Fibrilação atrial: doença desconhecida, mas que pode aumentar em cinco vezes as chances de AVC

Pouco falada, até mesmo desconhecida por muitos, a fibrilação atrial (FA) é o tipo de arritmia cardíaca mais comum1, chegando a atingir dois milhões de brasileiros2. Para entendermos bem a gravidade desta doença e a importância de um tratamento adequado, é preciso saber primeiro o que é uma arritma. Quando praticamos exercícios físicos, por exemplo, o ritmo dos batimentos do coração é acelerado. Neste caso, se tratando de uma pessoa saudável, está tudo dentro do esperado. O problema é quando há um desequilíbrio do ritmo cardíaco que não está vinculado a uma necessidade específica. Essa descompensação sem motivo aparente é o que chamamos de arritmia cardíaca. A fibrilação atrial é – muitas vezes – uma doença silenciosa3, apesar de também poder causar palpitações, dores no peito, tontura e falta de ar4.

A FA está, em muitos casos, relacionada à incidência de Acidente Vascular Cerebral (AVC) de tipo isquêmico5, mais popularmente conhecido como derrame, uma das principais causas de morte do mundo. O potencial de gravidade da FA é tão expressivo que estudos apontam que ela pode aumentar em cinco vezes o risco de AVC6. A ocorrência de fibrilação está associada a fatores como hipertensão, diabetes, insuficiência cardíaca e infarto do miocárdio, aumentando significativamente com o envelhecimento. Este último ponto precisa ser muito observado porque estamos vivendo justamente um período de aumento da população idosa. Tecnicamente, a doença provoca desorganização na atividade elétrica dos átrios do coração, fazendo com que eles “fibrilem”, ou seja, se contraiam de uma forma desordenada. Parte do tratamento para FA envolve anticoagulantes, aqueles medicamentos conhecidos por afinar o sangue, que têm como objetivo evitar a formação de trombos. O possível deslocamento desses trombos ou coágulos pela corrente sanguínea até o cérebro pode causar um acidente vascular cerebral, conhecido como derrame. Muitas pessoas, entretanto, têm certa resistência7 de tomar esse tipo de remédio pela preocupação com possíveis sangramentos em situações de emergência, como em um acidente, por exemplo, já que este é um dos principais efeitos colaterais dessa classe de medicamentos.

A grande questão hoje no Sistema Único de Saúde (SUS) sobre esse tema é que o anticoagulante disponível tem mais de 50 anos, exige controle rigoroso com exames feitos em laboratório para ajuste da dose e apresenta diversas interações com outros remédios e mesmo com alimentos. Por esses motivos, cerca de metade dos pacientes que usam o medicamento não consegue ser anticoagulada de maneira correta, expondo-se ao risco de um AVC ou até mesmo de algum tipo de sangramento. Entretanto, já existem anticoagulantes mais modernos disponíveis, entre eles a dabigatrana, indicada para a prevenção de AVC isquêmico e embolia sistêmica em pacientes com fibrilação atrial. Esta terapia tem dose única, o que dispensa o monitoramento rotineiro da coagulação.

A droga faz parte de uma nova classe de medicamentos disponíveis para atingir uma grande demanda médica não atendida na prevenção e tratamento de doenças tromboembólicas agudas e crônicas. Um dos maiores benefícios da dabigatrana em relação ao medicamento atualmente disponível no SUS é que também já existe um agente reversor, de princípio ativo idarucizumabe, aprovado em 61 países – inclusive no Brasil –, que age revertendo especificamente o efeito deste anticoagulante em poucos minutos e não interfere em outras etapas do processo de coagulação. O seu efeito é momentâneo, para pacientes que apresentam sangramentos incontroláveis ou passarão por cirurgias de emergência8.

A boa notícia é que até o dia 21 de janeiro qualquer cidadão poderá contribuir para que o tratamento com dabigatrana seja disponibilizado no Sistema Único de Saúde para os pacientes com fibrilação atrial que não conseguem se manter bem anticoagulados com o medicamento oferecido hoje. A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) abriu a Consulta Pública nº 82 para que as pessoas opinem se são a favor ou contra a recomendação inicial de não oferecer o remédio na rede pública. Se a decisão final for incorporar a dabigatrana, esta poderá ser adquirida pelo Ministério da Saúde e ficará acessível a um maior número de pacientes nessa indicação. A consulta pública está disponível no site http://www.conitec.gov.br/consultas-publicas. Qualquer pessoa pode participar preenchendo um formulário simples pelo site.

*José Francisco Kerr Saraiva é médico cardiologista e professor titular de Cardiologia da PUC Campinas

Referências:

  1. Go AS, Hylek EM, Phillips KA, et al. Prevalence of diagnosed atrial fibrillation in adults: national implications for rhythm management and stroke prevention: the Anticoagulation and Risk Factors in Atrial Fibrillation (ATRIA) Study. JAMA. 2001 May 9; 285; (18); 2370-5.
  2. Pollack C. V. et al. Idarucizumab for dabigatran reversal. NEJM. 2015 June 22 (Epub ahead of print). Available at http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1502000
  3. Atrial Fibrillation Fact Sheet, National Heart Blood and Lung Institute Diseases and conditions Index, October 2009. Disponível em https://www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/af.
  4. https://www.boehringer-ingelheim.com.br/sites/br/files/voce-conhece-a-fibrilacao-atrial_0.pdf
  5. Zimerman LI, Fenelon G, Martinelli Filho M, Grupi C, Atié J, Lorga Filho A, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes brasileiras de fibrilação atrial. Arq Bras Cardiol. 2009;92(6 supl 1):1-39 http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2009/diretriz_fa_92supl01.pdf
  6. Zimerman LI, Fenelon G, Martinelli Filho M, Grupi C, Atié J, Lorga Filho A, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes brasileiras de fibrilação atrial. Arq Bras Cardiol. 2009;92(6 supl 1):1-39 http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2009/diretriz_fa_92supl01.pdf
  7. Go AS, Hylek EM, Phillips KA, et al. Prevalence of diagnosed atrial fibrillation in adults: national implications for rhythm management and stroke prevention: the Anticoagulation and Risk Factors in Atrial Fibrillation (ATRIA) Study. JAMA. 2001 May 9; 285; (18); 2370-5.
  8. Pollack C. V. et al. Idarucizumab for dabigatran reversal. NEJM. 2015 June 22 (Epub ahead of print). Available at http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1502000

 [email protected]

Comments are closed.