Curitibanos saem às ruas em apoio à COP21

Enquanto chefes de Estado de todo o mundo chegavam a Paris para a 21ª Conferência do Clima da ONU, a COP21, que inicia oficialmente nessa segunda-feira, 30, ativistas de todo o mundo saíram às ruas para fortalecer o pedido único de respeito e atenção aos problemas climáticos e ambientais. Em Curitiba não foi diferente. O movimento iniciou logo nas primeiras horas da manhã, com a Bicicletada Climática Global, promovida pela 350.org Brasil, a Coalizão Não Fracking Brasil. Aos poucos juntaram-se ao grupo os integrantes da “Marcha Mundial pelo Clima”, que caminharam entre as Praças 19 de Dezembro e Nossa Senhora da Salete.

Motoristas que passavam pelo local apoiavam o movimento dando espaço para o grupo passar e promovendo um buzinaço. O evento foi acompanhado pela equipe da agência internacional de jornalismo Reuters e suas imagens serão anexadas a de movimentos similares em todo o mundo e transmitidas durante a apresentação oficial dos líderes da COP21.

Após a Marcha e Bicicletada pelo Clima, os ativistas uniram-se em torno da Assembléia Popular Climática, na Praça Nossa Senhora de Salete. “Lutamos pelo fim da exploração dos combustíveis fósseis com transição para fontes limpas e transformação do atual modelo agropecuário que, além de ser responsável por altíssimas emissões de CO2, também se funda na exploração predatória dos recursos hídricos e supressão das florestas e biomas brasileiros”, aponta Ricardo Leining, do grupo Curitiba pelo Clima.

O principal emblema do grupo é “não estamos lutando pela natureza. Somos a natureza se defendendo a si mesma”, complementa.

NoFracking

Com forte presença no evento deste domingo, integrantes do movimento “NãoFrackingBrasil” mostram a sua preocupação com o desmatamento e a exploração desenfreada dos recursos naturais no país, que impacta diretamente nos fatores climáticos. “O fraturamento hidráulico, também conhecido com “Fracking”, é utilizado para realizar perfurações e extração de gás, o chamado gás xisto, ou gás de folhelho, em inglês chamado de shale gas” explica o engenheiro Juliano Bueno de Araújo, coordenador da COEUS, Coalizão Não Fracking Brasil.

Foram lembradas pelos manifestantes tragédias como o rompimento da barreira de Mariana e a Rodada 12, na qual a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ANP, sem abrir consulta para a sociedade civil ou mesmo ter comprovação científica da segurança de uma tecnologia como o Fracking, ofereceu para leilão em 28 de novembro de 2013, 240 blocos localizados nos principais aquíferos brasileiros, como o Guarani, Bauru, Acre, Parecis, Parnaíba e Urucuaia. Eles pedem que a nossa presidente aproveite a participação na COP21 e lute pela recuperação de nossas bacias e aquíferos naturais.

O grupo do Movimento pelo Clima volta a se reunir em Curitiba nessa segunda-feira, 30, das 17h às 19h30, com a exibição de filmes e debates no

Bicicletaria Cultural, na Rua Presidente Faria, 226, Centro. Entrata gratuita, com inscrição em: curitibapeloclima.wordpress.com.

 

Links dos movimentos sociais:

http://www.naofrackingbrasil.com.br/event/cop21/

https://www.facebook.com/CuritibaPeloClima

https://curitibapeloclima.wordpress.com/2015/11/25/assembleia-popular-climatica/

Twitter: https://twitter.com/CuritibaClima

Email: [email protected]

 

Crédito das fotos: Samuel Costa

<[email protected]>

11223843_1156834200993847_5202319078056109412_n 12219512_1156834467660487_5314634172871211816_n 12295390_1156834340993833_7804329988781152112_n 12301697_1137790872932902_3239857460196383250_n 12311164_1117040048307632_3761329387081548398_n 12312261_1156886510988616_811882744_n

1 comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.