Fraqueza genética da barreira da pele pode favorecer surgimento de doenças, aponta estudo

Segundo pesquisa publicada na revista médica Environmental Health Perspectives, mutação que causa déficit de proteína importante para barreira cutânea pode aumentar suscetibilidade aos danos provocados por substâncias químicas, ampliando o risco de doenças como câncer e dermatite atópica.

Fraqueza genética da barreira da pele pode favorecer surgimento de doenças, aponta estudoDiariamente, nós estamos expostos a agressores, como o sol e a poluição, e substâncias químicas, incluindo aquelas presentes em alguns cosméticos e produtos de limpeza, que podem comprometer a saúde da nossa pele. Mas, felizmente, o tecido cutâneo tem seu próprio mecanismo de proteção. “A epiderme, camada superior da pele, é constituída por proteínas como a queratina, que devido a sua resistência e impermeabilidade é responsável pela proteção da pele, e a filagrina, que tem como principal função agregar a queratina e outras proteínas na epiderme, sendo importante para a estrutura e o equilíbrio da hidratação da pele, assim afetando diretamente a função de barreira do tecido cutâneo”, explica a Dra. Roberta Padovan, médica pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética. Mas, de acordo com um estudo publicado em janeiro na revista médica Environmental Health Perspectives, variações genéticas das sequências de DNA da filagrina podem fazer com que algumas pessoas tenham uma barreira de proteção cutânea menos eficiente, o que as torna mais suscetíveis aos danos causados por substâncias químicas que podem colocar a saúde do tecido cutâneo em risco e favorecer o surgimento de doenças como câncer e dermatite de contato.

Para chegar nessa conclusão, os pesquisadores basearam os resultados em 23 pessoas com a mutação que causa déficit de filagrina e 31 pessoas sem a mutação, que tiveram suas peles expostas por quatro horas a uma dose inofensiva de três produtos químicos: um pesticida comumente utilizado na Suécia, um filtro UV usado na formulação de protetores solares e um hidrocarboneto encontrado em fumaças provenientes de madeiras. Após esse período, os estudiosos recolheram amostras de urina dos participantes para avaliar a velocidade de absorção dessas substâncias e a dose presente no organismo após a exposição. Com isso, os pesquisadores observaram que pacientes que possuíam a mutação causadora do déficit de filagrina absorveram uma maior quantidade dos componentes químicos. Para se ter uma ideia, os participantes com a mutação apresentaram uma dose duas vezes mais alta de pesticida no organismo do que as pessoas que não possuíam essa mutação. “O fato de a pele absorver uma quantidade maior de produtos químicos como resultado dessa variação genética pode significar que pessoas com essa mutação podem, a longo prazo, correr maior risco de desenvolverem doenças como câncer, dermatite atópica e até mesmo distúrbios hormonais”, destaca a especialista.

No entanto, ainda é preciso que mais estudos sejam realizados para investigar de que forma a mutação de filagrina afeta a absorção de outras substâncias químicas na pele. Felizmente, já temos conhecimento de uma série de cuidados que podem ser adotados até que mais pesquisas sejam realizadas para fortalecer a barreira de proteção da pele, como investir na realização de uma rotina skincare simples, composta por um sabonete, um tônico, um hidratante e um fotoprotetor. “Mas tome cuidado na hora de escolher os produtos, principalmente os sabonetes e tônicos, evitando aqueles que são abrasivos e removem excessivamente o manto hidrolipídico da pele, afetando assim sua função de barreira. Fique atento principalmente aos detergentes, como o Lauril Sulfato de Sódio, que retiram os óleos naturais e desequilibram o pH do tecido cutâneo, tornando a pele seca e mais suscetível aos danos externos. O mesmo vale para certos tipos de ácidos, como o Ácido Salícilico, que só devem ser utilizados sob recomendação médica por removerem as camadas mais superficiais da pele”, alerta a médica. No lugar, aposte em ingredientes que vão ajudar a reforçar a barreira da pele, como a Niacinamida. “A Niacinamida aumenta a produção de ceramidas, melhorando assim a função de barreira da pele. Os óleos vegetais também são uma excelente opção, já que, além de promoverem a reparação da barreira cutânea, ainda promovem ação calmante.”

Além disso, é interessante também investir em ativos e produtos que, apesar de não auxiliarem diretamente no fortalecimento da barreira da pele, vão ajudar a minimizar os danos causados por substâncias químicas e agressores externos. É o caso dos antioxidantes, como as Vitaminas A, C e E. “O uso diário de fotoprotetor também é uma das melhores maneiras de contribuir com a proteção da sua pele. O produto pode, inclusive, conter antioxidantes para proteger contra os raios nocivos do sol enquanto oferece uma proteção extra contra os agressores externos”, diz a Dra Roberta.

E os cuidados não devem se restringir apenas à pele propriamente dita. O controle do estresse, que retarda o processo de recuperação da barreira da pele, e a doação de uma alimentação adequada também são medidas fundamentais para não comprometer o tecido cutâneo. “Devemos ficar atentos até mesmo à temperatura do banho, pois a água quente pode remover excessivamente a oleosidade da pele e deixá-la desprotegida. Por isso, o ideal é tomar banhos curtos com água fria ou, no máximo, morna”, aconselha a médica. “No entanto, caso você note que sua barreira cutânea está muito comprometida, com a pele ficando sensível e irritada, o melhor é buscar ajuda de um profissional especializado, que, após uma avaliação, poderá indicar os melhores cuidados e produtos para recuperar a saúde do tecido cutâneo”, finaliza a Dra. Roberta Padovan.

FONTE: DRA. ROBERTA PADOVAN – Médica Pós-graduada em Dermatologia. Graduada em Medicina pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Medicina Estética e Dermatologia pela INCISA. Com participação regular em congressos, jornadas e cursos nacionais e internacionais, a médica é proprietária de duas clínicas, no Maranhão e em São Paulo, com diversos tratamentos para saúde e beleza da pele. Além disso, atuou como médica residente no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. www.robertapadovan.com.br

Estudo: https://ehp.niehs.nih.gov/doi/10.1289/EHP7310

(Holding)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS