O esporte pode machucar o quadril?

0
298

(Imagem Pixabay)

Dr. Christiano Saliba Uliana*

Atletas recreacionais e de alta performance podem ter problemas no quadril. Confira quais os sintomas e doenças mais comuns:

(Imagem Pixabay)

Um homem praticante de jiu-jitsu começa com dor na região lateral do quadril após preparação para o campeonato mundial em Las Vegas.  Uma mulher de 39 anos apresenta dor na virilha, de forte intensidade, durante a preparação para a Maratona de Curitiba. Um tenista de final de semana não consegue mais sacar porque tem dor ao rodar o quadril. O que esses atletas podem ter em comum?

As três breves histórias relatadas acima são casos reais de pessoas que apresentaram dores de origem no quadril durante a prática esportiva. No consultório médico, são  cada vez mais frequentes os atendimentos aos esportistas com dores no quadril. Sejam atletas de final de semana ou atletas de competição, todos estão vulneráveis a apresentar algum tipo de dor no quadril.

O quadril é uma articulação de carga, que é submetido a forças que podem chegar de  3 a 5 vezes o peso corpo durante a prática de atividade física. As disfunções musculares decorrentes de fraqueza ou encurtamento são uma causa muito comum de dores que limitam a atividade física. No caso apresentado do paciente praticante de jiu-jitsu, a investigação apontou para uma doença dos tendões da região lateral do quadril, os chamados “glúteo médio” e “glúteo mínimo”. Conversando com o paciente, descobrimos que os treinamentos estavam focados na técnica da luta, porém havia uma deficiência na preparação física, que é fundamental para prevenção de lesões. Essa deficiência pode ser tratada com a adaptação das atividades físicas e inclusão do atleta em um programa de preparação física com ênfase em fortalecimento e alongamento dos músculos ao redor do quadril.

Por outro lado, atletas que apresentam dores na virilha merecem uma investigação muito minuciosa, porque a dor nesta região pode significar lesões mais graves relacionadas ao osso do quadril ou à cartilagem. Atletas corredores de longas distâncias, como a atleta citada no primeiro parágrafo, podem sofrer o que chamamos de fratura por estresse. Na articulação do quadril, o colo do fêmur pode apresentar lesão por estresse devido a dois fatores: sobrecarga de treinos ou qualidade ósseo insuficiente (devido a osteoporose por exemplo). Independentemente da causa, a fratura por estresse do colo femoral é uma condição grave, que nos obriga a retirar o atleta temporariamente das suas atividades e que dependendo da região do fêmur acometida,  pode necessitar de tratamento cirúrgico. Corredores de longas distâncias devem procurar auxílio médico já nos primeiros sintomas de dores na virilha.

(Imagem Pixabay)

Por fim, nosso atleta que joga tênis e não consegue mais sacar. A investigação clínica apontou para uma lesão de cartilagem do quadril: o lábio acetabular. Esta lesão foi a que retirou Gustavo Kuerten das quadras e realmente pode causar bastante limitação ao tenista. A dor típica é na região da virilha, e que piora com os movimentos de rotação dos quadris. Qualquer lesão desta cartilagem deve ser investigada quanto à sua causa, já que na maioria das vezes há alguma alteração na anatomia do osso, que leva à rotura do lábio acetabular. Quanto mais cedo essa condição for tratada, melhor é o prognóstico. Nos últimos anos a forma de tratamento desta lesão evoluiu muito. Um estudo da Steadman Hawkins Research Foundation em Vail, nos Estados Unidos, apontou que quase a totalidade dos atletas (93% deles) retornaram ao mesmo nível de competição após o tratamento desta lesão. O que sabemos é que quanto mais precoce tratarmos esta lesão, maior é a chance de obtermos bons resultados.

Como vimos, a articulação do quadril está suscetível a diversas causas de dores durante a prática do exercício físico. As duas principais mensagens aos leitores são: 1) realizar uma boa preparação física para prevenção de lesões e; 2) procurar um médico especialista já nos primeiros sintomas para que ocorra melhor resultado no tratamento.

*Dr. Christiano Saliba Uliana, médico ortopedista do Hospital VITA, especialista em quadril e trauma ortopédico. 

Dr. Christiano Saliba Uliana (Divulgação)

 

 

Sobre o Hospital VITA – A primeira unidade da Rede VITA no Paraná foi inaugurada em março de 1996, no Bairro Alto, e a segunda em dezembro de 2004, no Batel. O VITA foi o primeiro hospital brasileiro a conquistar, no início de 2008, a Acreditação Internacional Canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services Accreditation). A certificação de serviços de saúde avalia a excelência em gestão e, principalmente, a assistência segura ao paciente. Além disso, o VITA é um dos hospitais multiplicadores do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP). Ele visa disseminar e criar melhorias inovadoras de qualidade e segurança do paciente. Integra também o grupo de hospitais da Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP. O VITA oferece atendimento 24 horas e é referência nas áreas de cardiologia, cirurgia geral, neurologia, cirurgia bariátrica, medicina de urgência, urologia, terapia intensiva, traumato-ortopedia e pediatria. Além disso, dispõe de um completo serviço de medicina esportiva, prestando atendimento a atletas de diversas modalidades; serviço de oncologia; Centro Médico e Centro de Diagnósticos. Para garantir um alto nível de qualidade nos serviços prestados aos pacientes, o VITA tem investido em ampliação da infraestrutura, tratamentos com equipes multidisciplinares, modernização dos equipamentos, humanização no atendimento, qualificação dos profissionais e segurança assistencial.www.hospitalvita.com.br 

Comments are closed.