Luxação de ombro, os perigos ocultos

0
421

Imagem_Shutterstock

Dr. Vagner Messias*

O ombro é a articulação mais móvel do corpo humano e isso faz com que esteja sempre em risco. São quatro articulações envolvidas nessa área, sendo a principal onde há o engate entre o osso do braço no osso da escápula (antiga omoplata). A principal forma de deslocamento do ombro é após uma queda, principalmente em atividade esportiva. Não ocorre somente em pacientes muito jovens, mas é a principal etapa da vida em que mais acontece. Em praticamente todas as vezes que alguém tem o ombro deslocado a primeira vez, o pronto-socorro é o destino procurado.

Dor forte, deformidade visível no ombro e aquela atitude clássica de segurar o braço demonstram claramente que o “ombro saiu do lugar”. Depois de ser encaixado novamente, o paciente tende a ter seus movimentos normais após alguns dias. O problema é que quanto mais novo for, maior a chance de ter novos deslocamentos, não necessitando mais a queda que teve quando luxou a primeira vez. É muito comum acontecer após alguns movimentos, com exercícios com a mão no alto e em alguns casos, até dormindo.

Hoje, para pacientes mais jovens, devido à chance de sair do lugar novamente ser alta, a cirurgia tem sido cada vez mais considerada. Alguns estudos mostram taxas de aproximadamente 100% de um segundo deslocamento do ombro quando a idade do paciente na primeira luxação está entre 16 e 18 anos. Até porque, quanto mais vezes o ombro luxa, mais lesões aparecem.

A cirurgia tem duração de aproximadamente uma hora e tem como objetivo permitir a restauração da função do ombro e evitar uma nova luxação. Ainda, outros fatores devem ser considerados para que o paciente considere a opção cirúrgica. Ter uma luxação em algumas atividades pode colocar em risco sua saúde.

Não se pode prever uma luxação. Assim, dependendo do local e ocasião, o perigo fica evidente. Vejamos alguns exemplos:

– estar em uma piscina ou no mar sozinho;

– praticar escaladas ou atividades em altura;

– estar no meio de uma competição;

– na academia fazendo supino e não conseguir sustentar o peso quando o ombro deslocar;

– estar viajando para algum lugar com difícil acesso a atendimento para que se encaixe o ombro novamente;

– praticar exercícios com barra no alto no crossfit;

– ou até mesmo, estar dirigindo e ser surpreendido com uma luxação.

Esses são alguns exemplos do cotidiano e do que vemos no consultório. Mas certamente há muitas outras formas de perigo evidente acompanhada de uma luxação do ombro.  E muitas vezes os pacientes deixam de fazer o que gostam porque sabem que o ombro pode luxar com alguns movimentos. Assim, não se pode negligenciar o tratamento, mesmo após uma única luxação do ombro.

 

 

*Dr. Vagner Messias, ortopedista do Hospital VITA, especialista em ombro.

Comments are closed.