A nova realidade educacional é o ensino superior sem barreiras

Rafaela Almeida é professora do Centro Universitário Internacional UNINTER

(*) Rafaela Aparecida de Almeida

Vivemos em uma sociedade em constante transformação, e as palavras em voga do momento são “tecnologias disruptivas” para as organizações e “resiliência” para os seres humanos. As evoluções que antes aconteciam em uma passagem de século agora levam décadas, anos, meses, e precisamos nos adaptar às novas tecnologias que surgem a todo momento.

Você provavelmente já ouvir falar em Marketing 4.0, Medicina 4.0, Indústria 4.0, o que significa que estamos vivendo a era do 4.0 que nada mais é do que a 4ª Revolução Industrial, aquela que é impulsionada por um conjunto de tecnologias disruptivas como robótica, inteligência artificial, realidade aumentada, big data, nanotecnologia, impressão 3D e a chamada internet das coisas. É importante frisar que essa revolução vai muito além da automatização e uso de tecnologias, ela nos reporta à uma sociedade informacional, pautada na comunicação e na construção do conhecimento. Uma sociedade altamente conectada em que barreiras físicas e de tempo deixaram de existir.

Em paralelo, o mundo vivencia um período pandêmico em que o uso da tecnologia informacional, da conectividade e do virtual foi acentuada e/ou acelerada de forma abrupta. O mundo se tornou uma grande rede conectada. Colaboradores saíram dos escritórios e passaram a trabalhar no modelo de Home Office. Estudantes do modelo de aula presencial perceberam que a tecnologia permitia a eles estarem conectados virtualmente com colegas e professores e que o limite do “espaço de lugares” já não existia mais. A sala de aula não estava mais presa a um espaço físico, ela pode agora ser “do tamanho do mundo” e a construção do conhecimento pode ser trabalhada em conjunto, a partir das experiências e vivências que – somadas – transformam saberes.

Esse novo cenário leva as Universidades em direção à Educação 5.0 que tem como características o desenvolvimento do pensamento criativo, a capacidade de adaptação a ambientes multiculturais, gestão do tempo, resolução de conflitos e situações problema, e o trabalho em equipe não mais limitado ao espaço físico, mas no qual a interatividade pode ocorrer simultaneamente entre alunos presentes fisicamente ou virtualmente na mesma sala de aula.

Outro ponto de destaque nesse novo modelo educacional que vem se desenhando é o uso de tecnologias digitais como suporte para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem. Sendo assim, smartphones, tablets, notebooks, aplicativos, softwares, makerspaces e plataformas tornam-se parte do processo de ensino e da construção conjunta do conhecimento, permitindo aulas mais interativas e dinâmicas.

É uma nova realidade educacional que se desenha, feita para aqueles que preferem o ensino remoto, mas também considerando aqueles que não se adaptam a esse modelo e preferem as aulas presenciais. É um novo modelo de ensino que considera alunos em sala de aula, presencialmente, mas também toda uma rede conectada em qualquer parte do mundo. É a tecnologia possibilitando o ensino híbrido ou telepresencial, uma nova modalidade de ensino onde alunos e professores formam uma rede altamente conectada, sem barreiras de tempo e de espaço.

(*) Rafaela Aparecida de Almeida é tutora do curso de Secretariado no Centro Universitário Internacional UNINTER

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns professora Rafaela, pelo excelente artigo. Como colegas nessa nova modalidade de ensinar, aprender e fazer, somos os protagonistas da nova história da educação. Fiquei muito feliz em ler seu artigo esclarecedor, aqui neste espaço. Sucesso menina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui