O que fazer com cadernos e livros usados?

0
201

Colégio Positivo recolhe e recicla materiais didáticos sem uso. Projeto é aberto a toda população de Curitiba

Com a volta às aulas, as crianças descobrem que ainda têm em casa livros e cadernos usados que não terão mais utilidade em 2020 – e ficam diante de uma questão: o que fazer com esse material? Infelizmente, a maioria dos pais e estudantes acaba jogando no lixo. Mas agora, alunos de todas as escolas – públicas e privadas – de Curitiba podem dar um destino nobre a esses livros e cadernos. Basta levá-los para uma caixa coletora em qualquer unidade do Colégio Positivo.

Por meio do projeto Logística Reversa Positivo, todo o material coletado é encaminhado para o processo de reciclagem, virando matéria-prima que será vendida para a fabricação de outros produtos. A receita arrecadada com a comercialização será destinada a projetos voltados a questões sociais e ambientais, desenvolvidos por alunos e professores. De acordo com o diretor geral do Colégio Positivo, Celso Hartmann, o objetivo do projeto é levar sustentabilidade não apenas para dentro da escola, mas para toda a comunidade, conscientizando principalmente as crianças sobre a importância da reciclagem. “É fundamental que os estudantes comecem a pensar no lixo que estão gerando e, com isso, reavaliem a possibilidade de reaproveitamento e destinação correta dos materiais escolares”, ressalta.

Como funciona o projeto? 

O projeto foi idealizado em 2017, pela aluna Helena Giotto, então com 9 anos de idade, pensando em uma forma de reduzir o impacto ambiental. A ideia foi aprovada pelo Colégio Positivo Internacional e, em 2018, implantada em quatro unidades do Colégio Positivo, em Curitiba. O objetivo inicial era arrecadar 8 toneladas, mas a expectativa foi superada e, com a finalização da coleta, foram recolhidas mais de 23 toneladas de material didático usado.

Em 2019, o projeto Logística Reversa Positivo foi um dos vencedores do 17º Prêmio Paranaense de Excelência Gráfica Oscar Schrappe Sobrinho – o maior da indústria gráfica paranaense – na categoria Sustentabilidade. Este ano, o projeto acontece nas unidades do Colégio Positivo em Curitiba; no Colégio Positivo Joinville, em Santa Catarina; no Colégio Positivo Master, em Ponta Grossa; no Colégio Positivo – Santa Maria, em Londrina; na Escola Passo Certo, em Cascavel; e no Colégio Semeador, em Foz do Iguaçu.

 

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo nasceu em Curitiba, onde desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental, o Colégio Positivo –  Angelo Sampaio, o Colégio Positivo Hauer e o Colégio Positivo Internacional atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Os alunos têm à sua disposição atividades complementares esportivas e culturais, incentivo ao empreendedorismo e aulas de Língua Inglesa diferenciadas, além de aprendizado internacional na unidade que leva essa proposta em seu nome. Em 2016, foi incorporado ao Positivo o Colégio Positivo Joinville (SC) e, em 2017, o Colégio Positivo – Santa Maria, em Londrina (PR). Em 2018, o Positivo ganhou duas unidades em Ponta Grossa (PR): Colégio Girassol e Positivo Master. Em 2019, somaram-se ao Grupo duas unidades do Colégio Semeador, em Foz do Iguaçu (PR), e duas unidades da escola Passo Certo, em Cascavel (PR). Em 2020, o Positivo inicia o ano letivo com mais duas unidades em Curitiba: Colégio Positivo – Água Verde e Colégio Positivo – Boa Vista.

Helena Giotto, estudante do Colégio Positivo Internacional, e idealizadora do projeto
Crédito: Diego Wladyka

Comments are closed.