Logística 4.0 aliada a lucratividade e à sustentabilidade

A Logística 4.0 veio para ficar e não tem volta. Apesar do Brasil estar caminhando bem lentamente para este processo, é preciso avançar, mudar as culturas e realizar investimentos de médio a longo prazo. De acordo com a CNI (Confederação Nacional das Indústrias), apenas 1,6% das empresas brasileiras está operando dentro do conceito Indústria 4.0. A estimativa é que até 2027 esta porcentagem atinja próximo aos 22%. O Brasil precisa se modernizar para ser mais competitivo e ágil em seus processos. Conforme o Fórum Econômico Mundial, em termo de competitividade, o Brasil está ocupando a 81ª posição no mundo, enquanto a Suíça está em primeiro lugar, Cingapura em segundo e Estados Unidos em terceiro. É um grande desafio para ser enfrentado, mas ou as empresas “entram” de cabeça neste negócio ou continuaremos patinando por centenas de anos.

É preciso analisar e aplicar as tecnologias disponíveis no mercado que geram aumento de produtividade, valor, velocidade, volume, variedade, veracidade com a IoT – Internet das Coisas, Rfid (Rádio Frequência) e Big Data. A cada ano a otimização dos processos é necessária, onde os equipamentos “se comunicam um com outro”, proporcionando monitoramento de processos e eficiência operacional on time. Sem dizer que todo este processo está atrelado também à sustentabilidade e à mão de obra qualificada para programar, operar equipamentos de forma correta, para que tenha êxito no processo.

A Logística 4.0 aplicada de forma adequada e com software específico pode aumentar a produtividade, lucratividade e manutenção eficiente de forma rápida e menos onerosa.

 Intralogística nos centros de distribuição – A eficiência do centro de distribuição tem impacto significativo no resultado final de qualquer empresa. Muitas companhias têm perdas financeiras gigantes em seus centros logísticos, porque seus equipamentos para carregamento são antigos e consomem muita energia e espaço desnecessários, onerando os custos no final de todo o processo.

Hoje em dia, as empresas estão cada vez mais interessadas em qualificar seus métodos durante as atividades intralogísticas. Atualmente, as operações nesta área podem representar até 25% dos gastos com as ações internas de movimentação e armazenagem. Gradativamente procuram investir em produtos sustentáveis e em processos de carregamento para otimizar o tempo de execução das atividades. É preciso dispor de soluções inteligentes, tecnológicas e assertivas, para que as empresas possam aproveitar cada vez mais seus CDs (Centros de Distribuição) ou seus espaços logísticos para outras atividades.

O grande gargalo para muitas empresas são os carregadores mais antigos, principalmente pelo tempo de carregamento e por consumirem muita energia. Os carregadores de bateria determinam 50% dos problemas operacionais, visto que a não disponibilidade de bateria para a logística, aquecimento das baterias, manutenções com baterias e carregadores, além de caminhões parados nas docas aguardando carregamento, são fatores negativos para a operação.

De acordo com Mariana Kroker, gerente Comercial da Unidade de Negócios de Carregadores de Baterias da Fronius, é preciso que as empresas tenham uma operação mais sustentável, com menos baterias e acessórios, menor consumo e com cargas mais rápidas. “A ideia é reduzir tempos de carregamento, menos baterias e otimizar o espaço. Logo não será mais necessária uma sala de baterias e sim, pit stops de cargas”, ressalta Mariana.

Confira o ping pong com Mariana Kroker

Hoje o carregamento de bateria representa um grande problema para empresas, principalmente, por ocuparem muito espaço e consumirem muita energia. Como proceder neste caso?

Mariana: Tudo depende da operação que o cliente possui, como: turnos de trabalho, modelos de equipamentos e necessidades especiais para aquela operação. Tempo é dinheiro dentro dos centros logísticos, e quanto mais eficiente for a tecnologia utilizada, melhor a performance e otimização dos resultados. Utilizar os inversores de alta frequência que potencializam o fator de carga, com aquecimento mínimo da bateria, é fundamental.

Como economizar baterias e otimizar mais o processo?

Mariana: Um sistema de carregamento de baterias eficaz influencia na vida de baterias, além dos custos de manutenção e os custos de energia para carregar a bateria. A Fronius desenvolveu o carregador Selectiva  que conta com o um sofisticado processo de carregamento chamado Ri, uma inovação revolucionária que usa uma curva de carregamento que trabalha em função da resistência interna da bateria, enviando para ela apenas o que precisa, ou seja, o carregamento é frio e suave, aumentando em até 25% a vida útil das baterias. O carregador possui várias curvas de carga, que se adequa facilmente a cada tipo de bateria. Este equipamento alcança um grau de eficiência de carregamento de aproximadamente 96%. Em comparação com outros métodos de carregamento, a redução dos custos de energia para carregar a bateria pode chegar até 30%. As séries Selectiva reconhecem automaticamente a idade, o estado de carga e outros critérios importantes da bateria, através de curvas inteligentes de carga, que aumentam a vida útil e a rentabilidade da bateria, além de diminuir as despesas de manutenção. Outra vantagem deste carregador é que a bateria aquece o mínimo possível durante o processo de carregamento. Os carregadores estão disponíveis nas versões 2, 3, 8 e 16 kW e atendem diversas tecnologias de baterias, tamanho e capacidade.

Este processo todo é caro? Em quanto tempo recupero meu investimento?

Mariana: O custo benefício da troca de tecnologia tem um payback rápido, dependendo de quantidade de turnos de trabalho, kWh pago e baterias por máquina. Mas devemos enxergar essa troca de tecnologia como investimento, pois além dessa economia imediata de energia, o carregador tem uma vida útil de 10 anos. No exemplo abaixo, podemos ver os custos de investimento versus os ganhos, que se pagam no primeiro ano, e ainda sobra dinheiro. Além de reduzir custos, o processo é sustentável. Veja abaixo estudo:

Case de baterias, tem algum?

Temos um representante no Rio, que possui Contrato de Locação com operações de cinco a seis anos onde existem apenas duas baterias para três turnos, sendo que antes, este mesmo cliente trabalhava com três baterias. Pela equalização no processo de carregamento, a autonomia da bateria aumenta de uma a duas horas trabalhando, além do período de carregamento ser menor, dando disponibilidade de baterias mais rápido para a operação.

Além de diminuir os custos de investimento com baterias, esta empresa ganhou em performance, implantou uma tecnologia que garante saving (redução) de energia para o cliente final, pois otimizou cargas e aumentou a vida útil das baterias.

Hoje as empresas estão buscando investir na sustentabilidade. Um dos itens que tem chamado muito atenção é a redução do consumo de energia. Como a Fronius pode ajudar a reduzir o consumo de energia em centro de distribuição?

Mariana: A tecnologia de inversores de alta frequência, que a Fronius utiliza, tem uma eficiência de carregamento em torno de 96%, ou seja, 100% que “puxamos” da rede elétrica, aproveitamos 96% e 4% é desperdiçado. Nos sistemas convencionais com tecnologia de transformador, a eficiência está em torno de 67%, ou, seja, perde-se 33% de energia, embora o cliente tenha pago 100%. Com uma tecnologia inteligente, que trabalha de encontro com a Logística 4.0, e que faz a leitura do estado de carga da bateria, é possível diminuir tempos de carregamento, com curvas de carregamento eficientes, a Fronius consegue entregar mais sustentabilidade e CO2 ao meio ambiente.

Como o I- Spot Viewer se aplicaria a nova Logística 4.0?

Mariana: Com um sistema que registra as 250 últimas cargas, é possível acessar um relatório de gerenciamento da sua sala de baterias, onde terá inúmeros dados da operação, que hoje são na maioria das vezes desconhecidos, ou anotados a mão, como por exemplo:

  • Qual status da bateria quando esta chega na sala de baterias
  • Saberá se o Zezinho tirou a bateria antes de finalizar a carga e quantas vezes ele fez isso
  • Quantas cargas são realizadas em determinados períodos estratégicos do mês, e como eles impactam no meu dia a dia
  • Disponibilidade de baterias na operação, para tomadas de decisões
  • Media de tempo de carregamento das baterias
  • Controle de consumo de kwh na operação
  • Relatórios de erros ou informações sobre oscilações na rede que ocorreram.
  • Todo modelo de operação realizada pelos operadores

No mundo, a Fronius é referência em tecnologia em todos os segmentos. Em território brasileiro, está há mais de 25 anos e sua matriz está localizada em São Bernardo do Campo -SP) e dispõe de filiais e pontos de venda em: São José dos Pinhais (PR); Contagem (MG); Araraquara (SP), Ribeirão Preto (SP); Caxias do Sul (RS), Bahia (BA) e Manaus (AM).

 

Comments are closed.