Muito mais que um atleta: Lebron

Lebron
Keith Allison from Hanover, MD, USA, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, através da wiki Wikimedia Commons

Houve um tempo em que LeBron James era mais conhecido por ser o maior receptor de ódio no universo da NBA. Ele tinha acabado de anunciar a sua decisão de deixar o Cleveland Cavaliers pelo Miami Heat na televisão, ao vivo e após vários meses jogando com a sensibilidade dos seus fãs de Ohio natal. Isso foi há uma década, e LeBron transformou toda essa negatividade em apenas um resíduo do passado.

O astro de Los Angeles Lakers está jogando a sua 19ª temporada na NBA com o mesmo objetivo de sempre: conquistar mais um ringue e ampliar ainda mais a sua presença como jogador de basquete, uma pegada que lhe permite ser muito mais do que um mero desportista. Os Lakers são uns dos favoritos do basquete em qualquer site de apostas esportivas.

A sua figura ainda desperta ódios, mas esse ódio cruzou o plano esportivo para aterrissar no plano social e político. Hoje, LeBron é o melhor jogador da NBA pelo que conquista na pista, mas acima de tudo ele é o número 1 pelo que representa fora dela. O ex-presidente do país, Donald Trump, e os seus apoiadores, por exemplo, não perdem a oportunidade de dizer a ele “cale a boca e drible”.

James conseguiu navegar pelas mudanças sociais do século 21 melhor do que qualquer outro jogador para se tornar o atleta com mais influência e voz em questões que afetam a vida cotidiana fora das quadras. “Você achou que eu ia calar a boca? Sim, claro”, LeBron partilhou nas suas redes sociais, a ferramenta que mais utiliza para partilhar as suas ideias. Sobre os ataques à sua pessoa e aos seus ideais, o atleta que não se cala, conclui: “Por isso não nos devemos dedicar apenas aos esportes”.

A ‘23’ é uma multinacional de caráter social. Obviamente, continua a celebrar milhões de contratos esportivos e publicitários, mas a sua principal missão é continuar encestando para continuar o seu trabalho como ícone sem fronteiras. “Estou inspirado por figuras como Muhammad Ali, Bill Russell, Kareem Abdul-Jabbar e Oscar Robertson, aqueles caras que se levantaram em tempos ainda piores do que são hoje”, disse LeBron ao The New York Times. “Espero que algum dia as pessoas me reconheçam não apenas pela maneira como jogo o basquete, mas por como eu encarei a vida como afro-americano.”

Há alguns meses, LeBron lançou a organização política ‘More Than a Vote’ que liderou as campanhas de informação sobre o voto nos Estados Unidos e recebeu o apoio, entre outros, da família Obama. A sua iniciativa contribuiu para os resultados históricos em estados como Geórgia ou Wisconsin, tradicionalmente republicanos, que deram a presidência ao candidato democrata Joe Biden e tiraram o Trump, peleado com a NBA e os seus jogadores ao longo do ano 2019, da Casa Branca.

A sua campanha a favor do voto lembra, pelo lema, outra das mensagens-chave que LeBron tem enviado nos últimos cinco anos: ‘Sou mais que um atleta’. O seu ‘mais do que um atleta’ lembra inevitavelmente o ‘Mais do que um clube’ de que o Barça presumiu há alguns anos. A frase o levou aos tribunais por causa de uma disputa sobre direitos de exploração: até seis dessas palavras universais podem ser a causa da luta econômica na nossa sociedade.

Esse “mais do que um atleta” representa a última fronteira para LeBron em seus esforços para passar um mundo melhor para as gerações futuras. “Tenho visto o LeBron amadurecer e evoluir como indivíduo, atleta e líder. Ele aproveitou todas as oportunidades que teve para fazer coisas pelos outros”, disse Abdul-Jabbar, uma das suas referências, em uma entrevista à revista TIME, que o proclamou como ’‘ Atleta do ano 2020 ’.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui