Garantioeste é primeira SGC do Brasil a liberar crédito em uma linha de inovação

Garantia inédita abre escopo de atuação das Sociedades Garantidoras de Crédito, que geralmente atuam com capital de giro e investimentos iniciais

Com cinco anos de atuação junto a empreendedores de micro e pequenos negócios do Oeste do Paraná, a Garantioeste – uma das seis Sociedades Garantidoras de Crédito (SGC) do Estado – comemora a liberação, inédita no Brasil, de uma garantia de crédito para inovação. Com aval da SGC, uma empresa do município de Toledo obteve recursos da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), dentro da linha Inovacred Expresso, da Fomento Paraná, que financia projetos inovadores no Estado.
Coordenador de Acesso a Serviços Financeiros do Sebrae/PR, o consultor Flavio Locatelli Junior explica que, normalmente, negócios de micro e pequeno porte buscam auxílio das SGC para capital de giro ou investimentos iniciais. “Esse convênio com a Fomento dentro da linha Inovacred Expresso é uma novidade que abre o escopo de atuação da Garantioeste. É um crédito que foge do tradicional, ao possibilitar aos pequenos a obtenção de recursos para inovação”, comemora.

Locatelli recorda que muito mais do que fornecer aval para que o empreendedor obtenha o recurso, em condições de prazos e juros melhores do que os oferecidos pelo mercado, a SGC tem o papel de orientar o crédito. “São feitas visitas, projetos, acompanhamento da liberação do valor e da evolução dos pagamentos, além de consultorias, por meio do Sebrae. É um crédito orientado e acompanhado, o que confere a certeza para o empresário que o crédito realmente é a melhor opção naquela situação”, detalha.

Com 1.519 empresas associadas, a Garantioeste já possibilitou a aprovação de 1.392 propostas de crédito em seus cinco anos de atuação. Foram cerca de R$ 32 milhões em garantias emitidas, que resultaram na liberação de mais de R$ 41 milhões para micro e pequenos negócios do Oeste do Paraná. “Somos a primeira Sociedade Garantidora de Crédito do Brasil a liberar um recurso na Inovacred. Para nós é um grande avanço, com grande repercussão. Temos várias empresas ligando para tentar se enquadrar nessa linha, e esperamos atender mais e mais”, projeta o supervisor administrativo da Garantioeste, Marco Rothe.

Segundo ele, antes de conceder o aval ao empreendedor, a SGC analisa se o produto ou serviço que busca o crédito é realmente inovador. “Se não existe similar no mercado, mandamos a proposta.” Rothe recorda que todo o processo leva cerca de quatro meses, sendo a aprovação do recurso a etapa mais morosa. “Sem a garantia da Garantioeste, o empresário teria que dar garantias próprias, provavelmente, um imóvel. Corremos atrás de tudo, da parte documental, estrutural”, acrescenta.

Produto novo
Com 11 funcionários e sete produtos em sua linha, a empresa Luminárias de Emergência Spot Light, de Toledo, se interessou pela Inovacred a partir de uma apresentação sobre linhas de crédito em uma reunião da Fomento Paraná e Garantioeste com empreendedores do Oeste paranaense. “Tínhamos um projeto de um produto inovador, uma luminária de uso convencional e industrial, que suporta lâmpadas de 40 watts, 54 watts, ou três lâmpadas de LED”, recorda o empresário Altair Michels.

O crédito obtido permitiu a compra de ferramentas, moldes de extrusão e duas máquinas de corte, para a fabricação do produto, que deve ter início em 60 dias. “A Garantioeste facilitou nossa vida na parte burocrática. Se fôssemos fazer por outra linha de crédito, do BNDES, por exemplo, ficaria mais difícil, porque as empresas precisam ser cadastradas. Fizemos em 48 parcelas, com 12 meses de carência”, conta.

Panorama
O Paraná é, atualmente, o Estado com maior número de Sociedades Garantidoras de Crédito – são seis no total, sendo cinco em operação e uma em implantação. A Rede Nacional de Garantias conta com 11 garantidoras, em todo o País. Com a carta de uma SGC em mãos, empresas de micro e pequeno porte conseguem negociar condições de pagamento e taxas de juros melhores junto aos bancos. “Nesse caso, por exemplo, o empresário obteve uma taxa de 9% ao ano, nem 1% ao mês, um valor bem baixo em relação ao praticado no mercado”, pondera o consultor Flavio Locatelli Junior.

Deixe uma resposta