Com início da reabertura de serviços de beleza, salões precisam se reinventar e adotar novas práticas

Protocolo de Retomada, formulado pelo Sebrae, traz orientações baseadas em critérios e recomendações das principais autoridades de saúde do país e do mundo

Com início da reabertura de serviços de beleza, salões precisam se reinventar e adotar novas práticas

Foto de AG Z no Pexels

Em vários estados e municípios do país, as atividades econômicas começam a ser retomadas gradativamente, após mais de quatro meses de isolamento social devido à pandemia do Covid-19. Para esse retorno às atividades, é fundamental que empresários, profissionais parceiros, colaboradores, fornecedores e clientes estejam atentos às recomendações das autoridades de saúde para prevenir o contágio e a difusão da doença. Um desses segmentos que está retomando o funcionamento reúne as empresas relacionadas à atividade de beleza. Pensando nas particularidades dos negócios da Beleza, um dos mais diretamente atingidos pelas medidas de prevenção ao novo coronavírus, o Sebrae formulou Orientações para Reabertura, que têm como referência as orientações de instituições nacionais e internacionais de saúde.

O documento faz parte de uma série de 39 cartilhas de orientação de retomada para diversos segmentos econômicos que o Sebrae construiu e que contemplam as atividades mais impactadas pela crise do COVID-19. São segmentos que, juntos, representam 73% dos pequenos negócios do País. Os conteúdos disponibilizados apresentam referências de procedimentos em 28 requisitos, contemplando orientações gerais, critérios de saúde, segurança, higiene, relação com fornecedores, colaboradores e clientes. Além do protocolo, o Sebrae também publicou em seu portal na internet, um texto com uma série de instruções.

A primeira orientação do protocolo – e que está presente em todos os documentos elaborados pelo Sebrae com recomendações para a reabertura – é que as dimensões territoriais brasileiras e a disparidade do sistema de saúde entre as diferentes regiões do país, exigem que as empresas verifiquem, antes de retomar as atividades, as condições vigentes na sua localidade. E, caso exista divergência de informações, é importante seguir a mais rígida delas e que esteja em sintonia com as orientações da Organização Pan Americana da Saúde, Organização Mundial de Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Ministério da Saúde.

Para evitar aglomerações, o texto lembra que é importante organizar uma área de chegada para os clientes, sempre ofertando álcool gel para higienização das mãos e medidas para higienização das solas do sapato. Solicite que todos os clientes estejam de máscara e, caso eles não disponham, tenha um estoque de máscaras descartáveis para oferecer. É importante ainda, orientar os clientes para não levarem (sempre que possível) acompanhantes ou animais de estimação para o salão. E adote a política de atender os clientes mediante agendamento prévio, para evitar filas e espera. A ideia é que os clientes permaneçam no espaço do salão de beleza apenas pelo tempo necessário.

Ajustes necessários

Os estabelecimentos precisam fazer alguns ajustes nesse momento de crise. As salas de esterilização, por exemplo, devem passar por alguns processos, como na lavagem de materiais de acordo com orientações da vigilância sanitária. Lavar os cabelos dos clientes também é fundamental, independente do serviço que será feito.

Quanto aos objetos expostos no salão, a recomendação é para que o espaço seja o mais simples possível, como o mínimo necessário. As esmalterias devem diminuir a quantidade de esmaltes em exibição e as revistas ou tablets, que normalmente ficam disponíveis para leitura dos clientes, devem ser recolhidos, assim como outros objetos que possam ser manuseados pelo público.

Cuidados com o espaço

  • O estabelecimento deve ser integralmente limpo e desinfetado, todos os dias, antes da abertura aos clientes. Isso inclui todas as superfícies, ferramentas, toalhas e roupas, mesmo que tenham sido limpas antes do fechamento, no dia anterior.
  • Entre os atendimentos, deve-se realizar a limpeza e desinfecção química, respeitado o tipo de material, nos locais de contato do cliente, a saber: bancadas, poltronas, cadeiras, macas e afins.
  • Dê preferência, sempre que possível, à ventilação natural, com portas e janelas abertas. Caso o decreto vigente em sua região permita o uso de ventilação artificial, como o uso de ar condicionado, invista na limpeza frequente de filtros.
  • Fique atento aos objetos que exigem uma higienização frequente, como canetas e outros materiais de escritório, teclado, mouse, monitor e telefones. Eles devem ser higienizados antes a após cada manuseio.
  • Higienize maquineta do cartão após cada uso, permitindo que o cliente manuseie seu cartão, e disponibilize álcool em gel 70% em cada estação de pagamento.

 

Orientações para os profissionais parceiros e os funcionários

  • Organize junto aos profissionais parceiros uma escala de trabalho, prevendo evitar aglomerações, de acordo com a quantidade de pessoas permitidas em um mesmo ambiente estabelecida no decreto da sua região.
  • Crie uma escala para a utilização da copa de modo a evitar aglomerações no momento das refeições.
  • Os profissionais de beleza devem estar orientados e cientes sobre sua responsabilidade para minimizar a disseminação do coronavírus durante o atendimento. Isso inclui a lavagem das mãos com álcool, uso de máscara reutilizável, cuidados no uso de jaleco de TNT descartável e que deve ser trocado a cada cliente, quando o serviço realizado necessite contato físico, como massagem.
  • Oriente a equipe para que a roupa e o calçado usados no caminho casa/trabalho/casa não seja a mesma usada durante o atendimento.
  • É importante manter as bancadas o mais livre possível, deixando sobre elas apenas instrumentos e produtos usados durante o atendimento.
  • É absolutamente proibido o compartilhamento de itens pessoais, como maquiagem, vasilhas, talheres e celular.
  • Quanto aos adornos pessoais, é permitido uso de brincos pequenos. Mas anéis, brincos grandes, pulseiras, gargantilhas, relógios, colares devem ser evitados.

 

Orientações aos clientes

  • Oriente o cliente a higienizar seu aparelho celular e a evitar ao máximo o uso, durante a permanência no estabelecimento.
  • Limite o número de pessoas na área de espera no salão/loja. A grande recomendação é para que seja adotada uma sistemática de agendamento dos atendimentos, permitindo uma melhor organização do fluxo de pessoas na empresa e um maior espaçamento entre os horários dos clientes, para evitar a possibilidade de aglomerações na sala de espera.
  • Realize atendimento mais exclusivo, estabelecendo uma distância mínima de 2m entre as estações de atendimento.
  • Não faça atendimentos simultâneos ao mesmo cliente. Exceto quando for possível respeitar a distância mínima orientada entre os profissionais e o cliente.”