Dia da Mulher: Fatores hormonais influenciam o risco de doenças cardiovasculares nas mulheres

Menopausa, menarca, gestação e outras condições femininas podem ser um fator protetivo ou de risco para as cardiopatias

Em todo o mundo, incluindo o Brasil, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte, tanto em mulheres quanto em homens. Entre elas, segundo informações da Sociedade Brasileira de Cardiologia, essas doenças já representam 30% do total de mortalidade, principalmente acima dos 40 anos.

A cardiologista Dra. Bruna Loise Mayer, do Hospital São Vicente Curitiba, explica que enquanto as mulheres estão em idade fértil, o estrogênio, principal hormônio sexual feminino, tem um efeito protetor no coração. Mas, com a queda dele após a menopausa, o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares acaba se tornando maior nelas do que nos homens.

“Isso ocorre porque a queda desse hormônio provoca uma distribuição diferente no metabolismo dos lipídios, dos açúcares, das gorduras, que acabam se depositando em lugares diferentes do organismo. Nessa fase, as mulheres ficam com uma resistência maior à insulina, tem maior rigidez arterial, o que eleva o risco de hipertensão, diabetes, colesterol e outras doenças que são os fatores de riscos clássicos para as doenças cardiovasculares”, explica.

Contudo, outras características femininas individuais também podem influenciar na saúde do coração. O cardiologista clínico do Hospital São Vicente Curitiba, Dr. Leandro Vasconcelos relata que mulheres com a menarca antes dos dez anos ou após os dezessete anos, que tiveram pré-eclâmpsia ou diabetes gestacional têm maior risco de desenvolver uma doença cardiovascular na vida adulta. “Mas, a amamentação parece ter um efeito protetor”, complementa.

Muitas mulheres ainda não sabem que o risco de evento cardiovascular é alto ao associar o uso da pílula anticoncepcional ao tabagismo. “Nós vemos uma incidência muito grande de eventos cardiovasculares, como trombose, AVC ou até embolias pulmonares em mulheres jovens por causa dessa combinação” alerta.

Algumas doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide, mais comuns entre a população feminina, também são fatores de risco. “Essas doenças são inflamatórias e favorecem a aterosclerose, principal causa de deposição de gordura nas artérias”, aponta Dr. Leandro Vasconcelos.

Sintomas de infarto

As mulheres ainda podem ter sintomas diferentes em um infarto. Enquanto nos homens têm uma dor mais típica no peito, que corre para o lado esquerdo, nas mulheres nem sempre isso acontece. “Muitas vezes, elas têm uma dor na barriga, mais falta de ar, náusea e muitas ignoram os sintomas achando que é algo gástrico. Isso provoca uma demora no diagnóstico, o que dificulta as possibilidades de tratamento”, aponta Dr. Leandro Vasconcelos.

Prevenir é fundamental

Com ou sem proteção de fatores hormonais, a prevenção ainda é a melhor maneira de evitar cardiopatias. “Na maioria das vezes, a evolução para uma doença cardiovascular mais grave acontece quando temos uma combinação de fatores de risco”, observa a Dra. Bruna Loise Mayer.

Por isso, a cardiologista ressalta a importância da prática de exercícios físicos, alimentação mais equilibrada e saudável, manter o peso adequado e evitar o tabagismo. “Grande parte dos fatores de risco são evitáveis, nós podemos modificar nosso estilo de vida, sempre sem esquecer de ter um acompanhamento cardiológico regular”, salienta.

Sobre o Grupo Hospitalar São Vicente-FUNEF
O Grupo Hospitalar São Vicente-FUNEF, formado pelo Hospital São Vicente Curitiba, fundado em 1939, e pelo Hospital São Vicente CIC, inaugurado em 1973, atende a diversas especialidades, sempre pautado pela qualidade e pelo tratamento humanizado. Referência em transplantes de fígado e rim e nas áreas de Oncologia e Cirurgia, desde 2002 o Grupo é mantido pela Fundação de Estudos das Doenças do Fígado Kotoulas Ribeiro (FUNEF).

O Hospital São Vicente Curitiba é um hospital geral de alta complexidade. Em uma estrutura moderna, conta com pronto-atendimento, centros médico, cirúrgico e de exames, UTI, unidades de internação e centro de especialidades. Possui o selo de certificação intermediária de transplantes hepático e renal da Central Estadual de Transplantes do Paraná e seu programa de Residência Médica é credenciado pelo Ministério da Educação (MEC) nas especialidades de Cirurgia Geral, Cirurgia Digestiva, Cancerologia Cirúrgica e Radiologia.

A instituição integra ainda a lista de estabelecimentos de saúde que atendem ao padrão de qualidade exigido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, órgão regulador vinculado ao Ministério da Saúde. Mais informações no site www.saovicentecuritiba.com.br.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui