Tabagismo é a principal causa de câncer de pulmão, o que mais mata no Brasil e no Mundo

0
300

Campanha nas mídias sociais alerta para os efeitos nocivos do fumo, hábito é responsável por 85% de todos os casos deste tipo de tumor diagnosticados no país; Curitiba está entre as três capitais nacionais do tabagismo, ficando atrás de São Paulo e da campeã Porto Alegre

Um estudo recém-lançado pelo Instituto Oncoguia traçou o panorama do câncer de pulmão no Brasil. Os dados apresentados mostram evolução principalmente na luta contra o tabagismo, responsável por cerca de 85% dos casos deste tipo de tumor, mas também desafios importantes para o futuro, principalmente em relação ao diagnóstico precoce, notificação dos casos da doença e investimento em pesquisas.

O tumor de pulmão é o tipo de câncer que mais mata no país. Dois dos fatores que contribuem para esse cenário, segundo a oncologista do Grupo Oncoclínicas, Clarissa Mathias, são a subnotificação dos casos e o diagnóstico tardio da doença, o que resulta no alarmante dado de que 92% dos casos decorrem em morte, conforme apontou o levantamento. 

“Os dados trazidos pelo Panorama do Câncer de Pulmão mostram que há um grande déficit em relação a notificação de casos no país, o que nos impede de ter uma visão mais clara e ampla do problema para combatê-lo. E, quando identificados, chegam nos hospitais em estágio onde já não é possível de ser tratado”, diz a especialista, que é também presidente do Comitê Internacional da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO).

Os números comprovam a fala da médica. Em 2016, 86,2% desses pacientes já apresentavam estágios avançados da doença, o que diminui as chances de cura consideravelmente. No Nordeste, a situação é ainda pior, como aponta Clarissa. Em Sergipe, por exemplo, 100% deles estavam nessa situação. 

Para ela, apesar de ter incidência menor do que em outros países, como os Estados Unidos, no Brasil, o câncer de pulmão é responsável por muito mais mortes.

“É essencial ampliar as ações de conscientização da população em geral por meio de campanhas informativas sobre as causas da doença, hábitos nocivos à saúde e estimular o entendimento da importância do diagnóstico precoce. Além disso, precisamos incentivar pesquisas clínicas no país, que podem ajudar a ampliar o acesso ao tratamento”, ressalta a oncologista.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), apenas 24,6% dos casos são notificados no país. Estimativas apontam a ocorrência de 28.220 novos casos atualmente, porém o Registro Hospitalar do Câncer (RHC) tem oficialmente listados apenas 6.915.

Tabagismo ainda é a principal causa de câncer

O tabagismo continua sendo o maior responsável pelo câncer de pulmão no Brasil e no mundo. Aliás, não apenas deste tipo de tumor: em 2017, segundo o INCA, 73.500 pessoas foram diagnosticadas com algum tipo de câncer provocado pelo tabagismo no país e 428 pessoas morrem diariamente no país por conta dele. O instituto aponta ainda que mais de 156 mil mortes poderiam ser evitadas anualmente se o tabaco fosse evitado. 

Em 79% dos casos de câncer de pulmão, por exemplo, os pacientes eram fumantes, ou ex-fumantes. Apenas 21% nunca tiveram contato com o tabaco. 

O Brasil foi recentemente reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um exemplo no combate ao cigarro. O país tem um dos menores índices de fumantes do mundo, cerca de 10% da população acima de 18 anos, segundo o próprio INCA. Mesmo com os avanços, os desafios não param de chegar. 

De acordo com dados de pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, Curitiba passou de capital do tabagismo para o 3º lugar nacional, ficando atrás de São Paulo e da campeã  Porto Alegre.  O indicador alcançado pela capital paranaense (11,4% de fumantes) é o menor de todos os tempos.
O levantamento revela, ainda, que a evolução de Curitiba de 2017 para 2018 representa 60 mil fumantes a menos no município. No primeiro ano avaliado, de acordo com o mesmo estudo, 15,6% da população curitibana era fumante.

Segundo Elge Werneck, oncologista do Instituto de Hematologia e Oncologia de Curitiba – (IHOC) – ,unidade do Grupo Oncoclínicas no Paraná -, estes dados devem impactar também futuramente no número de casos de câncer originados pelo tabaco e seus reflexos. “O câncer de pulmão em grande parcela está associado ao consumo de derivados de tabaco – um fator de risco totalmente evitável. Isso é grave, visto que esse tipo de tumor é o segundo mais comum entre homens e mulheres no Brasil. Por isso, ao reduzir o consumo de cigarros estamos beneficiando não apenas quem fuma, mas também aqueles que qualificamos como fumantes passivos, pessoas que convivem com esse indivíduo e que ao inalar a fumaça tóxica ficam expostos aos males causados por ela”, explica.

Os especialistas ressaltam ainda que a chegada do cigarro eletrônico, que tem conquistado principalmente os jovens, deve ser um ponto de alerta para a sociedade. 

“Nós vemos novas formas de tabagismo chegando, como esse dispositivo tecnológico, por exemplo, que tem atraído principalmente os adolescentes, pelo formato, pela novidade e pela falta de informação também sobre o impacto nocivo deles. Então, estamos vendo uma geração que tinha largado o cigarro, voltar para versões digamos, mais modernas, do mesmo mal”, afirma Clarissa.

Parar de fumar, alertam os médicos do Grupo Oncoclínicas, é a forma mais eficaz de se prevenir contra o câncer de pulmão, além de diversas outras doenças e tumores. 

Oncoclínicas na luta contra o fumo 

Anualmente, o Instituto Oncoclínicas – iniciativa do corpo clínico do Grupo Oncoclínicas para promoção à saúde, educação médica continuada e pesquisa – desenvolve uma série de ações para alertar sobre a importância de combater o tabagismo como forma efetiva de prevenção contra o câncer. Em 2019 a iniciativa terá a parceria da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e trará uma abordagem positiva nas redes sociais mostrando os benefícios sentidos pela pessoa que para de fumar. 

Voltada à conscientização sobre o abandono do cigarro para uma retomada da saúde e da qualidade de vida, a campanha, direcionada à sociedade em geral, ressalta uma importante informação: nunca é tarde demais para abandonar o cigarro. Apenas 20 minutos após interromper o vício, a pressão arterial volta ao normal e a frequência do pulso cai aos níveis adequados. Em 8 horas, os níveis de monóxido de carbono no sangue ficam regulados e o de oxigênio aumenta. Passadas 24 horas, o risco de se ter um acidente cardíaco diminui. E após 48 horas, as terminações nervosas começam a se recuperar e os sentidos de olfato e paladar melhoram. 

Em até três meses, a circulação sanguínea melhora e caminhar torna-se mais fácil com a função pulmonar se recupera em até 30%. A partir de um a nove meses, os sintomas como tosse, rouquidão e falta de ar ficam mais tênues. Em cinco anos, a taxa de mortalidade por câncer de pulmão de uma pessoa que fumou um maço de cigarros por dia diminui em pelo menos 50%. Quinze anos após parar de fumar, torna-se possível assegurar que os riscos de desenvolver câncer de pulmão se tornam praticamente iguais aos de uma pessoa que nunca fumou.

Para mais informações, acesse http://www.grupooncoclinicas.com