Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos, ter mais economia e organização no projeto

Confira um guia com dicas essenciais do arquiteto Bruno Moraes

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Cada detalhe deve ser pensado para contribuir com a economia financeira e de recursos |
Projeto Bruno Moraes Arquitetura e foto de João Olivers

Todo início de projeto de arquitetura, seja residencial ou comercial, representa um momento de entusiasmo. Os clientes geralmente têm muitas ideias, mas que nem sempre poderão ser realizadas da forma pensada, tendo como base o orçamento real. Assim, o dilema expectativa x realidade pode acabar pesando no bolso, caso não seja feito um planejamento correto, além da inclusão de uma série de cuidados antes, durante e depois da obra. Hoje, o arquiteto Bruno Moraes, do escritório que leva seu nome, vai abordar o tema a partir de suas experiências profissionais, para ajudar quem vai construir ou reformar. Confira!

Abrindo o jogo

Desde o início, uma recomendação importante é que o cliente comunique qual é o valor que ele está disposto a gastar naquela obra específica. “Afinal, como adivinhar se iremos ultrapassar ou não o budget se o cliente não tem essa liberdade com o escritório de arquitetura? É lógico que no final de todo o processo, o cliente vai acabar abrindo o quanto ele pretendia gastar. Porém, se isso for compartilhado desde o começo, as chances de não estourar o orçamento são bem maiores”, aconselha Bruno. Dessa forma, os profissionais irão trabalhar em cima do orçamento verdadeiro, de forma mais assertiva, modelando o projeto e as condições de obra.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Ter os gastos sempre na ponta do lápis é ideal para evitar dores de cabeça no futuro
| Crédito da Imagem: Pexels – Rodnae Productions

Planejamento

Um bom planejamento é a base para um projeto mais econômico. Nessa fase inicial não se pode ter pressa, pois isso se refletirá em atrasos no futuro. “Para se ter uma ideia, no meu escritório levamos quase metade do mês apenas montando o planejamento para o início das obras. Então, levantamos item por item do que será executado. Por exemplo, se for preciso quebrar a parede da cozinha, então temos que considerar: quantos metros serão quebrados? quantos sacos de entulho teremos que comprar? qual o tamanho de caçamba necessária? Com todos esses dados a mão, ao invés da obra demorar oito meses, é possível reduzir para até metade do tempo”, estima Bruno.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Projeto residencial do escritório Bruno Moraes Arquitetura | Foto: Luis Gomes

Inclusive, a parte da decoração, vista como o momento final do processo, a “cereja do bolo”, também precisa ser pensada bem antes. “Desde a colocação de um tapete até a compra um vaso decorativo, tudo precisa ser listado com os valores certos. Para que no final, o caixa seja suficiente para pagar tudo”, conta Moraes. Por isso, é importante contratar um escritório que tenha essa expertise para montar um planejamento de fluxo de caixa e de cronograma para a obra.

Projeto detalhado

Muitas pessoas entendem que o projeto de arquitetura pode ser somente um layout com imagem 3D. Porém, quando isso vai parar na obra propriamente dita, não há informações suficientes para seguir. “Tenho uma situação recente, em que um cliente nos contratou somente para executar a obra, mas o projeto veio de outro escritório. O problema é que faltavam várias informações importantes para realizarmos um trabalho adequado. Assim, tivemos que fazer um complemento desse projeto, pois não tinham dados essenciais sobre a luminotécnica, por exemplo”, conta Bruno.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Um projeto repleto de informações é essencial para manter a saúde financeira | Projeto Bruno Moraes Arquitetura e foto de João Olivers

Assim, para quem quer manter o orçamento sob controle, é importantíssimo contar com uma equipe que realize a execução da obra seguindo todas as especificações. É como uma receita de bolo, em que ingredientes ou dose diferentes podem mudar completamente a receita. “Por isso, analise bem o escritório que você está contratando, pois a qualidade e a transparência do projeto irão determinar os seus gastos futuros. Afinal, o barato pode sair caro”, alerta o arquiteto.

Cronograma bem definido

Antes de iniciar o trabalho pra valer, é essencial que todos tenham um cronograma e saibam o que vai acontecer em cada dia da obra. Portanto, não adianta calcular “por cima” quando ocorrerá cada atividade, pois isso vai gerar atrasos na certa. Por exemplo, se a entrega do piso está prevista para o dia 3, mas só foi entregue no dia 5, então há dois dias de atraso. Assim, a equipe terá que se reorganizar para ajustar os novos prazos.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Cronograma dos projetos fixado na parede | foto de João Olivers

Quanto maior o atraso, maior o gasto. “Imagine que o cliente esteja morando em outro imóvel temporariamente enquanto a obra ocorre. Portanto, ele pode estar pagando aluguel e condomínio dobrado nesse período. Ou, se é um projeto comercial do qual o proprietário depende para sobreviver. Além disso, quanto mais tempo passar, maior será o gasto com honorários dos profissionais, com o gerenciamento da obra, com contas de água, luz, etc”, afirma Moraes.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Projeto residencial do escritório Bruno Moraes Arquitetura | Foto: Luis Gomes

O arquiteto indica uma ferramenta muito útil para conseguir organizar tudo. “Nós montamos todos os cronogramas do nosso escritório no Project, do Microsoft Office. Dessa forma, compartilhamos com os clientes toda semana o que está acontecendo. Assim, se houver algum atraso, eles estarão cientes disso. Inclusive, o programa faz uma simulação dos próximos passos até o final da obra, com base nas mudanças e imprevistos ocorridos durante o processo” diz o profissional.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
O arquiteto Bruno Moraes, em seu escritório de arquitetura,
durante o planejamento de projetos l Divulgação

Gerenciamento de Obra

A falta de gerenciamento e fiscalização é uma reclamação constante dos clientes. Um dos casos mais comuns ocorre quando o pedreiro ou pintor costuma pedir repetidamente para comprar os materiais, ao invés de solicitar tudo de uma vez, por meio da organização de sua equipe. “Se o gerenciamento correto tivesse sido feito, com certeza esse tipo de incômodo não chegaria até o cliente. Agora, possivelmente, ele terá que ir várias vezes até a loja, ou agendar mais entregas até o endereço da obra, gerando gastos de tempo e dinheiro. Além disso, é importante comparar os preços dos materiais em diferentes locais antes de sair comprando na correria. Ainda mais no cenário atual, em que houve aumento em diversos itens”, conclui Bruno.

Obra na ponta do lápis: como não estourar os gastos,  ter mais economia e organização no projeto
Fiscalizar o andamento da obra, além de ficar atento às quantidades de materiais de construção que serão utilizados, evita compras desnecessárias e desperdício de recursos | Projeto Bruno Moraes Arquitetura e foto de João Olivers

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui