Anvisa divulga nota sobre o uso dos medicamentos hidroxicloroquina e cloroquina

Nota da Anvisa

Esclarecimentos sobre hidroxicloroquina e cloroquina

Diante das notícias veiculadas sobre medicamentos que contêm hidroxicloroquina e cloroquina para o tratamento da Covid-19, a Anvisa esclarece que:

– esses medicamentos são registrados pela Agência para o tratamento da artrite, lúpus eritematoso, doenças fotossensíveis e malária;

– apesar de promissores, não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento da Covid-19. Portanto, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus; e

– a automedicação pode representar um grave risco à sua saúde.

Confira a nota técnica na íntegra.

Fonte

 

Apsen divulga comunicado sobre o Reuquinol (hidroxicloroquina)

Diante do artigo publicado na revista Nature, sobre os testes com o hidroxicloroquina para o tratamento do novo coronavírus COVID-19, a Apsen farmacêutica divulgou um posicionamento de esclarecimento, assinada pelo Dr. Caio Gonçalves de Souza – Gerente Médico da Apsen, sobre o medicamento.

A Apsen é fabricante do Reuquinol que possui como princípio ativo a Hidroxicloroquina. Leia abaixo a reprodução da nota de esclarecimento na íntegra.

 

 Posicionamento da Apsen sobre o uso da hidroxicloroquina (Reuquinol) na COVID-19

Em dezembro de 2019, uma nova pneumonia causada por um vírus desconhecido surgiu em Wuhan, uma cidade de 11 milhões de habitantes no centro da China. O patógeno foi logo identificado como um novo coronavírus (2019-nCoV), que está intimamente relacionado ao agente causador da SARS (SARS-CoV) em 2003.

Atualmente, não há tratamento específico contra o novo vírus. Portanto, é urgentemente necessário identificar agentes antivirais eficazes para combater a doença. Uma abordagem eficiente para a descoberta de medicamentos é testar se os medicamentos antivirais existentes são eficazes no tratamento de infecções virais relacionadas. O 2019-nCoV pertence ao Betacoronavirus, que também contém SARS-CoV e síndrome respiratória do Oriente Médio CoV (MERS-CoV).

Artigos da década passada (2004) falam da ação da cloroquina e hidroxicloroquina (já que o mecanismo de ação é o mesmo) no vírus da SARS. Porém, faltavam estudos clínicos sobre este assunto.

A hidroxicloroquina é um medicamento amplamente utilizado para doenças antimaláricas e autoimunes, com bom perfil de eficácia e segurança. Este princípio ativo tem um excelente potencial como medicamento antiviral de amplo espectro. Sabe-se que a hidroxicloroquina bloqueia a infecção por vírus aumentando o pH intracelular necessário para a proliferação viral dentro das células. Além de interferir na glicosilação dos receptores celulares de SARS-CoV. Um artigo publicado por Wang et cols neste ano mostrou que a hidroxicloroquina funciona tanto para impedir a entrada do vírus na célula (prevenção?), como nos estágios pós-entrada. Neste artigo, foi-se utilizada especificamente o 2019-nCoV, que é o virus da infeção atual.

Também neste ano publicações com trabelhos clínicos começaram a surgir. Um trial chines, com 100 pacientes infectados, mostrou uma melhora clinica em pacientes com Covid-19 e pneumonia. Outro estudo, desta vez francês, com 20 pacientes, todos infectados, porem alguns assintomáticos, mostrou uma redução da carga viral após 6 dias. Ou seja, cura.

Temos também uma revisão sistemática, publicada no Journal of Critical Care, por médicos italianos, citando que seis artigos mostraram a eficácia da hidroxicloroquina e cloroquina no tratamento da Covid-19, e que ja temos atualmente 23 trials em andamento na China sobre o use destas medicações em pacientes com Covid-19.

As doses recomendadas nestes estudos variam, mas costumam ser de 400mg (um comprimido) a cada 12 horas.

Estas informações ainda são iniciais, pois a cada semana novas evidências sobre esta doença surgem. A Apsen Farmacêutica se coloca a disposição para maiores informações através do seu e-mail [email protected], para responder qualquer dúvida técnica sobre a nossa hidroxicloroquina, assim como oferecer conteúdo cientifico sobre estes assuntos. Além disso, estará em contato com as autoridades de saúde pública no sentido de contribuir para que as possíveis opções de tratamento sejam consideradas no rápido combate a pandemia do Covid-19.

 

Dr Caio Goncalves de Souza

Gerente Medico Apsen

 

Referências

1. Wang M, Cao R, Zhang L, et al. Remdesivir and chloroquine effectively inhibit therecently emerged novel coronavirus (2019-nCoV) in vitro. Cell Research 2020; 30:269-2712.

2. Keyaerts E, Vijgen L, Maes P, et al. In vitro inhibition of severe acute respiratorysyndrome coronavirus by chloroquine. Biochemical and Biophysical ResearchCommunications 2004; 323: 264-2683. Colson P, Rolain JM, Lagier JC, et al. Chloroquine and hydroxychloroquine as availableweapons to fight COVID-19. International Journal of Antimicrobial Agents 2020

3. Colson P, Rolain JM, Lagier JC, et al. Chloroquine and hydroxychloroquine as availableweapons to fight COVID-19. International Journal of Antimicrobial Agents 2020

4. Gautret P, Lagier JC, Parola P, et al. Hydroxychloroquine and azithromycin as atreatment of COVID-19: results of an open-label non-randomized clinical trial.Mediterranee Infection, 2020

5. Barbard DL, Day CW, Bailey K, et al. Evaluation of immunomodulators, interferons andknown in vitro SARS-CoV inhibitors for inhibition of SARS-CoV replication in BALB/cmice. Antiviral Chemistry & Chemotherapy 2006;17:275-284

6. Cortegiani A, Ingoglia G, Ippolito M, et al. A systematic review on the efficacy and safetyof chloroquine for the treatment of COVID-19. Journal of Critical Care, 2020

7. Broker TR, Todaro JM, Rigano GJ. An Effective Treatment for Coronavirus (COVID-19)In consultation with Stanford University School of Medicine, UAB School of Medicine andNational Academy of Sciences researchers, 2020

 

Texto por Fábio Reis para PFARMA

* A reprodução é permitida, desde que citado o autor e fonte com link para https://pfarma.com.br

Comments are closed.