Mulheres assumem protagonismo em áreas consideradas “masculinas”

Com maioria feminina, curso de graduação em Criminologia do UniCuritiba formará primeira turma já em 2022
Com maioria feminina, curso de graduação em Criminologia do UniCuritiba formará primeira turma já em 2022
Já faz tempo que as mulheres vêm ocupando lugares que, um dia, foram majoritariamente masculinos, especialmente no mercado de trabalho. Ainda que nem todos os desafios tenham sido vencidos, provas do protagonismo feminismo não faltam para celebrar o Dia das Mulheres.

Um exemplo está na graduação em Criminologia oferecida pelo UniCuritiba – instituição que faz parte da Ânima Educação, uma das principais organizações de ensino superior do país. Dos quase 100 alunos matriculados, a ampla maioria é de mulheres.

Pioneiro no Brasil na criação de um curso superior de Criminologia, o UniCuritiba formará sua primeira turma neste ano. Assim como as estudantes, as professoras também ocupam lugar de destaque, correspondendo a cerca de 50% do corpo docente.

Formada em Direito, com doutorado em Processo Penal, a professora Michelle Gironda Cabrera diz que a participação feminina na área criminal não é tão recente quanto se costuma imaginar. “Existem excelentes mulheres criminalistas e criminólogas que vêm se dedicando, já há algumas décadas, a assuntos socialmente concebidos como ‘masculinos’.”

Esse interesse, analisa a docente dos cursos de Direito e Criminologia, se deve ao fato de que as Ciências Criminais estão ligadas a questões humanas. “Temos mais da metade das turmas de Criminologia compostas por alunas extremamente dedicadas, responsáveis e estudiosas.”

Michelle Cabrera conta que sua atenção pessoal à área de Criminologia começou junto com a prática criminal, como advogada criminalista. “Percebi que a boa dogmática penal e processual penal, na defesa das garantias e dos direitos das pessoas, precisava estar atrelada à crítica criminológica para surtir algum efeito”, conta.

Com a palavra, as estudantes

Os graduandos em Criminologia pelo UniCuritiba têm formação diferenciada para atuar em diversos campos na área da Criminologia e das Ciências Criminais. Normalmente, a atuação feminina se concentra na pesquisa acadêmica e na segurança pública.

A criminalista Juliana Absher é estudante do 5º período de Criminologia no UniCuritiba. O interesse pelo curso surgiu após a formação em Direito. “A Criminologia, por se tratar de uma ciência social aplicada, multidisciplinar, explicitamente voltada para o mundo do ser e com um viés propositivo foi o que me chamou atenção, pois com essas características ela é capaz de contribuir de forma efetiva para a questão criminal”, diz.

Inspirada nas professoras do UniCuritiba, entre elas as doutoras Michelle Cabrera, Mariel Muraro e Karla Pinhel, Juliana é direta: “O crescimento no número de mulheres em áreas até pouco tempo atrás consideradas masculinas demonstra a nossa capacidade de ocupar os espaços que quisermos”.

A estudante Catherine Ribas ingressou, em 2019, no curso de Direito do UniCuritiba e, depois de um semestre, viajou para um intercâmbio acadêmico de seis meses em Portugal. Foi lá, cursando a disciplina, que confirmou sua escolha: Criminologia. “Na volta, troquei de curso e hoje me orgulho de fazer parte de uma turma pioneira nesta área no Brasil.”

Sobre a participação feminina em áreas como a Criminologia, ela confirma que sua turma é composta por mulheres, em sua maioria. “Atualmente, as principais opções para quem cursa Criminologia são os concursos públicos na área de segurança e a docência, onde me vejo no futuro.”

Mais atenção às mulheres
Graduanda em Direito pelo UniCuritiba, Marcela Borges de Macedo decidiu cursar Criminologia em paralelo porque entende que há uma relação direta entre as áreas e vê possibilidades de as mulheres, compreendendo melhor as questões da criminalização, atuarem em defesa de outras.

“Ainda há muita ‘fragilidade’ e pouca estrutura e suporte às mulheres no sistema penal brasileiro, principalmente em se tratando da população feminina negra. Acredito que podemos fazer a diferença”, diz a jovem.

No futuro, a estudante se vê atuando na segurança pública e aplicando os conceitos do curso de Criminologia e do Direito como juíza ou delegada, contribuindo para a melhoria do sistema penal e dos temas voltados às mulheres.

Criminologia X criminalização

Assim como a presença das mulheres nas Ciências Criminais vem crescendo, a professora dos cursos de Direito e Criminologia do UniCuritiba, Michelle Cabrera, fala de outro dado que chama a atenção no Brasil: o envolvimento de mulheres no crime.

Desde a entrada em vigor da nova Lei de Drogas, em 2006, a criminalização de mulheres aumentou 300% no Brasil. “Isso não significa que as mulheres tenham se tornado mais criminosas, mas que passaram a ser mais perseguidas pelo sistema de justiça criminal, especialmente as mulheres negras e periféricas”, explica.

De acordo com indicadores do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, o tráfico de drogas representa 62% dos crimes pelos quais as mulheres estão presas no Brasil. Em alguns Estados, os números são ainda maiores, especialmente na fronteira ou em regiões que estão na rota do tráfico, como Mato Grosso (82%) e Rio Grande do Sul (89%).

Perfil semelhante

No Brasil, o perfil das mulheres envolvidas em crimes se assemelha: 77% relataram histórico de abuso de drogas em algum momento da vida; 66% estavam desempregadas no momento da prisão; 60% possuíam baixo grau de escolaridade (57% tinham o ensino fundamental incompleto e 3% eram analfabetas); 51% eram solteiras, viúvas ou separadas e 91% possuíam filhos/as.

“Normalmente, casos públicos e emblemáticos envolvendo mulheres acabam por serem notáveis quando elas são vítimas e o grande problema é que, não raras vezes, as mulheres são revitimizadas, sendo tratadas como culpadas pelas agressões que sofreram. Já o problema envolvendo mulheres presas ainda é pouco discutido publicamente”, analisa a Michelle Cabrera.

Segundo a especialista, felizmente a crítica criminológica vem trazendo à tona essas questões. “As mulheres envolvidas no tráfico, em sua maioria, além de estarem situadas em camadas sociais tidas como marginalizadas, desconhecem a extensão de seus direitos, o que poderia, inclusive, ser relacionado ao baixo índice de escolaridade, e não dispõem dos recursos para arcar com o custo de um procedimento judicial.”

Para a estudante do UniCuritiba e advogada criminalista Juliana Absher, o estudo da criminologia representa um grande e necessário passo para mudanças efetivas no Brasil. “Ainda mais em nosso país, que notoriamente enfrenta dificuldades com altos índices de criminalização e aumento da população carcerária.”

Sobre o UniCuritiba
Com mais de 70 anos de tradição e excelência, o UniCuritiba é uma instituição de referência para os paranaenses e reconhecido pelo MEC como uma das melhores instituições de ensino superior de Curitiba (PR). Destaca-se por ter um dos melhores cursos de Direito do país, com selo de qualidade OAB Recomenda em todas as suas edições, além de ser referência na área de Relações Internacionais. Conta com mais de 40 opções de cursos de graduação, em todas as áreas do conhecimento, além de cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Possui uma estrutura completa e diferenciada, à disposição dos seus mais de 6 mil estudantes, com dois campi (Milton Vianna Filho e Pinheirinho) e mais de 60 laboratórios. Com professores mestres e doutores que possuem vivência prática e longa experiência profissional, o UniCuritiba tem seu ensino focado na conexão com o mundo do trabalho e com as práticas mais atuais das profissões, estimulando o networking e as vivências multidisciplinares.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui