Das gangues ao hip-hop: a cultura juvenil como aliada no combate à violência

(*) Maria Emília Rodrigues

Nos anos 1970, os países capitalistas centrais atravessavam por uma crise econômica que adquiriu contornos dramáticos na cidade de Nova York, porque somou-se a uma crise fiscal local. Além disso, os Estados Unidos enfrentavam as perdas humanas e financeiras da Guerra do Vietnã, e as utopias da década anterior pareciam ter-se esvanecido. O desemprego, junto a cortes orçamentários em serviços públicos essenciais, teve como consequência o aumento da pobreza, criminalidade e abuso de drogas, atingindo principalmente os bairros habitados por populações predominantemente negras e latinas.

Neste contexto, os jovens buscavam na formação de gangues de rua pertencimento, autoafirmação, e um meio de garantir segurança pessoal e de suas comunidades. As gangues promoviam crimes como roubos e assaltos, e também intensas rivalidades entre si, não raro ocorrendo brigas e mortes violentas, resultando em uma espécie de guerra civil não declarada. Elas dominavam várias regiões da cidade, com algumas chegando a contar com milhares de membros.

No documentário Rubble Kings, de 2015, há relatos de como a situação era desoladora no Sul do Bronx. A região sofreu os impactos de um projeto urbano mal sucedido que instalou uma via expressa em meio às habitações, sem considerar as pessoas que ali viviam. Assim, muitos habitantes abandonaram o bairro, resultando em prédios vazios e incêndios criminosos. Os moradores que restaram tiveram de conviver com a escalada da violência e da pobreza, em um cenário que se assemelhava às imagens de cidades europeias devastadas após a Segunda Guerra.

E foi justamente nesse local que floresceu um dos movimentos culturais mais expressivos das últimas décadas, o hip-hop. O movimento surgiu a partir de acordos de paz firmados entre líderes de gangues que perceberam que suas ações se dirigiam contra eles próprios, sua classe social e etnia, e não ao combate àquela situação. Gangues até então rivais passaram a promover festas e encontros em “território inimigo” como forma de selar a paz e garantir a diversão em locais que não possuíam nenhum tipo de lazer ou espaço cultural fornecidos pelo poder público.

Desta forma, a rivalidade passou a ser expressa em desafios de dança e batalhas de rima. E a “ocupação” do território, pelo artista que conseguia deixar sua marca através do grafite. A revolta foi canalizada em poesia e música (o rap) denunciando o racismo, a violência policial, as desigualdades sociais e a marginalização da população pobre. A própria Guerra do Vietnã foi alvo de crítica: parte dos movimentos da dança break representam metralhadoras, helicópteros, soldados sendo alvejados, e os veteranos que retornavam ao país mutilados.

O hip-hop promoveu uma cultura de paz e ofereceu novas perspectivas à juventude negra e periférica, além de contar com membros ativos em projetos sociais. A partir dos anos de 1980, o movimento se difundiu em diferentes países, incluindo o Brasil. Embora a indústria cultural tenha se apropriado em muito de seus elementos, o movimento se mantém atuante em seus propósitos e características originais em diversas comunidades e artistas independentes. E é um exemplo sobre como a arte e a cultura são fundamentais.

Maria Emília Rodrigues. Mestra em Sociologia, professora da área de Humanidades, do curso de Sociologia do Centro Universitário Internacional Uninter

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui