Quarentena de engenheiros da turma de 1964 do ITA resulta em propostas concretas para o Brasil

Os quatro coordenadores do grupo de engenheiros do ITA

Grupo trabalhou on line e chegou até o Congresso, o STF e a Presidência da República

A quarentena de um grupo de 27 engenheiros formados na turma de 1964 do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) tem sido extremamente produtiva para o futuro do Brasil.  Desde o dia 20 de março – quando se intensificou em todo o país a determinação da quarentena em função da pandemia do coronavírus – os engenheiros, todos próximos de completar 80 anos de idade, decidiram que era hora de movimentar o Brasil para a reconstrução econômica pós pandemia. Para isso, comunicaram-se com o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF), com todo o primeiro escalão do governo e com o próprio Presidente Jair Bolsonaro. Em momentos distintos, foram enviadas cartas abertas com medidas concretas que deveriam ser tomadas. Muitos assuntos levantados por eles – como  a redução de salários e penduricalhos – repercutiram em diversos meios e já começam a ser adotados, ainda que parcialmente.

“Cada um de nós dedicou pelo menos 55 anos à profissão de engenheiro, em várias especialidades. Usando nosso conhecimento participamos dos principais empreendimentos que ocorreram no Brasil desde que nos formamos. Isto inclui obras espetaculares na infraestrutura de energia (como Itaipu), empreendimentos industriais de porte (como a Embraer) e refinarias (Paulínia), telecomunicações, TI, planos urbanos, entre outros. Angustiados com a “tempestade perfeita” que se materializou – pandemia, recessão mundial em patamares jamais vistos por nós, um Poder Público desviado para interesses da própria classe – resolvemos agir”, explica Luiz Esmanhoto que, junto com Eduardo Guy de Manuel, Cassio Taniguchi e Manoel Loyola, coordena o grupo. “Nosso apelo às autoridades é pela ética e para que a democracia prevaleça acima de tudo”, completa Taniguchi.

Na carta com as propostas ao presidente, os engenheiros comparam o Brasil a uma empresa e ele ao “principal executivo”, que deve cuidar de 210 milhões de vidas, com um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 2,1 trilhões. E veem na crise do coronavírus uma oportunidade. “Sugerimos que se olhe por um instante para um outro Brasil, o Brasil da iniciativa privada. Neste Brasil paralelo ao comandado pelo senhor, quem é ‘Executivo’ chamaria este evento de oportunidade. É esta transmutação no olhar, no sentir e no prever que precisa ser liderada por quem o Povo escolheu para ser Governo”, diz a carta. Entre as propostas concretas para o presidente e para o primeiro escalão do Governo estão Formalizar um Gabinete de Crise e uma consultoria para estratégias pós pandemia, fazer uma “Iniciativa Progresso e Ordem” ou uma IPO da empresa chamada Governo  e apaziguar os Ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia.

Para os presidentes do STF, Dias Tóffoli, do Senado, David Alcolumbre , e da Câmara Federal, Rodrigo Maia, e para todos os deputados, senadores e ministros do STF, os engenheiros se manifestaram, logo no início do isolamento social, mostrando a necessidade urgente de definições dos Ministros, deputados e senadores sobre ações propostas, como o fim do foro privilegiado.

“Estamos no grupo de risco de contaminação pelo coronavírus, mas isso não é motivo para pararmos. Sabemos do nosso papel para o futuro do Brasil e não é hora de esmorecer”, dizem os empresários Manoel Loyola e Eduardo Guy de Manuel. Todos se colocaram à disposição das autoridades para reuniões via vídeo conferências para auxiliar a executar as ações propostas. Agora, depois dessa grande ação na “quarentena” o grupo se articula para divulgar suas ideias nas mídias on line, já com o apoio de mais empresários e entidades de classe.

Abaixo, a lista completa dos signatários das correspondências .

 Nome e cidade de residência atual 

1 Cassio Taniguchi- Curitiba PR

2 Cesar Salim- Rio de Janeiro RJ

3 Cláudio Manoel Campos de Oliveira- SJ dos Campos SP

4 Denis França Leite – Sete Lagoas MG

5 Eduardo Guy de Manuel – Curitiba PR

6 Gianfranco Biazzi – São Paulo SP

7 Jair dos Santos Lapa – Florianópolis SC

8 Joel de Lima Simão – Araras SP

9 José de Oliveira Freitas – Campinas SP

10 Koji Fukasawa – Rio de Janeiro RJ

11 Leiger Saukas – São Paulo SP

12 Luiz Cristiano de Lima Alves – São Paulo SP

13 Luiz Francisco Tenório Perrone – Rio de Janeiro RJ

14 Luiz Maria Guimarães Esmanhoto – São Paulo SP

15 Manoel A V Loyola e Silva – Curitiba PR

16 Manoel Regis Lima Verde Leal – Campinas SP

17 Mario Karpinskas – São Paulo SP

18 Pedro Wladimir Chvidchenko – Rio de Janeiro RJ

19 Plinio Freire Martins – Guararema SP

20 Renato Mascaretti – São Paulo SP

21 Rui Serruya – Belém PA

22 Ruy Korbivcher – São Paulo SP

23 Satoshi Yokota – SJ dos Campos SP

24 Saul Zimmermann – São Paulo SP

25 Sérgio Carlos Ricardo Bindel – São Paulo SP

26 Sergio Luiz Oliveira – SJ dos Campos SP

27 Walter Sacca – São Paulo SP