Acne persistente em mulheres adultas pode ser sinal de doença que causa infertilidade

Figurando entre as principais causas de infertilidade em mulheres, a Síndrome do Ovário Policístico é uma desordem endócrina que, entre outros sintomas, pode favorecer o surgimento de acne na pele. Logo, para dar fim aos cravos e espinhas, o tratamento prévio da condição é indispensável.

Acne persistente em mulheres adultas pode ser sinal de doença que causa infertilidade

Grande parte das pessoas já sofreu com acne, principalmente durante a adolescência, quando os hormônios aflorados favorecem o surgimento dos cravos e espinhas. Mas a acne não se restringe aos mais jovens, podendo afetar também mulheres adultas, por exemplo, por fatores como alimentação, estresse e até mesmo doenças pré-existentes, como a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), uma desordem endócrina que atinge cerca de 15% das mulheres em idade reprodutiva em todo o mundo e é uma das principais causadoras da infertilidade. “Durante o processo de ovulação, é normal o aparecimento de cistos, que fazem parte do funcionamento dos ovários e desaparecem a cada ciclo menstrual. A SOP interfere neste processo de ovulação devido ao desequilíbrio hormonal, fazendo com que estes cistos permaneçam ali e modifiquem a estrutura ovariana, tornando o órgão até três vezes maior que o tamanho normal”, explica a ginecologista Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira, da Clínica Fada (https://www.clinicafadasaude.com.br/) e membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Sem causa definida – apesar de estar relacionada a fatores como genética e principalmente a resistência insulínica, pois leva ao desequilíbrio hormonal –, a Síndrome do Ovário Policístico possui uma série de sintomas que podem variar de pessoas para pessoa, mas geralmente incluem falta de ovulação, menstruação anormal, altos níveis de hormônios masculinos, ganho de peso, aumento de pelos no rosto, seios e abdômen e acne. “O surgimento de acne ocorre porque uma das principais características da Síndrome do Ovário Policístico é o hiperandrogenismo, ou seja, o aumento dos níveis dos hormônios andrógenos, que estimulam a produção de oleosidade em excesso pelas glândulas sebáceas, favorecendo assim o aparecimento de cravos e espinhas”, afirma dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “Mas, nesse caso, apenas tratar a acne não é suficiente, pois as chances de o problema voltar são grandes. Por isso, é importante que, além de consultar um dermatologista para o tratamento da acne, você visite também um médico ginecologista que possa tratar a real causa do problema, ou seja, a SOP”, completa a dermatologista

Segundo a Dra. Ana Carolina, o tratamento da SOP exige a manutenção de uma dieta leve e balanceada acompanhada da prática regular de exercícios físicos para melhorar a resistência insulínica, a fertilidade e a regulagem da ovulação. “Já a parte medicamentosa do tratamento consiste no controle dos sintomas e complicações. Por isso, são receitados anticoncepcionais para regular o ciclo menstrual, indutores de menstruação para ajudar no processo de ovulação e hipoglicemiantes para controlar a resistência insulínica, além de medicamentos para reverter o quadro de infertilidade”, destaca a médica. “E o tratamento da SOP deve ser feito não apenas para dar fim à acne, mas para prevenir que a condição evolua para complicações mais sérias a longo prazo, como diabetes, doenças cardiovasculares e câncer do endométrio”, alerta a ginecologista.

Com a Síndrome do Ovário Policístico tratada, pode-se efetivamente focar no combate ao quadro acneico. “Na verdade, o uso dos anticoncepcionais para o tratamento da SOP já tende a amenizar o quadro acneico, pois a combinação de progesterona e estrógeno presente nesses medicamentos reduz os níveis de testosterona no organismo, que está relacionada ao desenvolvimento da acne”, explica a Dra. Paola. “Mas é importante também tratar o problema topicamente. Então, invista em uma rotina diária de cuidados com a pele, começando pela higienização, que deve ser feita com sabonetes específicos para o seu tipo de pele. Ou seja, quem possui pele oleosa e com acne deve optar por sabonetes líquidos formulados com ativos seborreguladores, como ácido salicílico e glicólico. O dermatologista também pode recomendar secativos e cosméticos concentrados para o tratamento de áreas específicas”, aconselha a especialista. Além disso, é essencial o uso de hidratantes formulados em veículos leves com ativos que atuem no controle da oleosidade e reduzam a inflamação. O fotoprotetor também é fundamental para evitar a formação de manchas e cicatrizes. “Em casos mais graves, o médico ainda pode prescrever medicamentos orais para o tratamento da condição, como antibióticos ou a isotretinoína”, diz a dermatologista.

Por fim, a Dra. Paola Pomerantzeff ressalta que, caso você esteja sofrendo com acne persistente, o mais importante é consultar um dermatologista. “Apenas o médico especializado poderá realizar uma avaliação diagnóstica e identificar a real causa do problema para prescrever o melhor tratamento para você, além de te encaminhar para um ginecologista caso os cravos e espinhas estejam sendo causados pela Síndrome do Ovário Policístico”, finaliza.

FONTE: DRA. ANA CAROLINA LÚCIO PEREIRA: Ginecologista, membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), especialista em Ginecologia Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira e graduada em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro em 2005. Especialista em Medicina do Tráfego pela Abramet, a médica realiza consultas ginecológicas, obstétricas e cirurgias, atuando na prevenção e tratamento de doenças gineco-obstétricas com foco em gestação de alto risco.

DRA. PAOLA POMERANTZEFF: Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), tem mais de 10 anos de atuação em Dermatologia Clínica. Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina Santo Amaro, a médica é especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, e participa periodicamente de Congressos, Jornadas e Simpósios nacionais e internacionais. http://www.drapaola.me/

maria.claudia@holdingcomunicacoes.com.br