Hanseníase: mais que um problema de saúde, um rombo para a previdência

O Brasil está em segundo lugar global no ranking de casos de hanseníase por ano – são cerca de 25 mil, conforme o Ministério da Saúde, atrás apenas da Índia. No mundo, a média é de 2,9 casos por 100 mil habitantes, enquanto no Brasil a taxa é de 12,2/100 mil. Embora a doença ainda esteja cercada de preconceitos, a hanseníase pode ter cura sem sequelas e sem expor outros ao risco. “Somente 8% dos casos evoluem com sequelas incompatíveis com o trabalho, como é o caso da mão em garra, quando os indivíduos não conseguem segurar um copo, girar uma maçaneta ou manusear talheres”, explica a dermatologista e hansenologista Dra Laila de Laguiche, membro da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH).

Segundo o último Boletim Epidemiológico da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em agosto deste ano, em 2017 foram registrados 210.671 mil novos casos de hanseníase no mundo. O Brasil se enquadra no terceiro país com mais casos da doença (26 875), atrás somente da Índia e Indonésia. A falta de informações sobre a doença, aliada à dificuldade em compreendê-la e diagnosticá-la, pode fazer com que os portadores adicionem um peso na previdência do Brasil, além de sofrerem as consequências em sua qualidade de vida. Até junho de 2018, o país acumulava um déficit de R$ 90,8 bilhões nas contas previdenciárias. Somente em junho, o déficit entre arrecadação e a quantia paga em benefícios foi de R$ 14,5 bilhões, conforme o Boletim Estatístico da Previdência Social.

Apesar de ser um número pequeno dentro dos valores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a hanseníase é uma das enfermidades que concede aposentadorias e benefícios mensais aos portadores do bacilo. As indenizações são pagas pelas chamadas “legislações específicas”, que representam o equivalente a 19,4 mil benefícios, com R$ 36,3 milhões pagos em junho de 2018. Dentro desse grupo, os portadores de hanseníase alcançam 5,7 mil benefícios – 29% do total –, atingindo R$ 7,3 milhões mensais (20% do total de recursos). O valor médio das indenizações é de R$ 1.279.

No entanto, nem todo portador deveria ser considerado incapaz, exceto em casos de incapacitação. “Paciente tratado é paciente curado, pois não transmite mais o bacilo. Porém, a hanseníase não confere ao ex-doente a imunidade, que pode ser infectado novamente a qualquer momento. Assim como em uma gripe, podemos nos curar, mas não ficamos imunes ao vírus”, esclarece a especialista. Um dos caminhos para reduzir os impactos da doença é melhorar o diagnóstico, impedindo que a hanseníase avance ao ponto de o trabalhador ser considerado incapacitado, e possibilitando um tratamento adequado antes que o portador transmita a doença a pessoas de sua convivência.

A importância da prevenção

Embora a OMS tenha registrado uma redução abrangente dos casos da doença no mundo, saindo de mais de cinco milhões de casos para 500 mil entre 1985 e 2005, a hanseníase enfrenta dificuldades para ser diagnosticada e, por esse motivo, ainda pode gerar subnotificação. “Estima-se que haja cerca de quatro a cinco vezes mais doentes do que notificações no Brasil”, diz Dra Laila. De acordo com ela, se houvesse melhoria neste aspecto, poderia ser evitado muitas pessoas declaradas incapacitadas pela doença e poderia garantir uma vida normal.

Como a doença afeta os nervos periféricos e da pele, é preciso realizar uma série de exames: biópsia da pele (no qual é possível identificar a presença do bacilo); análises de PCR capazes de detectar o DNA da bactéria na pele; e medição dos anticorpos circulantes no sangue do doente. “Muitas vezes, o diagnóstico é tardio. O bacilo se aloja dentro dos nervos e demora a atingir o sangue periférico”, diz Dra Laila, ressaltando que a avaliação clínica precisa ser integrada aos exames complementares para se obter um diagnóstico precoce.

A própria SBH lançou uma carta, em novembro de 2017, alertando sobre a questão. “Vários problemas se apresentam neste cenário: médicos despreparados para o diagnóstico, profissionais da atenção básica sem treinamento adequado, universidades que formam médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e outros profissionais de saúde sem o preparo necessário para lidar com esta doença”, diz o manifesto. No documento, a SBH ainda fala sobre a falta de interesse em pesquisas conduzidas pelo governo sobre o assunto, assim como o desconhecimento da sociedade sobre a doença, o que causa as subnotificações e o avanço da enfermidade.

Outro problema diz respeito à suposta “eliminação” da hanseníase dos problemas de saúde pública. De acordo com a SBH, quando uma doença é considerada inexistente, a vigilância sobre o assunto se perde, as referências são desmontadas e o Sistema de Saúde passa a não enxergar mais os doentes. “No Brasil, o Rio Grande do Sul ‘eliminou’ a hanseníase. Hoje, o estado tem um número pequeno de casos registrados, mas apresenta o maior percentual brasileiro de pessoas com incapacidade física – doentes que convivem com a hanseníase há anos e recebem o diagnóstico depois que as sequelas estão avançadas”, diz o presidente da SBH, Claudio Salgado.

A hanseníase

Trata-se de uma doença bacteriana, causada pelo bacilo de Hansen, que infecta o ser humano por meio das vias respiratórias, afetando sobretudo a pele e os nervos periféricos. A doença atinge outros órgãos somente em casos raros. Quando não tratada, a hanseníase pode levar à cegueira e incapacitações de membros superiores e inferiores, pois o paciente perde a sensibilidade, facilitando a ocorrência de traumas e lesões repetitivas. Entretanto, estima-se que 90% dos humanos tenham a chamada imunidade nata à doença: em outras palavras, não vão jamais manifestar a hanseníase.

O tratamento é feito com antibióticos – uma mistura de três drogas por, no mínimo, seis meses, podendo chegar a alguns anos, dependendo da forma da doença. Após o tratamento, contudo, o paciente não pode infectar outras pessoas, embora sempre esteja sujeito à reinfecção.

O período de incubação varia de dois a sete anos e, entre os fatores que influenciam, está o baixo nível socioeconômico, a desnutrição e a superpopulação doméstica. Por esse motivo, países subdesenvolvidos contam com maior incidência da enfermidade. Devido ao tempo de incubação, a manifestação da doença e o diagnóstico são difíceis de serem obtidos. "Se não houver um diagnóstico precoce, o paciente pode ser portador da doença por muitos anos e transmitir às pessoas de seu convívio, mesmo que sem manifestar nenhum sintoma", alerta Dra Laila.

Central Press

Talvez você se interesse por estes artigos

Fechar Menu
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com