Inadimplência em alugueis foi de 1,5% no primeiro bimestre em Curitiba 

Secovi-PR aponta que intermediação de imobiliárias nas negociações entre proprietários e inquilinos mantém taxa baixa; orientação é ter bom senso e equilíbrio para manter sustentabilidade

A inadimplência de aluguéis em Curitiba segue estável, com uma média de 1,5% no primeiro bimestre do ano. O dado faz parte do último levantamento realizado pelo Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), ligado ao Sistema Secovi/PR,  que aponta o volume de dívidas, com mais de 30 dias de atraso, nas locações em Curitiba.

O presidente do Inpespar e vice-presidente de Economia e Estatística do Secovi-PR, Jean Michael Galiano, conta que historicamente, a inadimplência na locação tem uma resposta diferente perante às dívidas nos demais setores da economia como cartões de crédito e serviços. A média do índice relativa ao primeiro bimestre de 2021 chega ser menor ainda do que a apurada nos anos anteriores. “Essa média em 2020 foi de 1,6% e em 2019 era de 2,3%”, conta.

Atuação das imobiliárias

Segundo o vice-presidente de Locação do Secovi/PR, Leonardo Baggio, desde o início da pandemia a entidade tem orientado as imobiliárias associadas a intermediar as necessidades dos envolvidos, prezando pelo bom senso e equilíbrio nas negociações. “Cada caso tem sido tratado individualmente pelas imobiliárias que tem atuado em um processo de conciliação, pois temos proprietários que dependem do aluguel para a sobrevivência, como uma “aposentadoria”, e do outro lado temos aqueles que tiveram sua renda comprometida”, explica. “Todos os argumentos precisam ser analisados, inclusive para manter a sustentabilidade e a continuidade das locações”, pondera.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS