Se não tratada, rosácea ocular pode comprometer a visão

0
682
Imagem Pixabay

Problema atinge mais mulheres que homens

A rosácea é uma doença vascular inflamatória crônica da pele, que pode ser tratada, mas não tem cura. A origem ainda não é conhecida, porém há uma predisposição individual – mais comum em brancos e descendentes de europeus, e de caráter genético (30% dos casos têm uma história familiar positiva). Ocorre principalmente em adultos entre 30 e 50 anos de idade. É mais frequente em mulheres, porém pode acometer homens. Além disso, há forte influência de fatores psicológicos, como estresse.

“Os sintomas da doença são bem característicos: vermelhidão e sensibilidade na pele e em diversas regiões do corpo, como bochechas, nariz, testa e queixo”, explica a médica oftalmologista Dra. Heloisa Russ.

Segundo ela, o que poucas pessoas sabem é que existe a rosácea ocular e que esta é considerada a mais grave. Dentre os sintomas estão: olho seco, irritação, pálpebras vermelhas, inflamação com vermelhidão e descamação bem próxima aos cílios. “Olho seco é o sintoma mais frequente da doença e a principal queixa dos pacientes por causar desconforto. Uma das opções para tratar e livrar a pessoa dessa ocorrência é o tratamento com laser, são necessárias três sessões do procedimento para obter um resultado favorável”, destaca a oftalmologista.

Além disso, a rosácea ocular é responsável por causar blefarite e conjuntivite. A blefarite é uma inflamação da pálpebra que causa comprometimento dos cílios e da produção de lágrimas. Já a conjuntivite, é a inflamação da membrana externa do olho e da região interior da pálpebra. Algumas vezes, a rosácea ocular pode evoluir para casos de ceratite (inflamação da córnea), esclerite (inflamação da esclera) ou irite (inflamação da íris). Se não for tratada e o caso for agravado, pode comprometer a visão.

Dra. Heloisa conta que as causas da rosácea ainda são desconhecidas. Porém, sabe-se que alguns fatores desencadeadores provocam a dilatação dos vasos sanguíneos e, consequentemente, o desenvolvimento da doença.

Fatores desencadeadores:

Alimentos ou bebidas quentes;

Álcool;

Temperaturas extremas;

Exposição excessiva ao sol;

Estresse;

Raiva;

Alimentos picantes;

Saunas;

Alguns medicamentos vasodilatadores.

Tratamento

A rosácea não tem cura, mas existem opções para controlar o problema. “O tratamento pode ser tópico, sistêmico ou cirúrgico, dependendo do diagnóstico e do caso de cada paciente”, afirma a oftalmologista.  

Cuidados

“Alguns cuidados em relação à rosácea devem ser tomados, dentre eles evitar exposição solar sem filtro, comidas exóticas e fumar. Além disso, deve-se optar por maquiagem dermocosmética e antialérgica”, adverte a médica.

Dra. Heloisa Russ – crédito Colapso 777

Sobre Dra. Heloisa Russ – É graduada em Medicina pela UFPR, fez Residência Médica em Oftalmologia pela Unicamp, onde também realizou Mestrado e Sub-especialização em Glaucoma. Em seguida, se tornou Doutora pela USP e Pós-Doutora pela Unifesp.

A médica oftalmologista é membro de diversos Conselhos e Associações, dentre os quais estão o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, a Sociedade Latino-Americana de Glaucoma, a ARVO (The Association for Research in Vision and Ophthalmology) e a Sociedade Brasileira de Glaucoma.

Dra. Heloisa Russ é também autora de artigos científicos e capítulos de livros na área de Glaucoma e Oftalmologia Social. Além disso, é professora associada da pós-graduação da UFPR e da Unifesp.

https://www.glaucomacuritiba.com.br/

Comments are closed.