Muro de Gerês

Paiva Netto

Estive várias vezes em Portugal, por força de minhas funções. País lindo, de gente acolhedora. Terra da nostálgica Amália Rodrigues (1920-1999), que Foi Deus quem levou, faz pouco tempo. Sempre gostei de ouvi-la cantando esse fado, ao som de guitarras afinadíssimas e chorosas. Por sinal, contam que não queria gravá-lo. Entretanto, reconsiderou, e seu sucesso foi imenso. Sorte para Amália! Isso me lembra outra história, a de que alguns artistas famosos de Hollywood se negaram a interpretar o papel principal de nada mais nada menos que Casablanca. Sorte para Humphrey Bogart!

Certa vez, a caminho de Braga, deliciando-me com a paisagem da Serra do Gerês, pude observar a sequência de muros de pedra, o que é comum na região. Uns eram pomposos, outros mais singelos. Até que surgiu aquele, gracioso, bem na curva, mas que, de tão pequeno, quase não podia ser visto. Estava lá, contudo, firme, cumprindo a sua função de não permitir que, num estreito espaço não preenchido, alguém distraidamente, talvez mesmo uma criança ou um idoso, caísse no precipício profundo. E quis, então, prestar-lhe uma homenagem, como a uma pessoa humilde, desconhecida na sua modéstia, que nem por isso deixa de, por Amor, cumprir o seu dever.

A um Muro Antigo

Na estrada de Gerês/para Braga,/existem muitos muros velhos…/Mas há um/antigo,/especialmente antigo, /bem na curva, /que à alma afaga… /Antigo como o Amor/e como as dores… /Tão pequeno… /mas nos faz sorrir/aos favores/de nos abrir, /à alma triste, /um prazer amplo, /de descobrir, /no seio do campo, /a beleza divinal das flores. /Enquanto outros/— grandes!… — /não têm a expressão/com que, /na sua pequenez, /fala ao coração. /Sim; /porque, se este/não é o maior dos órgãos/do corpo, /tudo sente/e tudo vê, /porque tudo vê/e tudo sente… /Eis seu escopo. /Oh! Muro pequeno, /pequeno Muro, /tão carregado de Vida! /Vida! /Vida! /como a hera/que cobre os teus lados, /feitos de pedra amolecida/e humanizada pelos anos, /muitos anos… /Ah! Muro antigo! /de pedra antiga… /A quantas histórias assististe!… /E do muito que ouviste, /conta-me um pouco. /E tas escutarei, /não de ouvido mouco, /de tantos viajantes, /que por aqui passam, /e não te veem… /Pois loucos laços/lhes turbam a mente… /E que oportunidade/perdem, /pois não te sentem/o canto dos séculos/acerantes. /Sim, porque a roda/roda… /E o que foi, /retorna adiante… /E, talvez, /Muro antigo, /antigo Muro, /os que são cegos/para não ver-te, /e surdos/para não ouvir-te, /tenham aprendido, /finalmente, /que, /para escutar/o lamento ou o cantar/da própria pedra, /é tão preciso, /morta a regra, /amar todos os amores/do Amor Divino…

Qual o recado do pequenino Muro de Gerês?

Este: em que é menor que um rei aquele que não foge à sua responsabilidade? Merece de todos nós o apoio e a distinção por persistir, com a sua honra, em viver a sua dignidade. A elite de um país é o seu povo.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui