Blefaroplastia inferior auxilia no tratamento de bolsas de gordura e flacidez sob os olhos

Rápido e com excelentes resultados, procedimento revitaliza o olhar através da remoção e distribuição da gordura e pele excessivas presentes na área dos olhos.

Blefaroplastia inferior auxilia no tratamento de bolsas de gordura e flacidez sob os olhos

Quando o assunto é envelhecimento da área dos olhos, muito se fala sobre a flacidez das pálpebras superiores, que pode ser tratada com o auxílio da blefaroplastia. Porém, o que poucos sabem é que a blefaroplastia também pode ser utilizada para combater um outro problema muito comum causado pelo processo de envelhecimento: o surgimento de bolsas embaixo dos olhos. “Conhecido como blefaroplastia inferior, o procedimento visa remover o excesso de pele e gordura que surgem sob os olhos devido ao envelhecimento e conferem um aspecto cansado ao rosto. Dessa forma, a cirurgia elimina as bolsas de gordura, rugas e flacidez, levantando o olhar e rejuvenescendo a região dos olhos”, explica o cirurgião plástico Dr. Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Durando cerca de uma hora e meia e realizado sob efeito de anestesia local com sedação, o procedimento é feito a partir de incisões na parte de dentro da pálpebra inferior, quando há apenas excesso de gordura, ou que seguem a linha dos cílios, em casos em que a flacidez da pele é o problema,  o que faz com que as cicatrizes sejam imperceptíveis. “Essas incisões possibilitam ao cirurgião plástico manejar os depósitos de gordura e o excesso de pele presentes na região, que são retirados e distribuídos conforme a necessidade de cada paciente, promovendo assim redução do inchaço, da flacidez e das bolsas presentes na área dos olhos”, afirma o cirurgião plástico. Além disso, a blefaroplastia inferior pode ser combinada à técnica convencional, quando o paciente também apresenta flacidez nas pálpebras superiores.

Os resultados do procedimento são satisfatórios e naturais, revitalizando o olhar, melhorando a estética facial e removendo o aspecto de cansaço que as bolsas e flacidez conferem ao rosto. “No entanto, os resultados podem levar certo tempo para ficarem completamente visíveis, já que é comum o surgimento de inchaço na região após o procedimento”, destaca o Dr. Mário. “Mas é importante ressaltar que a cirurgia não é capaz de corrigir alterações como pés de galinha, manchas escuras sob os olhos ou sobrancelhas caídas. Nesses casos, o ideal é associar a blefaroplastia a outros procedimentos para obter melhores resultados.”

Além do inchaço, o paciente também pode sofrer com hematomas e desconforto na região dos olhos após a cirurgia, que são perfeitamente normais e tendem a desaparecer após algum tempo. “Por isso, após o procedimento, recomenda-se o uso de compressas frias na região e analgésicos para amenizar o desconforto e acelerar a cicatrização. Além disso, o paciente deve evitar realizar esforço, parar de fumar e consumir álcool e não se expor ao sol por, no mínimo, uma semana. Após esse período, é possível retornar às atividades rotineiras, mas sem realizar exercícios físicos pesados e sempre utilizando filtro solar para proteger a região da radiação ultravioleta”, aconselha o Dr. Mário

Mas para aqueles que ainda não estão prontos para se submeter à blefaroplastia inferior, a boa notícia é que existem procedimentos menos invasivos que também são capazes de tratar a flacidez e as bolsas na região dos olhos. “Uma alternativa, por exemplo, é a aplicação de substâncias preenchedoras, como o ácido hialurônico, que confere volume a região dos olhos, reduzindo a aparência das bolsas”, diz o especialista. “Outra opção é o microagulhamento, que consiste em pequenas agulhas que realizam microperfurações na pele para promover o estímulo das fibras de colágeno e elastina da pele, assim diminuindo a flacidez do local tratado.”

Porém, antes de optar por qualquer procedimento, o mais importante é consultar um cirurgião plástico, que poderá realizar uma avaliação e indicar o melhor tratamento para o seu caso. “Por exemplo, em casos de flacidez avançada, apenas o uso de preenchimento não é suficiente para tratar o problema, sendo necessária então intervenção cirúrgica. Além disso, caso haja presença de pés de galinha ou flacidez da pálpebra superior, o médico também poderá recomendar associações para promover o tratamento global da área dos olhos, incluindo procedimento como a blefaroplastia superior ou a aplicação de toxina botulínica”, finaliza o Dr. Mário Farinazzo.

FONTE: DR. MÁRIO FARINAZZO – Cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da UNIFESP e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy™ e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine™ Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz, Oswaldo Cruz, entre outros. www.mariofarinazzo.com.br

paula.amoroso@holdingcomunicacoes.com.br