Marcelo Perdido faz relato sentimental e memorialista no disco “Não tô aqui para te influenciar”

0
418

Foto por Ana Alexandrino

“Quando minha vó morrer vai acabar o Rio…” foi o que o cantor, compositor, músico e videoartista carioca radicado em São Paulo Marcelo Perdido pensou ao saber da doença de sua familiar. Foi com essa sensação de uma cidade se perdendo que ele revirou suas memórias para criar “Não tô aqui para te influenciar”, seu trabalho mais direto e pessoal. Com uma poética ambientada por guitarras, pianos elétricos, sons de cidade e falas de pessoas, o álbum reflete lutos, perdas e memórias. O disco está disponível em todas as plataformas de música digital.

Ouça “Não tô aqui para te influenciar”: https://smarturl.it/NTAPTIMarceloPerdido

“Gosto de dizer que nesse disco eu canto e desenho o som, pois dentro de uma perspectiva audiovisual, o desenho sonoro é fundamental nas canções para representar a cidade e pessoas que vão surgindo ou desaparecendo”, explica Marcelo.

Com 8 faixas e menos de 20 minutos de duração, o álbum surgiu de uma vez só, como uma enchente de sentimentos por uma cidade que deixaria de existir com uma pessoa que se apagava. Isso se reflete nas imagens se dissolvendo na capa e na urgência das canções, que giram em um ciclo de memórias em relatos espelhados dentro do próprio disco.

“Após o final da infância fui viver em outras cidades, porém, o apartamento de minha avó sempre foi o Rio de Janeiro pra mim. Estive lá milhares de vezes, sozinho, com amigos, bandas, naquele lar que foi comprado meio século antes por um casal de portugueses que nem imaginava que a Rua Sorocaba e seus entornos seria um epicentro cultural da minha bolha musical”, relembra o artista. 

Perdido faz de sua música uma apropriação da brasilidade e da MPB como uma ponte entre o pop e o alternativo. Suas canções, como o próprio artista define, “são feitas para aqueles que se sentem perdidos”. Ele tem em sua discografia solo cinco álbuns e um EP com passagens palcos como Virada Cultural e SIM São Paulo, além de dezenas de casas de shows entre Rio de Janeiro, São Paulo e Lisboa, onde viveu recentemente.

“Comecei minha carreira solo em 2013, me propus um ciclo para avaliação do meu trabalho artístico autoral e cheguei no conceito de 4 discos iniciais, um para cada estação do ano, que me dariam uma perspectiva da cena, do ofício e do quanto isso poderia ou não fazer parte da minha vida no futuro”, explica ele. 

O primeiro trabalho, “Lenhador” (2013), representava o outono e trazia um olhar inspirado no folk tropicalista. O segundo, “Inverno” (2015), foi produzido por João Erbetta (produtor musical da série “Coisa mais linda”, da Netflix) e era mais pessoal e introspectivo. Como parte de uma residência artística em Lisboa o álbum de primavera “Bicho” (2016) foi realizado com Filipe Sambado, artista em destaque na cena portuguesa que conduziu Marcelo para a linha pop experimental que guiou seu trabalho.

Voltando ao Brasil em 2018, Perdido termina a quadrilogia e lança “Brasa”, um disco quente como o verão sob um novo olhar, com cada música sendo feita em parceria com artistas e produtores diferentes. Pensado como o fim de um ciclo, o trabalho conta com Letrux, Helio Flanders e Laura Lavieri para registrar um país fictício cheio de desigualdade social e temperaturas altas. 

“Era meu disco de despedida, trabalhei com várias pessoas que admiro muito. Mas corta para 2020 e estou lançando o quinto disco depois de entender que música é meu propósito”, explica Marcelo.

Com produção de Habacuque Lima (Ludov, Pullovers), “Não tô aqui para te influenciar” conta com pianos elétricos de Danilo Andrade (Gilberto Gil, Jorge Ben Jor), bateria por Matheus Souza (Tiê), guitarras de João Erbetta (Los Pirata, Marcelo Jeneci, Clarice Falcão) e oboé do português Silas Ferreira (Pontos Negros, Samuel Úria). 

Lançado pelo novíssimo selo CENA (do Portal POPLOAD), “Não tô aqui para te influenciar” abre uma nova fase na carreira de Perdido, que busca estreitar os laços com o público em 2020. O disco está disponível em todas as plataformas de música digital.

Ouça “Não tô aqui para te influenciar”: https://smarturl.it/NTAPTIMarceloPerdido

Ficha Técnica:

 

Produzido por Habacuque Lima, no estúdio Trampolim

Letras e voz: Marcelo Perdido

Pianos elétricos: Danilo Andrade 

Bateria: Matheus Souza, com exceção de “Santa Clara de Tróia” por Matheus Marinho

 

Participações especiais: 

Guitarra: João Erbetta (“Bastante” e “Meia noite”) 

Oboé: Silas Ferreira (“Você não está aqui para me influenciar”)