Semana da Independência e marcada por alta volatilidade da Bolsa brasileira

O dito popular parece fazer jus ao mês de agosto quando a referência como mês do desgosto, esse é o sentimento por parte dos investidores em relação ao desempenho da B3.

Agosto foi um mês de muita volatilidade e quedas consecutivas do Ibovespa e a última semana do mês confirmo a tendência encerrando em 116.933 pontos. Tentando uma possível recuperação a primeira sexta feira de setembro encerrou positiva continuada na segunda-feira 06/09, porém as tensões com declarações do presidente Jair Bolsonaro em Brasília proporcionavam a  semana da independência muitas turbulências. E o feriado causou o mesmo, o mercado financeiro esteve bastante apreensivo com manifestações, passeatas e paralisações pro governo e seus desdobramentos, apesar de as manifestações terem sido pacíficas os  discursos inflamados do Presidente Jair Bolsonaro despertaram que o ataque ao Superior Tribunal Federal teria um impacto muito negativo, pois, somente o STF pode costurar, encontrar formas  para o pagamento da conta dos precatórios  que podem estourar o teto dos gastos repercutindo muito negativamente  e também atrapalharem o andamento das reformas.  Mas ainda assim ao que parece o Presidente Jair Bolsonaro foi a palco e discursou aos milhões de brasileiros com ataques ao STF. A repercussão de seu discurso e paralisação dos caminhoneiros refletiu muito negativamente e os ursos bateram com forças mesmo no Ibovespa afundando em mais de 4%. Visto a tempestade que ele mesmo teria instaurado e suas consequências recorreu à velha política estiando a bandeira branca “pedindo desculpas” através de uma carta com repercussão imediata por parte do mercado com alta do  Ibovespa  saltando 3% em questão de minutos.

Diversos foram os motivos para tal desempenho da bolsa B3 além da política interna, que descola totalmente do cenário externo, pois as altas e novas máximas, foram  confirmadas nas bolsas americanas.  Internamente o cenário político apresenta bastante incerteza e a questão a fiscal ainda é uma incógnita. O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do 2º trimestre teve variação negativa a 0,1% frente os três primeiros meses de 2021, diferente das expectativas do mercado que projetava alta de 0,2% da atividade econômica brasileira em relação ao primeiro trimestre.

Segundo os dados divulgados pelo IBGE, o agronegócio teve um resultado negativo (-2,8%) a indústria também obtive variação negativa de (-0,2%), os serviços que foram destaques e avançaram em 0,7% e esses resultaram foram os responsáveis pelo desempenho da economia no trimestre.  O desempenho das atividades industriais retrocedera diante de quedas de 2,2% na indústria de transformação e de 0,9% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto. As quedas se equilibraram com alta de 5,3% nas indústrias extrativas.

A demanda em expansão e a indústria de transformação em queda, efeitos da falta de insumos nas cadeias produtivas decorrentes do efeito COVID19. A indústria automotiva lida com a falta de componentes eletrônico e tem alguns dos setores parados e não consegue atender a demanda. A crise hídrica reflete seus efeitos a atividade de energia elétrica aumenta o custo da produção e faz aumentar o uso das termelétricas. Isso ajuda explicar o porquê de novas perspectivas corrigindo para alta da inflação (IPCA, conforme os dados divulgados pelo Banco central (BACEN) das expectativas do mercado financeiro através do Boletim Focus na última segunda-feira.

A inflação divulgada na semana passada veio bem salgada e acima das expectativas do mercado saltou para 0,87% em agosto impactando aumento  nas expectativas do acumulado dos 12 meses acima dos 9%. É certo que teremos aumento da taxa de juros podendo chegar a 6,75% e terminar o ano acima dos 10%  como forma de   combater a esta alta da inflação dos últimos meses.  Também o não cumprimento do teto da meta da inflação que é de 5,25% estipulada pelo banco central e a projeção do mercado está prevendo fechamento da Inflação em 8,4%.

O mercado também aguardava as diretrizes do cenário econômico internacional.

A Presidente do banco central europeu (BCE) Sra. Christine Lagarde, discursou sinalizando possível redução das compras de títulos do programa emergencial PEPP , injeção de euros mensal na economia que hoje  é de 80 bilhões e a presidente sinalizou uma redução não se sabe de quanto e nem quando. Para Lagarde a fase da recuperação da zona do euro esta cada vez mais avançada e ressaltou que a reabertura da economia na zona do euro em grande parte foi restabelecida as atividades.  O avanço da vacinação contra a Covid-19 da população local é de mais de 70% e o impacto da pandemia é menos severo uma vez que os consumidores estão gastando mais. Desacelerando a injeção de euros na economia europeia. Os juros continuam inalterados em 0% e -0,50%.

Os presidentes das duas maiores economias mundiais chinês e Americana também seguiram estiando bandeira branca e conversaram na última quinta-feira por telefone depois de 7 meses sem conversarem. A casa branca informou que a conversa foi muito produtiva e que o presidente Biden pediu que a competição entre às duas potencias não cause conflitos.

El Salvador se tornou o primeiro país a adotar uma criptomoeda a bitcoin como moeda oficial do país, mas essa decisão não foi bem aceita pela população salvadorenha e surgiram protestos contra o governo do presidente Naybi Bukele. Isso trouxe muita volatilidade para as criptos moedas que chegou a ter perdas de 20%, porém encerra a semana em recuperação.

Luiz Fernando Menegalli é Perito Economista e Analista de Investimento
luizmenegalli@gmail.com
@luizmenegalli

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui