Início do outono: doenças da estação alertam para a importância da vacinação

Dia 20 de março começa oficialmente o outono. No sul do país, as temperaturas começam a cair, e algumas doenças esquecidas na última estação começam a reaparecer. Além da gripe e resfriados, a sinusite, otite, meningite e a pneumonia são mais comuns nessa época. No calendário anual, diversas vacinas garantem uma maior imunidade para essas doenças, principalmente com a chegada dos dias mais frios: os ambientes mais fechados, com menor circulação do ar, são mais favoráveis para a circulação de vírus e bactérias.

A vacina da gripe, prevista para chegar ao Brasil no começo de abril, é de extrema importância para aumentar a imunidade do organismo. “Nas clínicas de vacinação, a vacina da gripe é composta por quatro tipos de cepas do vírus influenza, sendo duas do tipo A (H1N1 e H3N2) e duas do tipo B, dependendo do vírus circulante no ano anterior”, afirma a enfermeira especialista em vacinação da Clínica Vacinne, Renata Quadros A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, por ano, a gripe cause comprometimento grave em 3,5 milhões de pessoas.

Testes realizados no Instituto Butantan, produtor da vacina distribuída pelo Ministério da Saúde, mostraram que a vacina disponível na campanha de imunização de 2021 mostrou-se capaz de conferir proteção contra a influenza H3N2 (Darwin), mesmo sem ter a cepa na sua composição: composta pelo vírus da influenza H1N1, H3N2 e B, conferiu a proteção cruzada contra a cepa Darwin em testes de laboratório justamente por conter uma cepa H3N2, da mesma origem.

Além da vacina da gripe, a vacina meningocócica C e pneumocócica conjugada 10-valente, oferecidas pelo SUS, e a meningocócica B, ACWY e as pneumocócicas conjugadas 13-valente e 23-valente, da rede particular, garantem um corpo mais forte e preparado para a nova estação.

Renata lembra que as doenças respiratórias apresentam sintomas como febre, cansaço, dor de garganta, falta de ar, entre outros, comuns também na COVID-19. Para quem recebeu a vacina da COVID-19, a indicação do Ministério da Saúde é deixar um intervalo de pelo menos 14 dias para qualquer outra nova imunização. “A vacinação é uma arma poderosa para combater doenças e fortalecer o organismo. Isso ficou evidente ainda mais na pandemia. Verifique quais imunizações estão em atraso e realize as vacinas previstas no Calendário Nacional de Vacinação, garantindo assim um organismo mais forte, independente da estação do ano”, finaliza.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui