Cartórios registram o segundo janeiro mais mortal da série histórica no Paraná

No mês que marcou avanço dos casos causados pela variante ômicron no estado, número de óbitos foi o segundo maior da série histórica, desde 2003, e mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentaram mais de 77%

morte
Foto de formulário PxHere

O aumento de casos de Covid-19 causados pela variante ômicron e seus diferentes reflexos no organismo humano pode ser uma das explicações para o segundo maior número de óbitos registrados pelos Cartórios de Registro Civil paranaenses em janeiro de 2022, com aumento de mais de 77% nos falecimentos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), em comparação ao mesmo mês de 2021.

Em janeiro de 2022 foram registrados 7.451 óbitos no estado, enquanto em janeiro de 2021 houveram 7.782 mortes, um recuo de 4,2% no total de falecimentos. Já na comparação com 2020, o Paraná registrou um aumento de 28% em relação a janeiro daquele ano, que totalizou 6.063 óbitos, ainda antes do início da pandemia no país. Já as mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) passaram de 27 em janeiro de 2021 para 48 neste ano. Em 2020, antes da pandemia, foram cinco mortes pela doença.

Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil (https://transparencia.registrocivil.org.br/inicio), base de dados administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/BR), abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos 7.658 cartórios de registro civil do país — presentes em todos os 5.570 municípios brasileiros -, e cruzados com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que utilizam como base os dados dos próprios cartórios brasileiros.

Outro dado observado pelos números de óbitos registrados pelos cartórios paranaenses está relacionado ao crescimento de mortes por doenças do coração em janeiro deste ano na comparação com o primeiro mês do ano passado: AVC (29%), Causas Cardiovasculares Inespecíficas (17%) e Infarto (3%). Também registraram crescimento as mortes por Pneumonia (47%) e Septicemia (13%). Já os óbitos por Covid-19 tiveram redução de 65% no período.

“O Portal da Transparência do Registro Civil é um importante aliado para se ter dimensão da pandemia de Covid-19 e suas consequências na população. Além de os Cartórios de Registro Civil demonstrarem sua atuação no dia a dia ao prestarem serviços de cidadania, ainda contribuem para que outras medidas sejam tomadas, a fim de colaborar com o bem-estar da população em geral”, destaca Mateus Afonso Vido da Silva, presidente do Instituto do Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado do Paraná (Irpen/PR).

Mortes violentas cresceram

Apesar de o total de mortes em janeiro de 2022 no Paraná ter diminuído 4% e os falecimentos por mortes naturais — aquelas causadas por doenças — também caírem 9%, as mortes por causas violentas — aquelas em razão de homicídios, acidentes de veículos, suicídio, entre outras — aumentaram 75%, o que mostra que a diminuição do isolamento eleva os índices de óbitos em razão de acidentes e crimes.

O número de óbitos registrados nos meses de 2022 ainda pode vir a aumentar, assim como a variação da média anual e do período, uma vez que os prazos para registros chegam a prever um intervalo de até 15 dias entre o falecimento e o lançamento do registro no Portal da Transparência. Além disso, alguns estados brasileiros expandiram o prazo legal para comunicação de registros em razão da situação de emergência causada pela COVID-19.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui