Clima seco aumenta as chances de crises de rinite alérgica

Oficialmente o verão ainda não começou, mas as altas temperaturas já dão algumas pistas de como será a estação mais quente do ano, que começa no dia 21 de dezembro. E apesar das altas temperaturas e da umidade característica durante o verão, não estamos imunes a enfrentar alguns dias mais secos que outros.

Segundo a otorrinolaringologista do Hospital Otorrinos Curitiba Dharyemne Pucci de Araújo, a queda da umidade relativa do ar facilita com que poeiras, a própria poluição e os micro-organismos, como vírus e bactérias, fiquem mais dispersos no ar ambiente, tendo, consequentemente, mais tempo de contato com a via respiratória.

“O clima seco está mais associado à desidratação das células, o que leva a uma menor fluidez do muco nasal e menor potência de umidificação do ar inalado, aumentando a chance de aderência dos vírus e bactérias na mucosa da via aérea superior. E todos esses fatores combinados tornam o trato respiratório mais suscetível às infecções, assim como as crises de rinite alérgica e asma”, explicou a otorrino.

Além de ficar de olho na saúde, é preciso tomar algumas medidas de higiene em casa. Tanto o excesso quanto a baixa umidade do ar podem levar a doenças, especialmente as respiratórias.

Veja também:

:: Saiba quais os principais sintomas da rinite alérgica

:: Entrevista: Especialista fala sobre a diferença entre rinite e sinusite

Crises alérgicas no verão
Pessoas que têm rinite alérgica possuem uma hipersensibilidade da mucosa e, portanto, a maior quantidade de alérgenos no ar aumenta a frequência das crises. E em conjunto com os outros fatores descritos podem complicar com infecções, como resfriados e sinusite.

sinusite-clima-seco-alergias-otorrinos-curitiba
Rinite e sinusite são comuns quando o clima está seco.

De acordo com Dharyemne, as conjuntivites alérgicas também são comuns em períodos mais secos do ano pela maior probabilidade das partículas presentes no ar entrarem em contato com os olhos, mas ela dá algumas dicas para evitar o problema.

“Medidas simples como a lavagem nasal com soro fisiológico e a ingestão de pelo menos 2 litros de água por dia auxiliam na prevenção dessas complicações. É importante, também, cuidar com a higiene do ambiente, que deve ser sempre arejado e com objetos de fácil limpeza”, orientou a especialista.

Mais dicas
Para ficar longe desses problemas e aproveitar o verão numa boa, a otorrino listou cinco dicas importantes para enfrentar o clima seco. Confira:

agua-hidratacao-clima-seco-otorrinos-curitiba
A água ajuda no transporte e absorção de nutrientes.

1 – Beba água: a água auxilia no emagrecimento, melhora a pele, as funções renais e atua no transporte e absorção de nutrientes.

2 – Umidifique o ambiente: com moderação é possível usar umidificadores de ar. É importante lembrar que o ambiente não deve ficar úmido demais, pois favorece o crescimento de fungos, bactérias e ácaros. O ideal é que a umidade fique entre 55% e 60%. Outra dica é limpar com regularidade os ventiladores e os filtros de ar-condicionado.

3 – Use soro fisiológico: lave as narinas com soro fisiológico, pois ele ajuda a diminuir o desconforto no nariz. Evite usar apenas água pura ou soro caseiro para a limpeza nasal, já que o soro fisiológico tem composição mais próxima dos líquidos corporais. Manter a mucosa nasal hidratada evita sangramento nasal e dificulta a penetração de pólen pela mucosa.

4 – Mantenha a casa limpa: ventile o ambiente e evite produtos de limpeza com odor forte (que são fatores irritantes para a mucosa respiratória). Quando for limpar a casa, utilize pano úmido para que a poeira fique no pano e não no ar.

5 – Fique de olho no horário da sua atividade física: evite realizar atividade física entre às 10h e 17h, quando geralmente a umidade do ar está mais baixa. Mesmo em ambientes fechados, dentro de casa ou da academia, o ar também vai estar seco.

Sobre Dharyemne Pucci de Araújo
Dharyemne Pucci de Araújo é formada em Medicina pela Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar), com especialização em Otorrinolaringologia no Hospital Angelina Caron. Possui título de especialista conferido pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF). Fez fellow (observer) em Medicina do Sono e Plástica Facial no Changi General Hospital, em Singapura, e cursou Medicina do Sono no Instituto do Sono de São Paulo.

Sobre o Hospital Otorrinos Curitiba
O Hospital Otorrinos Curitiba é a mais nova referência no atendimento da área de otorrinolaringologia da capital paranaense. Inaugurado em setembro de 2015 no bairro Mercês, o hospital possui estrutura moderna, excelente localização, tecnologia de ponta e profissionais altamente renomados para oferecer o melhor atendimento aos pacientes.

Em outubro de 2017, foi inaugurado o moderno Centro Cirúrgico, localizado na ala anexa. Com capacidade para realizar três cirurgias ao mesmo tempo, o Centro Cirúrgico conta com quartos e enfermarias, e oferece total segurança e conforto aos pacientes que necessitarem de procedimentos na área de otorrinolaringologia e demais especialidades.

O Hospital Otorrinos Curitiba possui horário de atendimento diferenciado: de segunda a sábado, das 8h às 22h, domingo, das 8h às 19h, feriados, das 8h às 20h. Para maior comodidade dos pacientes, possui estacionamento no local.

O hospital atende aos seguintes convênios: Amil, Agemed, Bradesco Saúde (somente consultas eletivas), Evangélico Saúde, Fundação Copel, Fundação Sanepar, Fusex, ICS, Judicemed, Particular, Pladisa, Saúde Caixa, Unimed, Universal Saúde, Vale Saúde, Volvo do Brasil. Também atende particular.

Serviço:

Hospital Otorrinos Curitiba

Rua Doutor Roberto Barrozo, 1381, 1º andar –

Mercês

Telefone: (41) 3335-0302

Site: www.otorrinoscuritiba.com.br

Facebook: www.facebook.com/OtorrinosCuritibaPR/

*********
ASSESSORIA DE IMPRENSA: GD ASSESSORIA MÉDICA

Talvez você se interesse por estes artigos

Fechar Menu
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com