Tendências 360º: o cenário das transformações

Entre 15 e 17 de julho, especialistas apontaram caminhos para diferentes mercados que movimentam a economia, orientando os participantes sobre as mudanças que estão acontecendo no mundo. A próxima edição do evento deve ocorrer em 15 de julho de 2021

Desvendar o que está acontecendo no mundo. Com esse propósito, o Tendências 360º reuniu um conjunto de mentes com o objetivo de projetar o que as pessoas viverão nos próximos anos. De forma objetiva, o evento compartilhou, durante três dias, informações e insights valiosos para a construção de um panorama completo do comportamento de consumo para o futuro, com a participação de centenas de pessoas. “Acreditamos que a criatividade é coletiva e por isso convocamos a audiência a nos enviar seus insights através de um Canvas para que, no pós-evento, seja produzido um material co-criado com a organização e os participantes”, conta Carolina Haro, diretora da Mapie e Disque 9 e uma das organizadoras do evento.

“Nos últimos dias, falamos sobre futuros. No plural, por serem múltiplos”, afirma Paula Abbas, diretora da ThinkRoom e uma das responsáveis pela criação do Tendências 360º. “Vimos sinais do mundo, do Brasil e de seis grandes dimensões que refletem às necessidades humanas: comer, morar, cuidar-se, aprender, viajar e entreter. Já havíamos realizado uma edição em 2014, de forma presencial, mas essa superou as nossas expectativas em termos de público, palestrantes e engajamento”.

A inquietude, a curiosidade e os questionamentos foram a essência de todas as discussões, realizadas de forma 100% online. Tendência, essa, que deve ficar para a próxima edição do evento, prevista para 15 de julho de 2021. “Esse formato híbrido deu muito certo e possibilitou a participação de pessoas de todo o Brasil, além dos convidados internacionais”, avalia Alessandra Vianna, diretora da Nazdarovia e organizadora do Tendências 360º. “Também garantimos aos participantes a possibilidade de realizar networking mesmo durante um evento online, abrindo grupos fechados com discussões e acesso aos conteúdos especiais.”

Produzido e organizado pelas empresas Disque 9, Mapie, Nazdarovia e ThinkRoom, tendo o sofisticado Nomaa Hotel como cenário, o evento gerou mais de 10h de conteúdo exclusivo gerado por 28 trendsetters dedicados à discussão do que é tendência nas dimensões de Mundo; Brasil; Comer; Morar; Cuidar-se; Aprender; Viajar; e Entreter. Ao final de cada painel a Revelando Ideias produziu mapas visuais com os highlights do Painel e material foi compartilhado com os participantes.  Os conteúdos estão disponíveis no site oficial do evento. e podem ser acessados até 15 de agosto com a compra do ingresso solidário. “Devido à grande interação do público e o interesse demonstrado por muitos em aprofundar os temas, outros projetos estão surgindo. Vem novidades por aí.” avisa Carolina.

Patrocinaram a edição do Tendências 360º a Pmweb, focada em criar soluções para impulsionar as vendas de grandes marcas do e-commerce; a Zoox Smart Data, empresa de alta tecnologia pioneira na aplicação de soluções integradas de inteligência artificial, machine learning e big data; o Nomaa Hotel; o Gaya Bem-Estar, espaço com salas de Yoga e tratamento em Spa e a Impress, empresa desenvolve e produz superfícies decorativas para a indústria de painéis, móveis e pisos. Tudo isso com o apoio do Sebrae/PR – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná – e da empresa Madera, que realiza locação de móveis desenhados e produzidos pela própria locadora para eventos.

Tom solidário – O valor arrecadado com as inscrições do evento será integralmente revertido a projetos sociais, até 15 de agosto, com causas importantes que estão contribuindo ativamente para um mundo melhor. Foram contempladas as seguintes instituições: TETO, Gastromotiva, IMP (Instituto Maria da Penha), Instituto Playing for Change, Parceiros do Mar e ICO Project.

 

Confira abaixo as principais discussões de cada painel:

Painel Mundo

Macrotendências como o retorno ao encasulamento e a economia do distanciamento, os pacotes de ajuda oferecidas por diferentes Países e seu impacto na vida das pessoas, a digitalização das relações, robôs, home office, entre outros assuntos que compuseram uma grande colcha de retalhos para nos dar um panorama geral da complexidade das mudanças que estão acontecendo ao redor do mundo. Cada painelista compartilhou sua vivência, conhecimento e experiências sobre diferentes países, mostrando o impacto que a pandemia está tendo nestes locais.

Para Peter Kronstrom, head do Copenhagen Institute for Futures Studies Latin America (CIFS), as principais tendências internacionais serão a incorporação de meios de transporte com baixa emissão de poluentes, como bicicletas, e o aumento de pessoas viajando dentro do próprio país. Na mesma linha, a jornalista Isabela Sperandio, do El País, deu um panorama da Espanha durante a pandemia da Covid-19 e ressaltou o aumento da empatia nas pessoas. “É uma virada no liberalismo econômico, com um sentimento de solidariedade grande por aqui”, apontou. Na Coreia do Sul, Renato Bertão, da Kookmin University, apontou que a individualização aumentou com o distanciamento social, com a redução de contato presencial em ambientes físico de consumo.

 

Painel Brasil

Os quatro especialistas do painel Brasil destacaram a importância do lado humano e proativo das empresas nesse momento. Os aspectos financeiros também são de extrema importância para prever e colocar tendências em prática, mas a discussão foi adiante e trouxe aos participantes o questionamento sobre que mudanças um novo olhar para o dinheiro vai gerar na sociedade.

No painel sobre a situação nacional, João Pacífico ressaltou que o investimento em empresas que financiam ações sociais pode se tornar uma boa prática. O CEO da New Vegas, Ian Black, corroborou com a afirmação. “Precisamos reorganizar o mercado da propaganda para trazer igualdade, com uma comunicação inclusiva”. Esperança Rodrigues, com sua experiência como analista de compliance sênior no Ebanx, levou em conta a finalidade do conhecimento e diversidade andarem juntos dentro de uma empresa. “As pessoas têm que estar abertas a aprender, se todo mundo aprende, reduz conflitos, aumenta a criatividade e a empresa cresce”. Na avaliação do especialista do jornalista Marcelo Cattani, o momento na política nacional será influenciado pelo conservadorismo, mas com o sentimento de democracia ativo e muito focado em propósito e bandeiras. Uma oportunidade única para que os candidatos abracem causas relevantes como a diversidade e inclusão.

 

Painel Comer

A monocultura e educação do consumidor foram os grandes temas do painel sobre gastronomia. Como debate, os painelistas afirmaram que toda a padronização e homogeneização dos produtos brasileiros acaba aniquilando o verdadeiro sabor e valor que tem a comida brasileira, que, muitas vezes, não é reconhecida no mercado. Precisamos nos descolonizar.

Para a mixologista Nely Pereira, a grande tendência na gastronomia está ligada a repensar a cadeia produtiva, valorizando mais o produtor nacional e usufruir do que é produzido no Brasil. Já para Georges Pereira, do Prazeres da Mesa, os holofotes estão nos serviços de delivery e surge a necessidade de reeducar os consumidores nesse sentido, trazendo mais cultura e diversidade para suas mesas. “Temos o compromisso de ensinar as novas gerações a consumir e se alimentar diferente”, disse. Na avaliação de Edrey Momo, é importante entender que “a gastronomia não vende apenas comida e, sim, todo um conceito”.

 

Painel Morar

Durante o painel sobre arquitetura e mercado imobiliário, os especialistas discutiram a casa do futuro, que vai muito além da moradia. Hoje já é comum que ela seja o ambiente de trabalho, o local de festas e o consultório. Além de outros aspectos como o bem-estar dentro de casa, as diversas mudanças de espaço físico que estão acontecendo durante esse período também foram algumas questões levantadas no painel.

Para Fabio Vasconcelos, da F.A.V., o imóvel se tornou o grande protagonista da crise. Não por acaso, houve um aumento na procura no setor de 30% em relação ao que havia antes da pandemia, conforme avaliações do executivo. “As pessoas estão buscando qualidade de vida, elas querem-me viver melhor. Saúde é tempo com qualidade. Como você gasta o seu tempo é liberdade”, reforçou Andressa Gulin, da AG7. Já na avaliação de Felipe Guerra, da Jaime Lerner Arquitetura, uma tendência forte do “novo normal” serão os bairros planejados, pela facilidade de ter tudo perto de casa, assim como condomínios completos que atendam às principais necessidades.

 

Painel Cuidar-se

A medição de produtividade, ressignificação do lugar de cada um no mundo, o pensar no outro, os cuidados físicos e emocionais foram alguns dos grandes motivos do debate do painel Cuidar-se. Cada palestrante destacou os novos hábitos de consumo e a forma com que as pessoas se conectam umas às outras em tempos de mudanças.

O painel focou em temas de vulnerabilidade e autoconhecimento, assim como as conquistas mais relevantes já alcançadas pelas mulheres e o que vem por aí. Denise Tavares, consultora de imagem, apontou que as mulheres passaram a focar muito mais no olhar pessoal, do que no estético. “Ninguém está parado, mas fomos obrigados a respirar e precisar rever tudo que tínhamos como ‘certo’ até hoje. O novo sempre é desconfortável”, disse. Já Suelen Matos, designer de moda, falou da influência que o feminismo teve na forma de se vestir e as consequências que isso traz para a sociedade. “A moda materializou esse processo de militância e de escolhas”, apontou. Na avaliação de Andréa Lomando, está ocorrendo a ressignificação da parceria entre homens e mulheres, com movimentos positivos no sentido dos papéis em casa e no trabalho. Por fim, o painel contou ainda com uma mensagem de Maria da Penha, que dá nome à lei que combate a violência doméstica contra mulheres.

 

Painel Aprender

O momento de transformação também afeta a educação, que vai além do espaço da escola. No painel Aprender, os especialistas pontuaram que o futuro, aliado à tecnologia, será com pessoas que sabem lidar com uma educação totalmente ligada à emoção, com essa condução ocorrendo desde as primeiras fases do aprender. Tudo isso somado à construção de um desenvolvimento multicarreira ou até anticarreira.

Em um momento de transformação forçado da educação, Fabio Viviurka, da Slash Education, apontou que as relações pessoais se tornaram escassas e isso é, justamente, algo que os alunos sentem muita falta. “O afeto precisa estar ligado à emoção de educar pra fazer sentido”, disse. Joseph Teperman complementou a discussão, reforçando que “se divertir aprendendo é, também, uma forma de entretenimento”. Thiago Toniol trouxe à discussão uma reflexão sobre a tecnologia e o aprendizado: “não está matando profissões, mas sim transformando elas. A criatividade e a subjetividade são características humanas, e a gente tem que explorar isso”.

 

Painel Viajar

Um novo formato de viagem é uma das tendências que os painelistas analisaram para um futuro próximo. Com a necessidade do equilíbrio entre lazer e trabalho, o home office pode ter vindo para ficar: muitas empresas perceberam que podem realizar seus negócios de qualquer lugar, seja em um hotel ou uma pousada mais afastada. O que também poderá valorizar cada vez mais o turismo interno do Brasil.

Uma das questões mais problemáticas durante a pandemia tem sido o turismo, que Ricardo Freire, do blog Viaje na Viagem, apontou que só será retomado de forma plena após a pandemia da Covid-19. “Viajar será algo politicamente incorreto por um tempo”, opinou ele, que foi apoiado por Flávia Lorenzetti, que falou na forma de repensar negócios. “O turismo será muito local e precisaremos valorizar mais o que é brasileiro”. Edu Fleury, da Kayak Brasil, apontou uma queda nos voos domésticos, mas prevê que no futuro será muito mais necessário um trabalho colaborativo entre companhias aéreas para essa retomada. “O turismo doméstico voltará mais rápido que o internacional”, aponta.

 

Painel Entreter

Sendo um dos setores mais impactados, no painel Entreter o que os painelistas destacaram é que no atual momento apenas o essencial no setor terá continuidade. Com isso, a aceleração da digitalização acaba ressignificando a era da experiência no entretenimento, com maior importância à segurança, atrações online e, também, formas de executar projetos.

O último painel do evento discutiu a duração dos projetos drive-in, que se tornaram uma tendência nos últimos meses. “Ele veio para ficar, com ações como minicamarotes para shows ou em um ambiente seguro, como o próprio carro”, disse Alexis Anastasiou. Para Franklin Costa, houve uma percepção do entretenimento como fundamental para a vida em sociedade. “O show nunca parou, ele apenas mudou de meio”, afirmou Costa. A afirmação foi corroborada pela fala de Marcelo Flores, que cravou: “a cultura digital, os eventos híbridos, os protocolos de segurança e higienização serão as grandes tendências desse momento”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS