Impressoras 3D confeccionam protetores faciais para médicos e enfermeiros

0
738

Vanessa e Thiago Peixoto, da Boa Impressão 3D, mostram as bases dos protetores faciais feitos por impressoras 3D. Movimento congrega, além deles, centenas de voluntários no Brasil.

Itens serão entregues gratuitamente aos profissionais de saúde de Curitiba

A informação correta, as ações preventivas de higiene e o isolamento social são as melhores armas no combate à Covid-19. Diversas medidas de segurança estão sendo recomendadas pelos órgãos de governo e veiculadas nos meios de comunicação.

Médicos, enfermeiros e profissionais da área de saúde se desdobram nas unidades de atendimento e hospitais para atender às demandas, orientar a população em relação aos sintomas e aos cuidados necessários em época de pandemia de Coronavírus.

Mas como eles também precisam se cuidar e usar os equipamentos adequados para se proteger, uma comunidade internacional de mulheres – chamada de Women in 3D Printing Brazil – criou o www.projetohigia.com.br cujo objetivo é confeccionar protetores faciais e destinar gratuitamente a esses profissionais.

Tecnologia a serviço do bem comum

Em Curitiba, a Boa Impressão 3D participa dessa causa. “Dispensamos os funcionários para home-office ou férias, mudamos a rotina interna e colocamos 8 Stella 2 (impressoras 3D) para trabalhar ininterruptamente e confeccionar os protetores faciais para ajudar no combate ao Coronavírus”, conta a diretora Vanessa Peixoto.

Ela e o marido Thiago Peixoto coordenam a atividade na companhia. Já os colaboradores que têm as máquinas 3D em suas residências também ajudam nas impressões.

“A meta inicial é produzir pelo menos 700 kits, que serão doados à Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação. Uma equipe dessa agência vai recolher e fazer a entrega nos hospitais e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da capital paranaense”, explica Vanessa.

Para evitar contaminações, o casal toma as devidas precauções de higiene, faz a limpeza de todos os materiais utilizados na produção dos kits e envia um manual de orientações por escrito que explica como montar o kit antes do uso.

Ação de solidariedade nacional

Em todo Brasil, a meta do Projeto Hígia é confeccionar 100 mil protetores faciais. Para isso, foi criada uma vaquinha virtual na internet para arrecadar R$ 50 mil. Os recursos serão destinados à compra de filamentos para impressão 3D, elásticos, acessórios, custear o transporte e o envio dos materiais aos hospitais.

O endereço é https://www.vakinha.com.br/vaquinha/protetores-faciais-ajude-a-combater-o-coronavirus Até agora o projeto tem 200 apoiadores e foi coletado mais de R$ 29 mil.

Proteção extra

Os protetores faciais não substituem o uso da máscara e sim formam uma barreira a mais para o rosto e pescoço.

Cada protetor é formado por uma haste para a cabeça que pode ser impressa com qualquer tipo de filamento para modelagem por fusão e deposição, em impressoras 3D, montado com uma folha de acetato transparente.

“Ao chegar aos hospitais e UPAS, esses itens estarão desmontados e embalados numa caixa. Inserimos também um manual de orientações – por escrito – que reforça o jeito certo de como eles devem ser montados. Depois da higienização rotineira para entrada de equipamentos e acessórios em hospitais, os médicos e enfermeiras podem colocar sobre o rosto e pescoço e se resguardar ainda mais”, conta Vanessa.

Quem reside em Curitiba e Região Metropolitana e quiser ajudar com a doação de insumos – como folhas de acetatos transparentes ou lâminas de acrílico – pode entrar em contato com a Boa Impressão 3D pelo tel. 41-3180-0113 (também é WhatsApp) ou direto nas redes sociais @boaimpressao3d

O que uma impressora 3D pode fazer?

Elas são capazes de criar os mais variados objetos – desde os simples aos complexos – de maneira eficiente, com alta qualidade, baixo custo e com materiais variados. Ou seja, vieram para revolucionar a indústria e a maneira de consumo da sociedade atual.

Sejam itens como brindes para eventos, miniaturas, maquetes, brincos, protótipos, brinquedos educativos, ferramentas, acessórios para celular e videogame, vasos para decoração, móveis para residências.

Em alguns países, as impressoras 3D já confeccionaram bicicletas de nylon, carros, casas, prédios, castelos, roupas, bolsas, perucas, instrumentos musicais, próteses, tatuagens e muito mais.

Quem deseja obter uma renda extra, pode ter em sua casa uma dessas máquinas – que custa a partir de R$ 2.500,00 – e criar seu próprio negócio.

Sobre a Boa Impressão 3D

A Boa Impressão 3D começou suas atividades em Curitiba há 5 anos e promove uma nova forma de aproximar a tecnologia à sociedade.

Mais do que comercializar impressoras 3D, linhas de filamentos e acessórios, a empresa realiza cursos e workshops para mostrar os conceitos iniciais para modelar objetos e utilizar a ciência em benefício das pessoas.

Para quem é totalmente leigo no assunto, a empresa faz treinamento completo para utilizar o equipamento, oferece suporte online e desmistifica o uso da impressora 3D, que ganhará cada vez mais utilidade nos próximos anos.

Crédito das fotos e do vídeo
Divulgação

Relacionamento com a imprensa www.boaimpressao3d.com.br

Mem e Mem Comunicação
Marlise Groth Mem – (41) 9 9908-0511 – [email protected]

Comments are closed.