Líder ou RH, quem mantém o colaborador na empresa?

DB1 Cast aborda o tema controverso no Spotify do Grupo DB1

Líder ou RH, quem mantém o colaborador na empresa?
Afinal de quem é a responsabilidade de manter o colaborador na empresa? É do líder que atua com ele diretamente no dia a dia ou é do time de Recursos Humanos?

Afinal de quem é a responsabilidade de manter o colaborador na empresa? É do líder que atua com ele diretamente no dia a dia ou é do time de Recursos Humanos? Esse foi o tema abordado pelo mais recente episódio do canal voltado ao universo de desenvolvimento de software. 

DB1 Cast é o canal do Grupo DB1, formado por empresas brasileiras de tecnologia com escritórios no Brasil, Argentina e Estados Unidos, no Spotify que tem como objetivo sair da mesmice e trazer opiniões e assuntos provocativos.

Este episódio contou com a participação de Everton Emilio Tavares, arquiteto de software da DB1 Global Software, Renato Bitencourt, coordenador de implantação da DB1 Global Software, Edoil Rolim de Barros, gerente de portfólio de projetos da DB1 Global Software, e Nathalia Giovanna, analista de recrutamento e seleção do Grupo DB1. 

Para Nathália, manter o colaborador na empresa é um trabalho em conjunto. “É a experiência como um todo oferecida ao colaborador. Estou falando de Employer Branding. Não é só uma área específica, envolve gestão de pessoas e toda a estrutura da empresa. Eu vejo que é uma parceria muito forte entre uma liderança bem capacitada, consciente dos valores da empresa, e do departamento de RH, responsável pelas estratégias de gestão”.

“O quão atrativa uma marca é para o mercado e para quem está buscando emprego abrange não só os benefícios que são oferecidos em termos de salário, mas também em termos de carreira, crescimento profissional, oportunidades que a pessoa vai encontrar. São diversos fatores que acabam entrando nisso. É como a marca e a empresa são vistas no mercado enquanto empregadora”, conclui ela. 

Já Renato acredita que essa é uma função do líder. “Não só a função do gestor, do coordenador, da pessoa que está à frente, mas das pessoas que têm o comportamento de líder. São elas é que puxam essa retenção. A função varia de empresa para empresa, mas a tendência é que as empresas utilizem estratégias mais voltadas para a gestão 3.0, mais voltadas para as pessoas em forma de organismo. Porque se o ambiente não está legal, as pessoas não vão querer permanecer nele”. 

Para Everton, não tem como o RH, por maior que seja, conhecer todos os funcionários e acompanhar todos eles. “É preciso que o líder faça essa ponte e acione a área de Gestão de Pessoas quando necessário, e este time deve ser proativo e estar próximo aos líderes para poder demonstrar todas as ferramentas para a capacitação do gestor. É um trabalho em conjunto, mas a maior responsabilidade de estar próximo ao colaborador é do líder”.  

Edoil também concorda que é um trabalho em conjunto, “mas se eu fosse estipular um percentual, eu diria que 90% é responsabilidade do gestor atuando diretamente com seus liderados e 10% do RH, que é o responsável por traçar o caminho, estipular as diretrizes, e fornecer as ferramentas disponíveis.

Para escutar o episódio completo, acesse 

https://open.spotify.com/episode/4MmBYlDd19IXpUwVziLPJf

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Relacionados