Dieta cetogênica, com baixíssima ingestão de carboidratos, pode ser útil para o câncer no cérebro?

Estudo da Neurology, revista médica da American Academy of Neurology, destaca que a dieta cetogênica pode valer a pena para pessoas com tumores cerebrais, já que é segura e viável, mas o estudo não foi desenhado para determinar se a dieta poderia retardar crescimento do tumor ou melhorar sobrevida

Dieta cetogênica, com baixíssima ingestão de carboidratos, pode ser útil para o câncer no cérebro?Descobrir qualquer tumor pode ser uma notícia dura de digerir, mas uma das primeiras dúvidas que surgem é com relação à dieta, afinal, muitos pacientes sentem-se motivados a assumir o controle e ajudar em pelo menos algum aspecto de seu tratamento. “Uma das dúvidas mais comuns é com relação a qual dieta seguir, para ajudar a frear o crescimento das células tumorais e melhorar a resposta do tratamento”, explica o Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA). Recentemente, um estudo publicado em julho na Neurology, revista médica da American Academy of Neurology, avaliou a segurança da dieta cetogênica, rica em gordura e pobre em carboidratos. “O pequeno estudo demonstrou que a dieta era segura e viável para pessoas com tumores cerebrais chamados astrocitomas, que poderiam ser de baixo grau ou alto grau. Não há tratamentos curativos para esses tipos de tumores cerebrais e as taxas de sobrevivência são baixas, portanto, quaisquer novos avanços são muito bem-vindos. Todas as pessoas haviam completado o tratamento de radioterapia e quimioterapia. A dieta levou a mudanças no metabolismo do corpo e do cérebro, mas o estudo não foi desenhado para determinar se a dieta poderia retardar o crescimento do tumor ou melhorar a sobrevida, apenas para determinar a segurança, viabilidade e mudanças no metabolismo tumoral”, destaca o médico.

Segundo a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia, nessa dieta, o corpo muda o que usa para obter energia – em vez de carboidratos, usa o que se chama cetonas. “Fisiologicamente falando, faz sentido diminuir o apetite através da produção dos corpos cetônicos, mas a prática traz efeitos colaterais relevantes e não deve ser iniciada sem o acompanhamento de um especialista. As refeições nessa dieta geralmente contêm proteínas de alto valor biológico, consumo de gorduras saudáveis e quantidades muito restritas de carboidratos complexos”, explica a médica. “As células cancerosas dependem, em parte, da glicose e frutose, e de seu metabolismo, para se dividir, crescer e se manterem viáveis. Como a dieta cetogênica é pobre em açúcar, as células cerebrais normais poderiam sobreviver com cetonas, mas a teoria é a de que as células cancerosas não podem usar cetonas como energia e dependeriam de outras formas para sobreviver, no entanto, é absolutamente improvável que sozinha a dieta cetogênica seja útil no tratamento, assim como não temos qualquer evidência hoje de que compense sugerir este tipo de dieta para pacientes que tratam um tumor cerebral”, explica o Dr. Gabriel.

O estudo envolveu 25 pessoas com astrocitomas. Eles seguiram um tipo de dieta cetogênica, a dieta modificada de Atkins com jejum intermitente, por oito semanas, mas foram bem acompanhados. A dieta inclui alimentos como bacon, ovos, creme de leite, manteiga, vegetais de folhas verdes e peixes. Os participantes se encontraram com um nutricionista no início do estudo e, em seguida, a cada duas semanas. Cinco dias por semana, eles seguiram a dieta modificada de Atkins, que combinava restrição de carboidratos com grandes quantidades de gorduras. Eles jejuaram dois dias por semana, comendo até 20% da quantidade de calorias diárias recomendada.

O principal objetivo do estudo era verificar se as pessoas eram capazes de seguir a dieta sem efeitos colaterais graves. Um total de 21 pessoas completaram o estudo e 48% seguiram a dieta completamente, de acordo com seus registros alimentares. Mas os testes de urina mostraram que 80% das pessoas atingiram o nível em que seu corpo estava usando principalmente gorduras e proteínas como combustível, em vez de carboidratos. “A dieta foi bem tolerada, no geral. Duas pessoas tiveram efeitos colaterais graves durante o estudo – uma não estava relacionada à dieta e a outra possivelmente estava relacionada”, diz o médico.

No final do estudo, foram observadas alterações no metabolismo do corpo e do cérebro. Segundo o estudo, os níveis de hemoglobina A1c, os níveis de insulina e a massa gorda corporal diminuíram. A massa corporal magra aumentou. “Varreduras cerebrais especializadas que detectam mudanças nos metabólitos cerebrais mostraram um aumento nas concentrações de cetonas e mudanças metabólicas no tumor. É claro que mais estudos são necessários para determinar se essa dieta pode prevenir o crescimento de tumores cerebrais e ajudar as pessoas a viver mais, mas esses resultados mostram que a dieta pode ser segura para pessoas com tumores cerebrais e produzir mudanças no metabolismo do corpo e do cérebro com sucesso. Uma limitação do estudo é que os membros da equipe do estudo proporcionaram um grande contato com os participantes, o que pode não ser viável em um estudo maior ou em cuidados clínicos de rotina”, finaliza o Dr. Gabriel.

FONTES:

*DR. GABRIEL NOVAES DE REZENDE BATISTELLA: Médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA). Formado em Neurologia e Neuro-oncologia pela Escola Paulista de Medicina da UNIFESP, hoje é assistente de Neuro-Oncologia Clínica na mesma instituição. O médico é o representante brasileiro do International Outreach Committee da Society for Neuro-Oncology (IOC-SNO).

*DRA. MARCELLA GARCEZ: Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui