Vale o esforço para a recuperação judicial de uma empresa familiar?

Se antigamente as empresas familiares nem cogitavam uma intervenção para evitar a falência da sua companhia por simples vergonha ou orgulho, hoje o conceito mudou e o vergonhoso seria deixar a empresa morrer sem tentar fazer nada por ela.

Eduardo Valério, diretor-presidente da JValério, especializada em empresas familiares, conta que quando chega um momento crítico a sua origem e causa são financeiros: “em uma empresa não familiar, as medidas drásticas são tomadas de forma mais rápida e radical.  A empresa familiar, pela sua própria cultura, tem relutância maior em fazer mudanças profundas na empresa com desligamentos expressivos e fechamentos de unidades de negócios. Em uma empresa familiar isto demora sempre mais.”

Recuperação judicial era um verdadeiro tabu em uma empresa familiar e Eduardo Valério entende que hoje não há mais problema algum em buscar esta opção, já que essa é uma alternativa prevista em lei e, como o próprio nome diz, consiste em recuperar as suas atividades homologadas na justiça para que ela possa respirar e retomar o seu crescimento.

“Até um tempo atrás não se tocava neste assunto nas empresas familiares, sobre pedir uma ‘concordata’ que era o termo previsto em lei que depois foi adequado para recuperação judicial.  Hoje, este e outros processos de reestruturação de empresa começam a fazer parte do cardápio das reuniões dos conselhos de administração das empresas familiares. É um momento em que todas as alternativas possíveis para evitar o fechamento de uma empresa devem ser discutidas.”

Os tempos mudaram
Muitas vezes um erro de gestão pode ter levado a empresa para este caminho e é necessário fazer esta intervenção:

“Quando a empresa está com algum problema grave, só chegou neste patamar por problema de gestão. Pode se culpar o dólar, a crise e a política, mas a essência é problema de gestão. Muitas vezes o empresário pode achar que a solução é impossível e inviável, mas há solução.”

Eduardo ressalta ainda que o remédio sempre será amargo, mas praticamente todas as questões que levam uma empresa para uma crise financeira ou institucional podem ter solução e compete à diretoria executiva e ao conselho de administração a coragem e o preparo para tomar essas medidas amargas para recuperar o seu fôlego e o seu crescimento.

Fonte: Duisenberg

Sobre Eduardo Valério
Eduardo Valério é graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), especialista em Estratégia e Marketing pela Kellogg Business School e especialista em Governança Corporativa para Empresas Familiares pela Wharton Bussiness School, Pennsylvania. Eduardo é diretor-presidente da JValério Consultoria S/C Ltda, associada à Fundação Dom Cabral (FDC) para os estados do Paraná e Rondônia, e vice-Presidente da Federação Nacional das Associações dos Dirigentes de Marketing e Vendas do Brasil (FENADVB).

Sobre a JValério
A JValério é uma consultoria associada à Fundação Dom Cabral (FDC), escola de negócios especializada no desenvolvimento de executivos e empresas. A missão da JValério é contribuir para o desenvolvimento das empresas, dos executivos e das pessoas e ser a primeira opção nas soluções empresariais para clientes e parceiros. A JValério busca um crescimento sustentável e atua em vários segmentos, com empresas com as mais diversas características.

JValério – Gestão da Empresa Familiar
Endereço: Praça São Paulo da Cruz, 50 Cj 1507, Cabral, Curitiba.
http://www.jvalerio.com.br/

Fonte: KAKOI Comunicação
www.kakoi.com.br

 

Deixe uma resposta