OPINIÃO / A caixinha de surpresa / Josias Lacour*

Dino Sani, ex-volante e treinador aposentado, foi o autor da frase “futebol é uma caixinha de surpresa”. Na década de 1970 eu era repórter de rádio. Tive o privilégio de conviver com profissionais de primeira linha do futebol brasileiro. Entre eles posso citar Osvaldo Brandão, Francisco Sarno, Armando Renganeschi, Claudio Coutinho, Paulinho de Almeida, Elba de Pádua Lima (Tim) e Dino Sani. Técnicos que não eram chamados de professor, como se convencionou tratá-los da década de 1990 para cá. Contudo, eram mestres na estratégia de jogo, na armação de suas equipes. Suas declarações eram interessantes, simples, porém profundas. A de Dino Sani baseava-se no fato de que entre todos os esportes o único que é capaz de surpreender, em nível de resultado, é o futebol.

Sim, no futebol nem sempre a melhor equipe vence, ou ganha campeonato. Ao longo dos anos nos deparamos com inúmeras surpresas, resultados pouco (ou nada) previsíveis. Alguns fabricados, é claro, como foi o caso da goleada que a Seleção da Argentina aplicou sobre a do Peru na final da Copa de 1978. Outros obra de uma jornada extremamente inspirada, como aquela da Itália sobre o Brasil nas semi-finais do Mundial da Espanha.

Neste fim de semana, a rodada de volta das quartas-de-final do Campeonato Paranaense apresentou um resultado que veio confirmar a máxima celebrizada por Dino Sani. O PSTC, que na rodada de ida, foi goleado diante de sua torcida, tirou a vantagem do J. Malucelli durante o tempo normal, vencendo a partida pelo mesmo placar sofrido em seus domínios. O jogo teve que ser decidido nas cobranças de penalidades máximas e aí, com um estado psicológico elevado, alcançou classificação às finais do certame. Foi uma grande surpresa, sem dúvida.

Nos demais jogos, prevaleceu a lógica. Coritiba e Atlético venceram seus adversários até com certeza facilidade e também se garantiram. O Paraná é que bobeou, tropeçou no Foz, foi derrotado perante sua torcida e só chegou às semifinais porque venceu com sobras o primeiro confronto com a equipe fronteiriça.

lacour

*Josias Lacour é jornalista (josiaslacour@yahoo.com.br)

Deixe uma resposta