O segredo para alavancar o e-commerce são as tentativas via Growth Hacking

Alessandra de Paula (*)

Quem possui, ou pretende possuir um e-commerce para alavancar suas vendas, com certeza já leu ou ouviu falar sobre growth hacking, mas não entendeu seu significado ou, o que é pior, ficou sem saber da aplicabilidade do conceito em seu negócio. Como nem todos que possuem uma empresa voltada ao e-commerce são formados em Marketing, alguns termos e estrangeirismos empregados pelos profissionais da área são estranhos e nada dizem aos leigos.

Então, iniciando, procuramos a tradução de growth e encontramos “crescimento”. Quanto à palavra hacking, já mais popular, com origem em hacker, seu significado foi deturpado pelo uso que se fez dela. Afinal, hackers não são apenas os criminosos que invadem computadores e sistemas para se apropriarem de dados e informações secretas. Na realidade, são todas aquelas pessoas que possuem um grande conhecimento técnico de informática e de computação, cujo trabalho inclui o desenvolvimento e modificação de novos programas para equipamentos eletrônicos, reduzindo seu tamanho e aumentando a capacidade interna. Quando se unem os conceitos no termo growth hacking, significa a identificação de aspectos críticos e fragilidades da empresa.

Ao aplicar o conceito o que se pretende é o uso de determinadas ferramentas com vistas ao crescimento dos negócios por meio da identificação de possibilidades e alternativas. Para isso, usa-se o conhecimento, principalmente de ferramentas tecnológicas, para planejar estratégias e colocar em prática ações específicas voltadas a objetivos previamente definidos, a fim de se obter o crescimento da empresa. Ações com foco nesse objetivo, após as verificações prévias, são implementadas em bases concretas e dispensam os “achismos” ou a tomada intuitiva de decisões.

E qualquer pessoa pode executar esses procedimentos? Em tese, não. O ideal é que sejam planejados e executados por profissionais do Marketing, cuja formação os credencia para buscar o crescimento da empresa. Com essa parceria estabelecida, são definidos os objetivos da ação que visa o crescimento dos negócios e elaboram-se hipóteses a partir tanto do conhecimento que se tem sobre a empresa quanto do conhecimento dos profissionais. Na sequência, realizam-se experimentos e testagens para verificar se as hipóteses são verdadeiras. Por último são utilizadas ferramentas tecnológicas para a implementação da ação propriamente dita.

Uma ferramenta essencial e de fácil acesso para iniciar o trabalho é a Google Trends que possibilita, pela análise dos dados coletados, uma melhor compreensão das tendências de comportamento do consumidor. Ela fornece informações sobre os termos mais pesquisados, o que permite às empresas utilizar essas informações para alavancar novas ideias para seus produtos. Já o Analytics, também ferramenta do Google, facilita a análise dos dados e inclui informações sobre o número de visitas à página, bem como as taxas de rejeição (quando houver). Integrada a outras ferramentas, essa opção facilita o cruzamento de dados para resultados mais objetivos. E existe ainda o SEMrush que é prático e versátil, bastante popular, e que mostra tendências e palavras-chaves relacionadas à busca, o que agiliza a pesquisa.

Além dessas opções, há outras disponibilizadas em páginas de growth hacking que contribuem para potencializar resultados. Procure conhecê-las, esteja atento às demandas de seu e-commerce e, sobretudo, procure utilizar o conceito. Melhor ainda se puder contar com a ajuda de um profissional cujos conhecimentos específicos permitem selecionar as ferramentas mais adequadas para alavancar os resultados da sua empresa.

Alessandra de Paula

(*) Alessandra de Paula é professora da Escola Superior de Gestão, Comunicação e Negócios do Centro Universitário Internacional UNINTER

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui