Diego Gianni lança livro infantil “A Arte de Colorir o Vazio”

(fotos: Cla Ribeiro)

                     Violeta não enxerga, mas consegue ouvir as cores e todas as suas contradições. Este é o enredo antirracista do lançamento infantil “A Arte de Colorir o Vazio”, do roteirista e escritor Diego Gianni. O lúdico universo de “Violeta” foi inspirado na infância da esposa do autor, um relato delicado do tempo sobre o encontro com o afeto.

Capa do livro

A obra foi escrita há quatro anos como um presente de escuta ao seu amor, e agora foi adaptada para que pudesse alcançar outras crianças e adultos. O lançamento acontece pela Editora Viseu.  Com narração em versos livres, o livro remete a algumas memórias a respeito das vivências, embaraços e inseguranças da infância de uma menina negra. É um livro sem “vilões” ou lições de moralismo, que simplesmente conta a história de uma menina que conversa com as cores enquanto tenta compreender o mundo.  “E o mundo não é pintado como um lugar bonito onde cada criatura está destinada a ser feliz para sempre, tampouco desprovido de momentos felizes… O mundo é o que é”, comenta o autor Diego Gianni.

CRIANÇAS E ADULTOS

O modo como o escritor encontrou de escrever partes desse relato (tão distante de sua realidade) foi fazer do “Tempo” o narrador da história, sendo o Tempo um ser intangível que não tem a função de julgar ou compreender o que acontece no mundo. O Tempo “apenas passa”, embora nesta narrativa possamos sentir que ele tem um carinho um tanto parcial pela protagonista.

                   “A Arte de Colorir o Vazio” é um livro feito para crianças, pois o mundo será um quadro mais bonito quando as pessoas compreenderem que a vida é feita de muitas cores. E é também para os adultos, pela mesma razão.

QUEM É DIEGO

No gênero infantil, o autor também neste ano assina o roteiro de um curta-metragem chamado “Adam”, cuja história se passa em um orfanato de “crianças imaginárias”. O livro já está disponível no site da Editora Viseu.

                        Diego Gianni nasceu em 1982, em São Paulo. É formado em jornalismo, mas prefere o mundo da ficção que a realidade. É autor de crônicas, peças teatrais e roteiros de cinema. No ano de 2020, foi premiado no concurso “Outras Palavras” da Secretaria Estadual de Cultura (SEEC), com uma coletânea de crônicas.

 

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui