Oncologista alerta sobre hábitos que contribuem para o aumento na incidência de câncer entre jovens

0
104

Comportamentos nocivos à saúde  têm levado ao aumento na taxa de tumores entre adultos nascidos nos anos 1990

Dia 8 de abril é o Dia Mundial de Combate ao Câncer. Estimativas do Centro Internacional para Pesquisa do Câncer (IARC), instituição internacional subordinada à Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que em 2018 teriam sido feitos mais de 18 milhões de diagnósticos de câncer no mundo, um aumento de cerca de 28% se considerado o levantamento anterior, de 2012, que indicava 14 milhões de casos reportados.

Divulgado em setembro do ano passado pela entidade, o relatório traz adicionalmente informações baseadas no recorte da população por gênero, indicando que um em cada cinco homens e uma a cada seis mulheres no mundo desenvolverá algum tipo de tumor maligno durante a vida. 

Diante deste cenário de contínua progressão da doença, a entidade destaca que é preciso atentar para a perigosa relação entre hábitos pouco saudáveis da nova geração e o potencial aumento nos índices de tumores entre o grupo de pessoas formado por aqueles que atualmente têm menos de 30 anos.

No Brasil o número de novos casos de câncer deve ultrapassar a marca dos 600 mil registros neste ano, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Segundo o médico oncologista do IHOC / Grupo Oncoclínicas Elge Werneck, prática constante de exercícios físicos, dieta equilibrada, consumo moderado de bebidas alcoólicas, não fumar e outras medidas simples devem ser entendidos como parte de uma política de saúde pública.

Para o especialista, essas não são apenas iniciativas essenciais para frear os índices aumentados do câncer como uma maneira de promoção à qualidade de vida e bem estar geral, mas servem também como aliadas no processo de tratamento para pessoas diagnosticadas com a doença e outras condições como diabetes e hipertensão. Para reforçar essa percepção, o médico ressalta que sobrepeso e sedentarismo estão no topo dos fatores que afetam especialmente a saúde da geração de adultos nascidos nos anos 1990.

 “Millennials têm o dobro de risco de desenvolver câncer no cólon (segmento do intestino grosso) e quatro vezes mais chance de receberem um diagnóstico de câncer no reto em comparação à geração Baby Boomers, indivíduos com 55 anos ou mais, apenas para citar mais um exemplo dos malefícios do sedentarismo e da ingestão de alimentos pobres em vitaminas e fibras”, afirma Werneck, citando o estudo recente sobre o tema feito pela Sociedade Americana de Câncer (ACS, sigla do inglês American Cancer Society).

E não são apenas os tumores intestinais que estão relacionados ao nosso comportamento diário. A obesidade já é tida como importante contribuinte para o aparecimento de ao menos outros onze tipos de câncer: esôfago, vesícula, fígado, pâncreas, rins, útero, ovário, mama, mieloma múltiplo, tireóide e próstata.

 “Sedentarismo, consumo aumentado de carne vermelha, fast food, comida processada, álcool e cigarro são hábitos comuns entre os jovens que podem trazer malefícios à saúde. Se não atentarmos para os hábitos que colaboram para a redução do risco de câncer, teremos futuramente um contingente cada vez mais aumentado de pacientes nos consultórios oncológicos”, finaliza o especialista.

Mudanças de hábito simples

Abaixo, o oncologista do IHOC / Grupo Oncoclínicas Elge Werneck lista os principais fatores que podem contribuir para o surgimento do câncer:

Tabagismo:

Estimativas apontam que até 85% dos casos de câncer de pulmão são decorrentes do uso do tabaco e os fumantes têm cerca de 20 vezes mais risco de desenvolver a doença. Além disso, o cigarro também é o principal responsável pelo aparecimento do tumor na cabeça e pescoço e vias aerodigestivas alta.

Etilismo: Uma pesquisa publicada no Alcohol and Alcoholism mostra que as consequências podem ser ainda maiores: segundo o periódico, basta uma dose de bebida alcoólica por dia para aumentar o risco das mulheres desenvolverem câncer de mama em 5%. A conclusão é parte de uma revisão de 113 estudos feita por pesquisadores da Alemanha, França e Itália. Para mulheres que bebem mais – três ou mais doses por dia – o risco de contrair a doença aumenta em 50%. Esse potencial oncológico aumenta muito naqueles indivíduos que também fumam.

Sedentarismo: Mais de um terço dos jovens brasileiros está acima do peso, de acordo com dados do Ministério da Saúde e, esse fato, leva a um risco maior de desenvolver doenças como colesterol alto, diabetes e hipertensão arterial. Com o avanço da tecnologia, os jovens passam mais horas em frente ao computador, plugados no celular ou tablets, deixando de lado as atividades físicas. A recomendação da OMS é que pessoas de 18 a 64 anos pratiquem pelo menos 150 minutos de exercícios moderados por semana – ou, em média, pouco mais de 20 minutos por dia.

Infecções Virais: A geração de jovens e adultos com menos de 30 anos preza e valoriza muito a liberdade sexual.  Trata-se de um grupo que nasceu após o “boom” do HIV e, apesar de bem informada e consciente dos riscos envolvendo doenças sexualmente transmissíveis, apresenta índices elevados de contágio pelo chamado papilomavírus humano – conhecido como HPV. Mais comum tipo de infecção sexualmente transmissível em todo o mundo, o vírus atinge de forma massiva a população feminina – 75% das brasileiras sexualmente ativas entrarão em contato com o HPV ao longo da vida, sendo que o ápice da transmissão do vírus se dá na faixa dos 25 anos.

Após o contágio, ao menos 5% dessas brasileiras irá desenvolver câncer de colo do útero, uma taxa alarmante. O tumor já é considerado um problema de saúde pública no Brasil e faz parte do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) no país, o que inclui a vacinação contra o HPV para meninos e meninas com idades entre 9 e 26 anos. Vale lembrar que nos últimos anos há a documentação de muitos casos de câncer de cabeça e pescoço, em especial de boca, decorrente da infecção por esse vírus. Além do HPV, existem algumas infecções virais que também podem estar relacionadas ao aparecimento do câncer. A hepatite B e C, por exemplo, podem desenvolver o câncer de fígado. Já o HIV pode ser responsável por tumores hematológicos como linfoma.

Exposição Solar: Os jovens estão acostumados a se prevenir contra o sol quando vão para a praia no verão. Porém, a exposição solar vai muito além, pois para pessoas que costumam ficar expostas aos raios solares, é preciso reforçar o uso do protetor diariamente, principalmente no rosto. Se a exposição for maior, como na praia ou piscina, por exemplo, é importante abusar do protetor no corpo todo, usar chapéus e evitar horários em que a incidência solar esteja mais forte.

Em geral, as pessoas costumam relacionar os casos de câncer de pele exclusivamente ao melanoma, mas 95% dos casos de tumores cutâneos identificados no Brasil são classificados como não melanoma, um índice que está diretamente relacionado à constante exposição à radiação ultravioleta (UV) do sol. Embora represente uma pequena parcela dos cânceres de pele em nosso país, o melanoma é um dos tumores com maior taxa de letalidade.

Obesidade:

Em alguns tipos de câncer, o excesso de peso corporal durante a vida adulta pode ser considerado como um fator para o surgimento da doença. Um estudo publicado pela The Lancenet Public Health sugere que as taxas de incidência de cânceres associados à obesidade estão aumentando mais rapidamente em jovens adultos entre 25 e 49 anos nos Estados Unidos. 

Dos subtipos existentes da doença, ao menos 14 têm seus riscos aumentados  pelo sobrepeso e obesidade: mama,  cólon, reto,  útero, vesícula biliar, rim, fígado, ovário, próstata, mieloma múltiplo, esôfago, pâncreas, estômago e tireoide.

Sobre o Grupo Oncoclínicas

Fundado em 2010, é o maior grupo especializado no tratamento do câncer na América Latina. Possui atuação em oncologia, radioterapia e hematologia em 11 estados brasileiros. Atualmente, conta com mais de 60 unidades entre clínicas e parcerias hospitalares, que oferecem tratamento individualizado, baseado em atualização científica, e com foco na segurança e o conforto do paciente.

Seu corpo clínico é composto por mais de 450 médicos, além das equipes multidisciplinares de apoio, que são responsáveis pelo cuidado integral dos pacientes.

O Grupo Oncoclínicas conta ainda com parceira exclusiva no Brasil com o Dana-Farber Cancer Institute, um dos mais renomados centros de pesquisa e tratamento do câncer no mundo, afiliado a Harvard Medical School, em Boston, EUA.

Para obter mais informações, visite www.grupooncoclinicas.com.

Tagsihoc