Educação híbrida: o Brasil tem estrutura para mantê-la no cenário pós-pandemia?

Daiane Martins Batista (*)

Durante o ano de 2020, o Brasil e o mundo ficaram chocados e amedrontados diante da crise ocasionada pela pandemia da Covid-19, sendo necessário tomar inúmeras ações emergenciais para contê-la, entre outras, o isolamento e o distanciamento social, que atingiram diretamente os ambientes escolares. Estas ações impulsionaram a implementação da Educação Remota Emergencial, a fim de tentar minimizar os impactos do fechamento das escolas. Desde então, toda a comunidade escolar tem investido significativamente para o funcionamento deste novo modelo.

As expectativas de retorno presencial para o início de 2021 foram frustradas, dando espaço para a implementação da Educação Híbrida em alguns estados, mas de uma forma geral, a maior incidência de alunos ficou concentrada na educação remota. Escola, pais, professores e estudantes se desdobraram para que o processo de aprendizagem fosse mantido, com novas estratégias e possibilidades. Por outro lado, muitos permaneceram ansiosos com a possibilidade do retorno das aulas presenciais, haja vista a necessidade de “recuperar o tempo” perdido, na opinião de muitos.

Quanto às falhas de aprendizagem nas aulas remotas, vale uma reflexão, afinal, os estudantes que tiveram a oportunidade de estudar virtualmente, adquiriram outras competências, diferentes daquelas preconizadas inicialmente, mas fundamentais para o desenvolvimento integral do estudante do século 21, como o uso das tecnologias digitais e a autonomia. Isso, sem contabilizar as competências emocionais que foram desenvolvidas também nesse período.

No cenário atual, fala-se muito na implementação de uma Educação Híbrida no cenário pós-pandemia. Entretanto, segundo pesquisas, existe uma parcela significativa de estudantes brasileiros que não tem acesso à internet. Em um levantamento realizado pela UNDIME (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e pelo CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) foi identificado, que, 83% dos alunos das redes públicas vivem com renda per capita de até um salário mínimo e 79% deles têm acesso à internet. No entanto, para 46%, este acesso é apenas por celular, de uso do pai ou da mãe. Além disso, dois terços dos estudantes não têm computador em casa. Esses dados demonstram algumas das dificuldades que enfrentaremos para a implementação desse novo modelo, afinal, muitos não teriam a possibilidade de acesso, contrariando a determinação da Constituição Brasileira.

Para implementar uma educação híbrida no Brasil pós-pandêmico, serão necessários muitos investimentos estruturais, o que começa pela disponibilidade de acesso à internet, prosseguindo em construir um modelo que se aproxime do conceito original, mesmo porque, dar aulas presenciais e remotas ao mesmo tempo, dividindo-se entre falar para os estudantes em sala e para a tela, não pode ser denominada de educação híbrida.

Em um período que se cogita o retorno presencial de todos os alunos às escolas da Educação Básica, cabe um questionamento, afinal, a implementação de uma educação híbrida é a grande perspectiva para o período pós pandemia. Assim, pode-se afirmar que estamos tomando o caminho certo convocando crianças e adolescentes para frequentaram as aulas totalmente presenciais?

Considero que o caminho mais prudente seria o investimento em projetos que viabilizem a educação híbrida em todo o território nacional. De qualquer forma, o que podemos afirmar é que não devemos voltar às práticas pré-pandemia, pois tivemos muitos avanços, que precisam ser reavaliados e validados de acordo com o novo cenário proposto.

*Daiane Martins Batista, Teóloga, Pedagoga e Mestranda na área da Educação, Professora da Área de Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui