Pequenas indústrias, agroindústrias e distribuidoras de alimentos e bebidas têm apoio para crescer

Com duração de sete meses, programa auxilia no desenvolvimento de processos de qualidade e gestão; no oeste, 20 empresas já receberam a chancela do Selo Alimentos do Paraná

Superação das metas de venda, expansão de mercado, fortalecimento da marca, melhoria de processos produtivos e gerenciais, aumento da confiança do consumidor, maior engajamento da equipe, profissionalização da empresa familiar, reconhecimento da qualidade e segurança alimentar. Esses foram alguns dos avanços percebidos pelas 16 empresas do oeste do Paraná que foram homenageadas na noite desta quarta-feira, dia 18, no Sebrae/PR de Cascavel. 

O evento, que marcou a entrega do Selo Alimentos do Paraná para as 16 pequenas indústrias, agroindústrias e distribuidoras do segmento de alimentos e bebidas – que participaram da segunda edição do programa no oeste – reuniu mais de 100 pessoas, entre empresários e colaboradores das participantes além de empresas convidadas para fazer parte da terceira edição do Programa Selo Alimentos do Paraná, com previsão de início em junho. 

Segundo o gerente regional do Sebrae/PR no oeste, Orestes Hotz, o Selo é um reconhecimento para a empresa que atingiu patamares de excelência, porém, citou que o maior ganho está na competitividade. “Pouco mais de 1/3 das empresas que conquistaram o Selo no Paraná são do oeste. Sabemos que não é simples fazer as adequações e, por isso, o reconhecimento torna-se ainda mais necessário. O Selo é apenas a materialização da conquista, o ganho real está na melhoria dos processos e na gestão”, destacou. 

Melhorias que os próprios participantes reconheceram em público ao receber a placa de homenagem durante o evento em Cascavel. Alguns relataram aumento efetivo nas vendas, como a Pegue Mais Chás e Ervas, de Marechal Cândido Rondon, e a Panificadora Roma, de Foz do Iguaçu. “As melhorias resultaram no crescimento nas vendas e não queremos parar por aqui”, relataram os representantes da Pegue Mais. “Superamos a meta de vendas em 10%. Mas sei que esse é apenas o primeiro passo”, registrou o porta-voz da Roma. 

Para a equipe da Água Mineral Radiante, de Guaraniaçu, o programa auxiliou no processo de abertura de mercado. “O Selo chegou na hora certa e estamos em processo de exportação”, disseram os empresários que, assim como o conterrâneo Açougue 500 e a Sorveteria Karmone, esta de Palotina, conseguiram vislumbrar novos mercados para seus produtos a partir da participação do Programa. “Os cursos e consultorias do Selo ajudaram na conquista do registro de comercialização estadual”, sintetizaram os representantes da Karmone. 

Reconhecimento 

Na primeira edição do programa, receberam o Selo Alimentos do Paraná no oeste do Estado as empresas: Pegue Mais Chás e Ervas e Izaura Alimentos, de Marechal Cândido Rondon; Samollé Embutidos e Defumados, de Quatro Pontes; e Lisete Breunig, pequena indústria de panificados em Entre Rios do Oeste. Já nessa segunda edição, o Selo Alimentos foi conquistado por mais 16 pequenas indústrias, agroindústrias e distribuidoras de alimentos e bebidas da região. 

São elas: Pelissari Alimentos Funcionais, Seleção Monjoleiro e Cervejaria Providência, de Cascavel; Água Mineral Havaí, Biscoitos Naga e Cattani Embutidos e Defumados, de Santa Helena; Frigorosa Indústria de Alimentos, de Nova Santa Rosa; Água Mineral Radiante e Açougue 500, de Guaraniaçu; Coperfam Alimentos, de Quatro Pontes; Oficina do Sorvete e Roma Panificadora, de Foz do Iguaçu; Casa de Carnes Evarini, de Nova Laranjeiras; Temperbom, de Santa Tereza do Oeste; D Magon Horticultura, de Toledo; e Sorveteria Karmone, de Palotina. 

O Programa 

O Comitê Gestor do Programa Selo Alimentos do Paraná Sebrae/PR é composto pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Federação do Comércio de Bens e Serviços do Paraná (Fecomércio PR), Associação Paranaense de Supermercados (Apras) e Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) é parceira do Programa e, no oeste, o Selo conta com a parceria do setor de Vigilância Sanitária da 10ª Regional de Saúde do Estado do Paraná e de prefeituras municipais. 

A programação segue etapas distintas. “A primeira ação consiste na avaliação da empresa participante. Em seguida, há a elaboração do plano de ação corretivo, com base no diagnóstico. Depois, as empresas passam por cursos e consultorias para realizar as melhorias propostas. Sempre unindo teoria à prática, com auxílio para fazer as adequações dentro da empresa” explicou o consultor do Sebrae/PR, Emerson Durso. 

A etapa final é a realização de uma auditoria pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que vai atestar a conformidade de todos os itens de qualidade analisados. “Quem atender no mínimo 80% de conformidade estará apto a receber a chancela do Selo”, orientou o consultor. Para a terceira turma do programa, 30 vagas foram abertas para empresas o oeste do Paraná. “Os interessados devem entrar em contato com o Sebrae/PR para participar da pré-seleção, que acontece por meio de entrevista de análise de perfil do empresário”, alertou Durso.

Deixe uma resposta