Resistência bacteriana preocupa saúde pública

A má utilização de antibióticos tem levado à resistência de micro-organismos, o que compromete a ação dos medicamentos e gera problemas de saúde pública de grande impacto. O alerta vale também para a Medicina Veterinária, área em que o uso indiscriminado de antimicrobianos afeta não apenas a saúde animal, mas a população como um todo. Afinal, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), vinculados ao Departamento de Saúde dos Estados Unidos, uma em cada cinco infecções resistentes são causadas por micro-organismos oriundos de alimentos e animais.

De acordo com o médico-veterinário Carlos Augusto Donini, presidente da Comissão Técnica de Políticas Públicas do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), o uso de produtos antimicrobianos atende às demandas da saúde animal, por meio do controle eficiente e necessário das doenças infecciosas.

Ele ressalta, porém, que “a utilização dessas substâncias deve seguir critérios rigorosos de procedimentos, feitos exclusivamente por médicos-veterinários, por representar uma linha tênue entre a cura adequada e o impacto da disseminação do possível agente infeccioso determinado pela resistência antimicrobiana”.

A resistência aos antibióticos é uma defesa natural das bactérias e possui uma alta capacidade de disseminação. Segundo Donini, essa resistência é consequência, sobretudo, da escolha de substâncias ineficazes, doses insuficientes e prazos reduzidos da medicação, assim como o uso indiscriminado sem a devida avaliação médica-veterinária. “Além disso, há a incapacidade de função e resposta do organismo afetado, uma vez que se considera que o tratamento eficaz atua sobre cerca de 10% a 20% da carga microbiana invasora, sendo a infecção resolvida pelo organismo imunologicamente competente” explica.

Em animais de companhia, os antibióticos são utilizados para prevenir e tratar lesões e infecções que comprometem o contato com humanos, principalmente idosos, crianças e imunocomprometidos, e também com outros animais. Infecções bacterianas não controladas podem se espalhar, invadindo os tecidos vizinhos, ou ainda se disseminarem para outras partes do corpo.

“Após o diagnóstico e a avaliação clínica, o tratamento é estabelecido segundo o tipo de substância eleita, dose e duração específicos de cada caso. O acompanhamento sistemático confirmará a resposta e eficácia do tratamento proposto” esclarece Donini.

No caso de animais de produção, os antibióticos não estão sendo administrados apenas para o tratamento de enfermidades. O médico-veterinário Cláudio Régis Depes, membro da Comissão Técnica de Saúde Pública do CRMV-SP, informa que essas substâncias costumam ser administradas também em animais sadios como forma de controle e prevenção, quando uma proporção dos animais do grupo apresenta a enfermidade ou quando há probabilidade do surgimento da doença.

A medicação também vem sendo utilizada com a finalidade de aumentar a produção. “Neste caso, o antibiótico é administrado a animais sãos em crescimento, através de alimento ou água, para promover um aumento maior de peso corporal, durante um prazo definido, ou para melhorar a conversão de alimento a peso corporal” relata. Esses métodos estão sendo revistos, sendo que alguns deles já foram, inclusive, proibidos em diversos países.

Uso responsável e boas práticas são deveres de todos

O atual desafio é preservar a eficácia e a disponibilidade dos antibióticos, por meio do uso responsável associado a boas práticas de prevenção, conforme observa Cláudio Regis Depes. “É possível reduzir a necessidade do uso de antimicrobianos utilizando conceitos de prevenção de enfermidades, assim como boas práticas de produção, higiene, biossegurança e programas de vacinação”, reforça.

Para o controle eficaz da resistência antimicrobiana também é importante a mobilização de produtores e tutores quanto ao uso correto da medicação. Para isso, Depes recomenda:

  • utilizar medicamentos apenas com prescrição e seguindo sempre as orientações de um médico-veterinário;
  • respeitar as doses, duração do tratamento prescrito, mesmo quando o animal parecer recuperado;
  • implementar medidas e recomendações práticas destinadas a melhorar a sanidade e bem-estar dos animais;
  • comprar produtos registrados e de estabelecimentos devidamente autorizados para a sua comercialização;
  • manter os registros dos tratamentos prescritos a seus animais.

Sobre a Semana Mundial do Uso Consciente de Antibióticos

A Semana Mundial do Uso Consciente de Antibióticos é promovida anualmente, no mês de novembro, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com apoio da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O objetivo é aumentar a conscientização global e incentivar as melhores práticas entre o público em geral, trabalhadores da saúde e formuladores de políticas públicas para evitar o surgimento e disseminação da resistência aos antibióticos.

Sobre o CRMV-SP
O CRMV-SP tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. É o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do Estado de São Paulo, com mais de 35 mil profissionais ativos. Além disso, assessora os governos da União, Estados e Municípios nos assuntos relacionados com as profissões por ele representadas.

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA E AGENDAMENTO DE ENTREVISTAS:
Apex Agência - Conteúdo Estratégico
http://apexconteudo.com.br/
Sandra Cunha - (11) 99694 8607 / sandracunhapress@terra.com.br
Caroline Veiga - (41) 99186 5142 / (41) 3408 8155 / caroline@apexagencia.com.br

 

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu