismo, dietas ricas em gorduras e pobres em alimentos naturais e fibras, tabagismo, entre outros, refletem os números encontrados”, afirma Elge Werneck Júnior. “O envelhecimento da população também pode contribuir para esses números, já que a medida em que se envelhece, o risco de alguma célula sofrer transformação e dar origem ao câncer aumenta”, acrescenta.

Segundo o oncologista, outro fator que pode contribuir para o aumento dos números nos casos de câncer é o acesso da população a exames diagnósticos. “Isso faz com que sejam descobertos mais casos de câncer, trazendo números sobre a prevalência da doença um pouco mais reais do que os antigos”, conta.

O diagnóstico precoce é um grande aliado para evitar a mortalidade. “Nos três tipos de câncer mais comum nas mulheres, a taxa cura é bem alta quando é realizado um tratamento precoce. Nos cânceres de mama e colo de útero, as taxas de cura podem superar 90%. Já no câncer do intestino, a cura chega a 80%. Se o tratamento começa ser feito em um estágio mais avançado, as chances de curar a doença são bem remotas”, revela Elge Werneck Júnior.

O tratamento para o câncer é individualizado e de acordo com as condições clínicas da paciente. Mas, com o avanço da medicina, as cirurgias são cada vez menos agressivas, as radioterapias mais direcionadas e com menor toxicidade e as quimioterapias mais eficazes e guiadas por características específicas da paciente e da doença. “Além disso, terapias como a imunoterapia e medicamentos mais modernos também já estão começando a oferecer novas opções terapêuticas aos pacientes”, declara.

Prevenção do câncer
Embora o tratamento precoce aumente as chances de cura, a prevenção ainda é o melhor remédio para o câncer, principalmente, em pessoas que não têm histórico familiar da doença. No caso das mulheres, a vacina contra o HPV na adolescência é uma das medidas mais importantes para tentar evitar o câncer de colo de útero. “Essa vacina é uma das ferramentas de prevenção mais importantes que surgiu nos últimos anos. Com o passar do tempo, ela irá contribuir para a redução das taxas de mulheres infectadas pelo HPV e, consequentemente, diminuir os números de câncer de colo uterino”, assegura o oncologista.

Evitar os fatores de risco com adoção de hábitos saudáveis é outra atitude que ajuda a prevenir o câncer. “Na alimentação, deve-se priorizar produtos naturais e pobres em gorduras animais e saturadas e evitar excesso de açúcares e sal, assim como de alimentos condimentados, defumados e processados. Também é fundamental a prática de exercícios físicos, não fumar, consumir álcool com muita moderação e evitar exposição solar em excesso”, explica Elge Werneck Júnior.

 

Sobre o IHOC
O Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba (IHOC), fundado em 2000, é um centro de tratamento médico multidisciplinar, com foco no tratamento de pacientes com tumores e doenças hematológicas. A estrutura é preparada para procedimentos de alta complexidade. Desde o início de 2017, se uniu ao Grupo Oncoclínicas. Mais informações sobre o instituto podem ser conferidas no site www.ihoc.com.br.

Sobre o Grupo Oncoclínicas
O Grupo Oncoclínicas é o maior grupo de clínicas oncológicas da América Latina especializado em Oncologia, radioterapia e hematologia. Foi fundado em Belo Horizonte, em 2010. A empresa possui mais de 43 unidades entre clínicas e parcerias com hospitais. O Grupo Oncoclínicas é uma empresa que cuida de vidas e cuja prioridade é oferecer aos pacientes os tratamentos mais avançados e o mais alto nível de conforto, segurança e conveniência.

A equipe médica do grupo é composta por mais de 400 médicos que são responsáveis por 15.000 ciclos de tratamento para o câncer por mês. O Grupo Oncoclínicas emprega 1.200 pessoas que trabalham em clínicas localizadas em dez estados do Brasil. Além disso, a empresa conta com parceria exclusiva no país com o Dana-Farber Cancer Institute, associado à Harvard Medical School. Para obter mais informações, visite www.grupooncoclinicas.com.

Talvez você se interesse por estes artigos.

Fechar Menu