Espetáculo teatral proporciona uma experiência individual e literária

0
11

O espetáculo solo “O Caderno Rosa da Senhora H”, baseado em obra de Hilda Hilst, traz para o teatro a vivência da leitura de um livro

Quando lemos um livro, estamos sozinhos, em um universo totalmente nosso. Já o teatro é um momento coletivo, que dividimos com tantos outros espectadores. Mas, e se essa experiência individual da leitura pudesse ser levada para a plateia de uma peça? Esse é um dos propósitos do espetáculo solo O Caderno Rosa da Senhora H, produzida pela Boreal Companhia de Teatro e baseada no livro O Caderno Rosa de Lori Lamby, da escritora paulista Hilda Hilst (1930-2004), que está em sua segunda temporada em Curitiba, com apresentações no Teatro José Maria Santos até o dia 11 de agosto.

A disposição da plateia, em formato de arena, tem características não convencionais, para tentar propor uma experiência teatral mais individualizada, como explica a atriz Thyane Antunes. “O cenário é composto por 20 cabines fechadas, onde as pessoas não têm nenhum acesso a quem está ao seu lado. Na frente também tem uma cortina, é como se o espectador estivesse escondido e espiando aquele mundo que está sendo encenado, fazendo a sua leitura.”

O monólogo apresenta uma garota de oito anos, a Lori Lamby, escrevendo histórias pornográficas em um caderno cor-de-rosa. Apesar do choque do impacto inicial que o espectador tem, a história acaba tendo um desfecho totalmente diferente e inusitado. “Só essa primeira ideia da peça já deixa você um pouco com o pé atrás, algumas pessoas ficam chocadas com a história, mas quando você acompanha e vai até o final, descobre que algumas coisas não são exatamente da maneira como você vê pela primeira vez”, comenta a diretora Cris Betina Schlemmer.

O texto, adaptado pela diretora Cris Betina Schlemmer, pela atriz Thyane Antunes e pelo dramaturgo Lucas Komechen, também apresenta a própria Hilda Hilst, que explica as motivações que a levaram a escrever esse livro. Um desafio para a atriz Thyane Antunes, pois ambas as personagens são encenadas por ela. “A Hilda é a parte mais difícil pelo fato de ser uma pessoa que existiu e a maior parte dos vídeos que eu tive acesso, ela já estava bem mais velha, mas mostramos na peça uma Hilda jovem, dos anos de 1990. Em contraponto, temos a Lori, que é uma criança de oito anos. Muito espontânea, ela fala de tudo muito abertamente, sem absolutamente nenhum problema. Então, acaba sendo um pouco estranho, para mim, como atriz, me acostumar a falar as coisas com a naturalidade que o personagem fala, pois não imaginaria uma garotinha falando assim”, relata a atriz.

Teatro e leitura
“O Caderno Rosa de Lori Lamby” é o primeiro livro da chamada “Trilogia Obscena” de Hilda Hilst, escrito para atender a uma solicitação do mercado livreiro que insistia que a escritora tivesse textos mais comerciais e com garantia de vendagem. “Nós procuramos preservar ao máximo o texto da Hilda, praticamente não existem palavras nossas, toda a escrita é da Hilda. E como tem dados autobiográficos nessa história, foi inevitável durante o processo criativo trazer a própria Hilda como personagem da história”, revela a diretora.

Um dos objetivos da peça é fazer com que o espectador também se interesse pela obra da escritora. “É um texto incrível, nosso maior trabalho foi fazê-lo chegar ao público da melhor forma possível e da maneira como nós achamos que a Hilda poderia querer. Por isso, tentamos trazer o humor e todas as críticas que ela fez. A nossa maior expectativa é que as pessoas que assistem ao espetáculo saiam de lá querendo ler a obra da Hilda Hilst”, considera Thyane Antunes.

Apresentações
As apresentações ocorrem sempre de quinta-feira a sábado, às 20h, e aos domingos, às 19h. A classificação indicativa é 18 anos. Os ingressos custam R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) e podem ser adquiridos no site Disk Ingressos (www.diskingressos.com.br). O Teatro José Maria Santos fica na Rua Treze de Maio, 655 – São Francisco.

Sobre a Boreal Companhia de Teatro
A Boreal Companhia de Teatro nasceu em 2010 pelas mãos da produtora cultural e diretora Cris Betina Schlemmer e pela atriz Thyane Antunes. A companhia é especializada na elaboração, desenvolvimento e execução de projetos culturais aprovados pelas leis de incentivo (municipal, estadual e federal), com o objetivo de gerar valor aos seus parceiros e fomentar a cultura no país. Ao longo desses anos, montou peças para o público adulto e infantil, priorizando a qualidade artística, técnica e humana nos projetos que realiza. Além de “O Caderno Rosa da Senhora H”, entre as suas principais realizações estão: O Império da Paixão em Fatias Parcimoniosas, Nina e o Reino das Galochas e Sete Mares de Histórias.

Ficha Técnica
Direção: Cris Betina Schlemmer
Elenco: Thyane Antunes
Cenário: Gui Almeida e Cris Betina Schlemmer
Cenotecnia: Ateliê Miniart
Figurino: Gui Almeida
Direção de Produção: Cris Betina Schlemmer
Assistência de Produção: Natália Drulla
Direção Musical: Gabriel Martins
Iluminação: Semy Monastier e Erika Mityko
Adaptação do Texto: Lucas Komechen, Cris Betina Schlemmer e Thyane Antunes
Coordenação do Projeto: Thyane Antunes
Assistência de Direção: Tiago Batista
Preparação Corporal: Natália Drulla
Maquiagem: Tiago Batista
Fotos: Tiago Batista
Assessoria de Imprensa: Expressa Comunicação
Projeto Gráfico: Francisco Ugalde

SERVIÇO:
Peça: O Caderno Rosa da Senhora H
Data: até 11 de agosto de 2019
Apresentações: 20h (quinta-feira a sábado) e 19h (domingo)
Local: Teatro José Maria Santos – Rua Treze de Maio, 655 – São Francisco
Classificação indicativa: 18 anos
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada – idosos acima de 60 anos, associados do Clube do assinante da Gazeta do Povo, doadores de sangue, professores, estudantes, pessoas com deficiência, jovens de 15 a 29 anos comprovadamente carentes, e portadores de câncer com devido comprovante)
Venda dos ingressos no Disk Ingressos – www.diskingressos.com.br
Informações: (41) 3315-0808

Comments are closed.