Do Blues ao Rock, Academia do Rock comemora 10 anos de atividades com franquias e plano de expansão 22

A Academia do Rock, completa em dezembro, 10 anos de atuação. De uma brincadeira com os filhos de montar uma banda de rock em casa, e pela falta de escolas especializadas, viu uma oportunidade latente de negócios.

Marcelo Freitas

Na época não era o primeiro negócio do empresário curitibano Marcelo de Freitas. Proprietário de uma agência de viagens e de uma agência de comunicação digital, viu na criação da escola de música voltada ao ensino do Rock´n Roll, além de uma novidade de mercado, uma satisfação pessoal. “Somos a primeira escola de música do Brasil com foco no Rock e na época, com certeza, gerou estranheza e dúvidas pois vivíamos no período que o Sertanejo estava em alta. Me chamaram de louco, mas eu segui em frente”, lembra Marcelo.

A Academia do Rock ensina guitarra, violão, baixo, bateria, gaita de boca, piano, teclado e canto. “Acreditamos que aprender a tocar música quando realmente se gosta do estilo é um grande incentivo”, ressalta Marcelo. Muito dos alunos da escola entram com o propósito de fazer parte de uma banda, e com o método da Academia do Rock, aprendem a trabalhar em equipe, assumir compromissos e aceitar os desafios, com isso, desenvolvendo criatividade e autoestima.

Nesses dez anos de atividade, a Academia do Rock passou por algumas crises que impactaram em muito no crescimento do empreendimento, entre elas a crise econômica de 2014 e a pandemia vivenciada em 2020 e 2021. Mesmo assim, hoje a empresa conta com franquias espalhadas em Campinas, São Paulo, Santo André, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e em breve em Vitória (ES), e Porto Alegre (RS).

Desde a inauguração, somente em Curitiba, já passaram mais de 2 mil alunos, das mais diversas idades. “Nosso público é variado. Temos a criança que gosta do rock, quer aprender um instrumento até o adulto, empresário, que busca na escola e nas aulas de rock, uma forma de desestressar do dia a dia. O quadro de alunos da terceira idade, que buscam aprender o rock, por gostarem do estilo ou de um ídolo em específico ou apenas para acompanhar os netos e filhos vem crescendo”, explica Marcelo. “Não tenho dúvidas que impactamos a vida das pessoas de forma positiva, pois música é forma de expressão, fonte de alegria, bem-estar e a realização pessoal”, complementa Marcelo.

Nesses dez anos Marcelo acredita que a Academia do Rock ganhou expertise. “Aprimoramos nosso método, os eventos e sistemas. Entramos hoje na adolescência com a irreverência do Rock, aliando a gestão profissional e compromisso com o sucesso dos nossos franqueado e alunos”, exalta.

E os planos não param por aí. Para 2022 mais quatro unidades da Academia do Rock estão previstas, sendo três delas no Estado de São Paulo e uma no Rio de Janeiro. “Vamos também lançar o plano de conversão de bandeira com foco em outras escolas que queiram fazer parte da rede em outros estados”, pontua. Afinal de contas, o Rock´n Roll surgiu no período pós-guerra na década de 1950 e foi uma arma fundamental para combater a guerra e o preconceito, “a Academia do Rock tem a missão de não deixar o Rock morrer”, enaltece Marcelo.

Para comemorar os 10 anos de inauguração, alguns eventos estão programados em São Paulo, Campinas, Santo André e São Caetano. Em Curitiba a comemoração acontecerá no Hard Rock Café, com a apresentação de 45 bandas de alunos no maior Rock Hour promovido pela escola e o primeiro pós pandemia.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui