Atriz paranaense que mora nos EUA e já trabalhou como uber, está em filme nacional com Hugo Bonemer e Douglas Silva

‘Broken Hills’ marca sua estreia como escritora e venceu o prêmio de melhor curta internacional no Los Angeles Brazilian Film Festival. Morando há 5 anos nos Estados Unidos, a atriz batalhou para se estabilizar no país e agora mostra todo seu talento: “A vida artística não é fácil, mas não fazer arte é pior”

Atriz paranaense que mora nos EUA e já trabalhou como uber, está em filme nacional com Hugo Bonemer e Douglas Silva

Gabi Spaciari
Divulgação/ Iwi Onodera

Com apenas 12 anos, Gabriella Spaciari decidiu entrar em um curso de teatro em uma cidade de apenas 6 mil habitantes. Nascida em Cambira, no Paraná, deu seu primeiro passo no universo da arte. “Foi quando tudo começou, fui incentivada a ler os clássicos, viajávamos de kombi fazendo apresentações nas cidades ao redor e vi o poder que a arte tinha de transformar a mim e aos outros. Soube ali que era para isso que eu queria dedicar a minha vida”, conta a artista, que hoje com 28 anos, mora em Los Angeles e se consagra como atriz, escritora e produtora, estreando o curta “Broken Hills”, que ganhou o prêmio de melhor curta internacional no Los Angeles Brazilian Film Festival de 2020, e atuando ao lado de nomes como Douglas Silva, Hugo Bonemer e Marcelo Menezes, no longa-metragem nacional “Fora de Cena”.

Aos 17 anos, ingressou na UNICAMP, onde se formou em Artes Cênicas. Antes de se mudar para a Califórnia, morou por mais dois anos em São Paulo. O desejo de morar fora veio justamente da paixão pela arte: “Sempre achei importante conhecer outras culturas e queria ter a experiência de morar fora para estudar cinema”, conta. Após um ano de estudo, surgiu sua primeira oportunidade de emprego e L.A. tornou-se seu lar, onde nem tudo foi fácil. “Passei muita dificuldade no início. Não falava bem inglês, fiquei mais de um ano sem ver a minha família, fui garçonete, bartender, uber, dei aulas, fiz eventos, tive que me reinventar, me virar do avesso”.

Versatilidade em ‘Broken Hills’

Atriz paranaense que mora nos EUA e já trabalhou como uber, está em filme nacional com Hugo Bonemer e Douglas Silva

Crédito: Iwi Onodera

Do papel as câmeras, em “Broken Hills”, Gabi esteve em todas as etapas. Escritora, produtora e atriz em seu próprio curta, a artista completa diz que queria contar uma história e este foi o pontapé inicial, “comecei e foi um processo de muita paciência. Quem escreve sabe que quanto mais estudamos o roteiro, mais trabalho tem a ser feito”.

O curta, dirigido por Edmilson Filho retrata a vida de uma jovem que sonha em ser bailarina e vai em busca de seus objetivos nos Estados Unidos sem o auxílio familiar. Através da indústria adulta, trabalhando com webcam, a protagonista descobrirá a verdade sobre sua própria família. “É gratificante ver uma ideia que era só minha, sendo desenvolvida junto a uma equipe de profissionais que admiro e sendo exibida ao público ao lado de filmes de outros cineastas talentosos”, comemora Gabi.

Mas engana-se quem pensa que “Broken Hills” foi a primeira produção da atriz em Los Angeles. Em 2018, atuou ao lado do ator chileno Tomás Martic na peça em espanhol “Paisaje Marino con Tiburones y Bailarina”, que ficou em cartaz por um mês no The Broadwater Theatre em Hollywood e foi indicada ao Encore Awards. Antes da Califórnia, Gabi participou da peça “Killer Joe”, em São Paulo, na produção do clipe “One Last Time” do FTampa e da canadense Maggie Szabo, gravado em Los Angeles, além do famoso comercial da Pepsi com David Luiz para a copa do mundo.

Filme “Fora de Cena”

Trabalhando em território nacional, Gabi Spaciari começou a gravar em outubro de 2020 o longa-metragem “Fora de Cena”, ao lado de grandes nomes como Hugo Bonemer, Douglas Silva, Naruna Costa e Marcelo Menezes. A atriz afirma estar empolgada com o projeto, “estou muito feliz de estar ao lado de tanta gente talentosa e empenhada em fazer um filme especial. Apesar de morar fora, acredito muito no cinema nacional e em nossos artistas. Produzir e atuar aqui também é um desejo meu”, revela.

Em tempos de pandemia, a preparação para a personagem foi feita através da plataforma Zoom com Marcelo Menezes e as gravações estão sendo realizadas com toda a estrutura de segurança necessária durante o período delicado. “A gente vai sempre até certo ponto na preparação, a magia acontece mesmo no set. Eu tinha algumas coisas parecidas com a personagem, mas ela toma decisões muito diferentes das que eu tomaria. Tive que encontrar os porquês, e quando você se coloca no lugar do outro, você encontra o outro em si” conta sobre a personagem que viverá no cinema.

Vida de Artista

A trajetória artística está longe de ser fácil e mesmo assim foi surpreendente para Gabi. “Mesmo sendo muito pé no chão, não tinha ideia do tamanho das dificuldades que eu ia enfrentar. Não só as comuns de quem mora fora e tem que se virar, mas atuar em outra língua é muito desafiador”, conta. Para Gabi, a principal dificuldade da carreira é perseverar em meio às incertezas, inclusive a financeira: “Mesmo quando nada acontece, é preciso manter o trabalho” e para enfrentar os percalços, a artista entrou em processo intenso de produção. “Fui conhecendo pessoas e um projeto foi chamando o outro. É preciso ter consciência de que o aprendizado nunca acaba, saber o que você quer dessa experiência e ter paciência. Ainda tenho muito a consolidar”.

Por muito tempo, o cinema americano recebeu holofotes muito mais fortes que o cinema nacional. O quadro vem mudando, mas Spaciari ainda sente uma grande diferença, que diz não definir como melhor ou pior. “O principal sentimento que fica é que no Brasil ainda temos que lutar pelo direito de fazer cinema. Produzimos anualmente muito menos que Hollywood produzia quando começou”.

Futuro

Em menos de um ano, “Fora de Cena” foi o segundo longa de Gabi. Em novembro de 2019, a atriz esteve no Brasil gravando “Um Caso de Outro Mundo”, com direção de Henrique Sattin, estrelado por Nívea Maria, Glauce Graieb, Marcondes Lobo e outros grandes nomes. Ganhando cada vez mais espaço no cinema nacional, revela que pretende continuar no meio. Inspirada em atrizes renomadas como Marion Cotillard, Jessica Chastain, Margot Robbie e Nicole Kidman, os planos de carreira da atriz vão muito além do básico: “Tenho muita vontade de fazer filmes de ação e de época. Além disso, estou desenvolvendo o longa de ‘Broken Hills’, e outro curta para ser rodado no Rio de janeiro”, finaliza.

Atriz paranaense que mora nos EUA e já trabalhou como uber, está em filme nacional com Hugo Bonemer e Douglas Silva

Gabi em ‘Broken Hills’

sistemas@pr.comuniquese1.com.br