Saldo negativo: vermelho de sangue

Com o fim do ano de 2017, o saldo da insegurança no Rio de Janeiro, depois de tanta violência, mortes e balas perdidas, não poderia ser outro: negativo e vermelho como todo o sangue derramado. Os números são fruto da inconsequente política de confronto predominante nos governos que se sucederam e que ainda vigora. Mesmo diante de comprovada ineficácia deste projeto, pois a violência só aumenta, a segurança pública no Rio insiste num modelo que despreza o planejamento e a inteligência, priorizando a força.

Na prática, o combate ao narcotráfico e ao contrabando de armas não vem surtindo efeito, a não ser que seu objetivo fosse o extermínio da população jovem e negra, uma vez que, segundo dados da Anistia Internacional, dos 56 mil homicídios que ocorrem por ano no Brasil, mais da metade é entre os jovens e, destes, 77% são negros.

Com essa política ostensiva ganhamos o 'status' de cidade na qual a polícia é a que mais mata e a que mais morre. São baixas comparáveis a países em guerra, comprovando que a estratégia é falha e fomentadora de mais violência.

A segurança está absolutamente comprometida, e a vida humana, banalizada. Dados do Instituto de Segurança Pública do Rio constataram no primeiro semestre de 2017 aumento de 15% nas mortes violentas em relação ao mesmo período de 2016. O pior primeiro semestre desde 2009.

Em relação aos PMs, foram mais de 130 mortos, a maior média dos últimos 10 anos. Tal realidade reflete as vias equivocadas em que temos caminhado, apontando para um destino ainda mais nebuloso. Perdem-se tempo, dinheiro e, principalmente, vidas. Tudo em vão.

É necessário aproveitar o momento de reflexão e retrospecção para entender quem afinal se beneficia com tantas mortes e resultados desastrosos. Há, sabemos, um setor que muito lucra com o incremento do uso de armas, bombas e outros ingredientes de uma infindável guerra. Ao mesmo tempo, andam lado a lado de outros setores que tem pesadelos com uma sociedade mais justa, digna e de garantia de direitos o que, a exemplo de diversos outros países, produz cidades muito mais seguras.

Em suma, que neste ano tenhamos força e vontade para questionarmos as antigas estruturas e repensarmos, entre outros, o modelo de segurança pública. Que caia este velho em desuso diante de não apenas sua brutalidade, mas também por ser evidentemente imprestável na construção de uma sociedade mais segura e em paz.

João Tancredo é advogado

Talvez você se interesse por estes artigos

Não só nas escolas particulares, mas também nas públicas, a área educacional e a maior parte de outras têm sentido com bastante intensidade os problemas...
Dirley Corrêa* Se olharmos atentamente para a nossa mesa de trabalho, encontraremos inúmeras ferramentas e recursos tecnológicos que facilitam a nossa vida e nos fazem...
José Pio Martins* O hábito de fazer perguntas é útil para aumentar o conhecimento e o desenvolvimento pessoal e profissional. Na história da humanidade, uma...
Fechar Menu
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com