Catarata e qualidade de vida

0
358
Catarata e qualidade de vida

Imagem: Pixabay

Dra. Heloisa Russ*

 

O tratamento da catarata varia de pessoa para pessoa. O tipo de cirurgia (ultrassom ou a laser) e a escolha da lente (monofocal, multifocal, trifocal, foco estendido) são avaliadas pelo oftalmologista individualmente. A decisão é tomada juntamente com o paciente, após avaliar as condições da visão, as necessidades de visão e o estilo de vida do indivíduo.

A cirurgia de catarata tem um perfil de segurança tão alto que é possível transformá-la em um procedimento com finalidade refrativa, baseado na escolha da lente intraocular. Nem todos os pacientes têm indicação para implante de todos os tipos de lentes. É possível corrigir astigmatismo, miopia, hipermetropia e presbiopia existentes na cirurgia de catarata.

Em geral, a catarata acomete, com maior intensidade, indivíduos com mais de 60 anos – idade em que surgem outros problemas de saúde. Por isso, quando se espera demais para realizar o procedimento, intensificam-se os riscos, daí a necessidade de realizar o tratamento o quanto antes e evitar possíveis complicações com a saúde.

Se não tratada, a catarata impacta na qualidade de vida e segurança da pessoa, pois a perda da acuidade visual a torna incapaz de ler, trabalhar, dirigir e, muitas vezes, afasta o portador do convívio social e familiar.

Além de interferir na independência da pessoa, a catarata está associada à depressão, diabetes, problemas de audição, AVC, quedas e tombos, declínio cognitivo, Alzheimer, acidentes de carro e até mesmo morte prematura.

Estudos e acompanhamentos realizados com pacientes comprovam um aumento da qualidade de vida e das atividades relacionadas à visão após a cirurgia de catarata. Melhora do bem-estar físico e emocional, otimismo e melhora da confiança associada a uma vida mais independente são alguns dos resultados alcançados com a cirurgia de catarata.

Dra. Heloisa Russ – crédito Colapso 777

*Dra. Heloisa Russ – É graduada em Medicina pela UFPR, fez Residência Médica em Oftalmologia pela Unicamp, onde também realizou Mestrado e Sub-especialização em Glaucoma. Em seguida, se tornou Doutora pela USP e Pós-Doutora pela Unifesp. 

A médica oftalmologista é membro de diversos Conselhos e Associações, dentre os quais estão o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, a Sociedade Latino-Americana de Glaucoma, a ARVO (The Association for Research in Vision and Ophthalmology) e a Sociedade Brasileira de Glaucoma. 

Dra. Heloisa Russ é também autora de artigos científicos e capítulos de livros na área de Glaucoma e Oftalmologia Social. Além disso, é professora associada da pós-graduação da UFPR e da Unifesp. 

https://www.glaucomacuritiba.com.br/

 

Comments are closed.