Veículos elétricos individuais devem ganhar mais usuários depois da pandemia

Veículos elétricos individuais devem ganhar mais usuários depois da pandemiaA pandemia do coronavírus traz à tona muitas reflexões sobre nossos comportamentos em sociedade, hábitos, relacionamentos e estilo de vida. Neste contexto, e nessa nova forma de enxergar como cuidamos do planeta, da nossa qualidade de vida e da nossa segurança, novas tendências para a mobilidade urbana, sobretudo nas grandes cidades, devem ser reavaliadas. E a mobilidade por meio dos veículos elétricos individuais portáteis – monociclos, patinetes ou bicicletas – deve ganhar cada vez mais adeptos em busca de um meio de transporte mais inteligente, divertido, ecologicamente correto e seguro, pois evita aglomerações de pessoas.

Há uma percepção que parece unânime: a pandemia terá efeitos perenes sobre o nosso estilo de vida, a começar pelo uso do transporte coletivo. A quarentena que vivemos tem como principal objetivo evitar aglomerações, pois o vírus é facilmente transmitido nestas situações. O transporte coletivo, especialmente nas grandes cidades brasileiras nos horários de rush, é sinônimo de aglomeração. “É por isso que o transporte individual deve despontar, mesmo depois da crise, como uma nova tendência no mundo todo, e também nas metrópoles brasileiras. Ir para o trabalho conduzindo um veículo elétrico portátil e pessoal é muito mais seguro. O melhor exemplo é o monociclo elétrico, um equipamento de mobilidade individual, rápido e versátil”, afirma Márcio Canzian, CEO da Eletricz, distribuidora que opera no mercado brasileiro desde 2018 e já virou referência no segmento de monociclos elétricos. Ele também é diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE).

“Para que isso aconteça, porém, é urgente que as cidades acelerem seu movimento de mudança. Precisamos criar espaços seguros para que todos circulem em segurança. É um movimento mundial no qual cada ponto do planeta está num degrau de desenvolvimento”, acrescenta. Cidades como Paris e Barcelona, por exemplo, já investem pesado na micromobilidade, criando redes muito mais extensas de ciclovias, ciclofaixas e ciclorotas do que São Paulo e outras cidades brasileiras. Na avaliação do CEO da Eletricz, outro ponto que ainda requer propostas mais aprimoradas é a criação de linhas de crédito especiais por parte de bancos e financeiras, que tornem a adesão aos modais elétricos portáteis mais acessível para a população que utiliza o transporte coletivo, mas deseja mudar seu estilo de vida. “Isso é fundamental para quebrarmos a dependência deste tipo de locomoção, reduzindo a aglomeração, os congestionamentos, e melhorarmos nossa qualidade de vida”, diz Canzian.

“Andar de monociclo elétrico é, provavelmente, a forma de locomoção mais segura, versátil, ágil e divertida que existe. Esse tipo de veículo, atualmente, está no topo da cadeia da mobilidade urbana individual, oferecendo inúmeras vantagens em relação aos automóveis e também ao transporte coletivo”, explica o executivo. Os monociclos elétricos também são muito eficientes para consumidores que precisam, por exemplo, se locomover até uma estação de metrô ou um ponto de ônibus para uma viagem mais longa. “Eles são perfeitos para resolver o conhecido first mile/last mile, unindo diferentes formas de se locomover pela cidade”.  [email protected]

Comments are closed.