Cirurgia de retirada da prótese de silicone cresce 33% no Brasil

Cirurgião plástico registra aumento de 80% pela técnica nos últimos seis meses

Dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) mostram que o procedimento de retirada de próteses de silicone cresceu 33% no Brasil de 2018 para 2019, segundo últimos dados divulgados. Nos Estados Unidos, a busca pelo explante também registra crescimento de 15%. A retirada do silicone entrou na lista das 20 intervenções estéticas mais procuradas: há 10 anos, nem era mencionada.

O médico cirurgião plástico Bruno Legnani registrou em seu consultório um aumento de 80% na busca pelo explante nos últimos seis meses. “Em março, já percebemos um aumento de 80% na busca pela retirada das próteses e, ao longo do ano, esse número só cresce”, afirma.

O médico explica que a busca pelo procedimento se dá, muitas vezes, pela paciente ter uma visão estética diferente de si mesmo da época que fez a cirurgia. Algumas relacionam também sintomas como olhos secos, perda de memória, enxaqueca, fadiga extrema, falta de ar, dor muscular e desenvolvimento de doenças autoimunes com o uso das próteses.

Legnani lembra que os sintomas podem ou não estar relacionados com as próteses. “Têm pacientes que sentem grande melhora após o explante e outras continuam com os sintomas”, explica. Por isso, o médico alerta para a importância de manter os exames em dia e investigar possíveis causas para esses sintomas.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica explica que existem dois problemas relacionados aos implantes: um é a síndrome de ASIA, que consiste no desenvolvimento de doenças autoimunes como resultado de exposição a adjuvantes – que podem ser vacinas, implantes de silicone ou outros fatores. “Ela pode incidir em pessoas com predisposição genética a doenças autoimunes e o silicone ser o fator de desenvolvimento da doença”, explica. Outra é a Breast Implant Illnes (BII), conhecida pela doença do silicone: um conjunto de sintomas sistêmicos autorreportados por pacientes, como sintomas inflamatórios, articulações, pele, fadiga, alterações visuais, depressão, entre outros. A SBPC afirma que não existem exames para diagnosticar a BII e dados científicos não permitem concluir relação direta do BII com implantes de silicone.

Os implantes de mama não são eternos e a indicação é um acompanhamento médico periódico. “Em média, as pacientes ficam por 10 anos com a prótese antes da necessidade de troca ou explante, mas há casos de próteses com mais de 20 anos no organismo”, explica. As indicações para troca ou explante podem ser a contratura capsular, seroma tardio, mastite, processo autoimune (ASIA) ou ainda desenvolvimento de Linfoma da cápsula dos implantes (ALCL).

Legnani lembra que para a realização do explante é preciso procurar um profissional que faça a retirada da prótese “em bloco”, ou seja, além da prótese, retire toda a capsula formada naturalmente em volta delas. “Esse procedimento é extremamente importante para eliminar os vestígios do silicone no corpo, principalmente para as pacientes que desconfiam da ASIA ou BII”, alerta.

A cirurgia do explante, muitas vezes, pode ser acompanhada da mastopexia – lifting ou elevação das mamas. “Com o passar do tempo, acontece a queda natural das mamas e, no explante, ainda existe a falta do silicone que preenche o seio, por isso grande parte dos procedimentos são acompanhados da mastopexia. “É possível também fazer o preenchimento do seio com a lipoenxertia – cirurgia plástica que usa a gordura do próprio paciente para remodelar uma região do corpo ou preencher áreas que sofreram perda de volume”, explica.

O médico lembra que manter os exames em dia e consultar o cirurgião plástico anualmente é essencial para acompanhar a qualidade das próteses. “Toda cirurgia deve ser realizada dentro de um hospital, por um cirurgião plástico registrado na Associação Brasileira de Cirurgia Plástica (ABCP)”, finaliza.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui