Entenda a causa da coceira na pele que surge após o banho e saiba como evitar o problema

Coceira, ressecamento e vermelhidão da pele podem ser sinal de que você deve acelerar seus banhos e diminuir a temperatura da água

Entenda a causa da coceira na pele que surge após o banho e saiba como evitar o problema

Principalmente no inverno, não há nada melhor do que tomar um banho quente no final do dia. Porém, a sensação agradável dura pouco, pois logo em seguida é comum sentirmos a pele coçar, o que pode causar grande incômodo. “Isso ocorre porque a água quente provoca a remoção intensa da oleosidade natural da pele que tem como função a manutenção do manto hidrolipídico, responsável por reter a umidade e proteger o tecido cutâneo. Como resultado, a pele torna-se mais seca, com o surgimento de coceira e vermelhidão, além de ficar mais suscetível às agressões externas, o que pode favorecer o aparecimento de alergias e dermatites, que também causam coceira”, afirma a dermatologista e tricologista Dra. Kédima Nassif, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Associação Brasileira de Restauração Capilar

Então, para evitar o problema, o ideal é investir em cuidados que vão auxiliar na manutenção da barreira cutânea. Por exemplo, o consumo de, no mínimo, 2 litros de água por dia é fundamental. “A ingestão diária de água também é indispensável para combater a desidratação do corpo e, consequentemente, da pele, assim mantendo a camada protetora saudável e o tecido cutâneo livre da coceira, ressecamento e vermelhidão”, aconselha a Dra. Kédima.

Outra medida importante contra a coceira é diminuir a temperatura da água, que deve ser preferencialmente fria. “Além de prevenir a perda da oleosidade natural da pele, a água fria ajuda a contrair os vasos sanguíneos, fechando os poros e diminuindo a vermelhidão e o inchaço, e aumenta a circulação na região, conferindo ao rosto um aspecto mais brilhante e saudável”, destaca a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Outra opção é optar por banhos curtos, com menos de dez minutos, em água morna, que já são suficientes para manter a pele e o cabelo com uma aparência brilhante e saudável. “Se tiver dúvidas quanto a temperatura da água, basta observar sua pele. Caso apresente vermelhidão, é melhor abaixar a temperatura”, completa a médica.

Além disso, atente-se aos produtos que você utiliza durante e após o banho. Por exemplo, evite usar o mesmo sabonete no corpo e no rosto. “A pele da face é muito mais sensível que a pele do corpo. Logo, deve ser higienizada com um sabonete específico para a região. Isso porque os sabonetes para a face possuem uma ação mais suave na pele, já que são compostos por surfactantes, ou seja, substâncias de efeito detergente menos agressivas do que as utilizadas nos sabonetes corporais”, diz a dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Mas é importante tomar cuidado mesmo utilizando sabonetes específicos para o rosto. “Alguns produtos de limpeza facial tendem a ser muito agressivos, removendo a boa oleosidade da pele e causando um efeito rebote, reação compensatória da pele, que, ao ter sua camada de proteção removida, passa a produzir mais gordura como forma de defesa, resultando, consequentemente, no aumento da oleosidade da pele”, alerta a médica. Então, prefira cosméticos que realizem a higienização da pele sem agredir o tecido, como a Emulsão de Limpeza, da Buona Vita, uma fórmula multifuncional de composição suave que restabelece a pele, acentuando sua renovação e ajudando a remover impurezas e células mortas sem retirar sua proteção natural.

Mas um dos principais cuidados para manter a barreira de proteção intacta é a hidratação diária da pele. “Para isso, o ideal é buscar produtos cujos veículos sejam à base de Fosfolipídeos, que formam uma segunda pele e protegem a pele de forma mais efetiva diminuindo a perda de água por evaporação”, destaca a Dra. Paola. “A associação do ácido hialurônico de alto e baixo peso molecular também é uma ótima opção, pois os ativos atuam em sinergia para estimular a produção de hidratação natural em todas as camadas da pele”, comenta a Dra. Paola. Uma ótima opção é o Compative Balm 10, da Ada Tina Italy, um potente hidratante indicado para peles normais, secas e ressecadas, e capaz de proporcionar reparação profunda dos danos causados por agressores externos como o tempo frio.

Porém, se mesmo com os cuidados acima você continuar apresentando coceira e ressecamento na pele, o mais importante é consultar um dermatologista. “Existem diversas causas para a desidratação e o surgimento de prurido na pele e apenas o médico especializado será capaz de realizar o diagnóstico correto do problema para indicar o melhor tratamento para cada caso”, finaliza a Dra. Paola Pomerantzeff.

*DRA. KÉDIMA NASSIF – Dermatologista e Tricologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da Associação Brasileira de Restauração Capilar. Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, possui Residência Médica em Dermatologia também pela UFMG; realizou complementação em Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal, transplante capilar pela FMABC e em Cosmiatria e Laser pela FMABC. Além disso, atuou como voluntária no ensino de Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo. www.kedimanassif.com.br

*DRA. CLAUDIA MARÇAL: É médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). É speaker Internacional da Lumenis, maior fabricante de equipamentos médicos a laser do mundo; e palestrante da Dermatologic Aesthetic Surgery International League (DASIL). Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. É proprietária do Espaço Cariz, em Campinas – SP.

*DRA. PAOLA POMERANTZEFF: Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), tem mais de 10 anos de atuação em Dermatologia Clínica. Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina Santo Amaro, a médica é especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, e participa periodicamente de Congressos, Jornadas e Simpósios nacionais e internacionais. http://www.drapaola.me/

redacao@holdingcomunicacoes.com.br